Reproduzindo o bug

Transcrição ↓

real historia;
string sender = "Skhaz";

Chefe: Te mandei um e-mail sobre um bug estranho do sistema que o usuário reclamou…
Programador: Tá, vou ver…
(Depois…)
Programador: Olha, Chefe, olhei a descrição do bug, falei com a equipe, mas a gente não conseguiu reproduzir…
Chefe: É que vocês são programadores. Vocês não se reproduzem!
Programador: PLOFT!

Camiseta: It’s not a bug, it’s a feature

Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.

via Vida de Programador

Quer ver como seria um alvorecer em Marte?

Quem nunca se maravilhou assistindo ao nascer do Sol — vendo como o nosso Astro-Rei vai gradualmente “pintando” o céu com uma variedade belíssima de cores? E você já se perguntou como seria o alvorecer em outros planetas?

Os astrônomos conseguem prever mais ou menos como eles seriam em outros mundos considerando fatores como composição atmosférica, distância que eles se encontram da nossa estrela, inclinação sobre o próprio eixo, órbita etc. Mas… como temos exploradores espaciais em atividade em Marte neste momento, os cientistas não precisam fazer nenhuma estimativa para saber como o nascer do Sol é no Planeta Vermelho!

Tudo o que os astrônomos precisam fazer é tratar as imagens que esses laboratórios ambulantes capturam da superfície marciana e enviam aqui para a Terra. Um exemplo de alvorecer em Marte é esse que você pode ver a seguir e que foi compartilhado no Instagram pela NASA:

Missão exemplar

De acordo com a agência espacial, a imagem foi clicada pelo explorador Opportunity, que foi construído para durar apenas 90 sols — ou dias marcianos. No entanto, no final de semana, o rover completou nada menos que 5 mil sols no Planeta Vermelho, superando, de longe, todas as expectativas dos responsáveis pela missão!

Rover OpportunitySuperando todas as expectativas (SlashGear)

A imagem que você viu foi registrada no dia 15 de fevereiro, data em que a Opportunity completou 4.999 sols em Marte, e ela revela quais são as cores que provavelmente seriam vistas se estivéssemos no Planeta Vermelho para assistir ao nascer do Sol com nossos próprios olhos.

Segundo a NASA, a imagem consiste em uma combinação de três capturas separadas realizadas pela câmera panorâmica — Pancam — montada no explorador, uma com os filtros ajustados na frequência de 601 micrômetros (vermelho), 535 micrômetros (verde) e 482 micrômetros (azul).

Depois, as exposições foram processadas pelo pessoal da Texas A&M University — para que aspectos como saturação, brilho e possíveis reflexos fossem corrigidos —, mas nem todos os “defeitos” foram corrigidos, uma vez que é possível ver elementos na imagem resultantes de fotografar o alvorecer com a lente empoeirada da Opportunity.

Quer ver como seria um alvorecer em Marte? via Mega Curioso

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

YouTube muda regras de monetização; Apple corrige bug no iPhone e + [CT News]

Bem-vindos ao nosso “jornal” diário com o resumo das principais notícias sobre tecnologia. Com o Canaltech News, em pouco mais de 5 minutos você fica por dentro dos principais produtos lançados do mercado, da movimentação das principais empresas do segmento, novidades das redes sociais, curiosidades, cultura geek, e muito mais.

Nesta edição, falamos sobre:

  • Google Pay é lançado para substituir Android Pay no Brasil e no mundo
  • Apple lança iOS 11.2.6 para corrigir falha que travava iPhone
  • Facebook Brasil é multado em R$ 4 milhões por descumprir ordem judicial
  • Sul-coreano que atuava para regular mercado de criptomoedas é encontrado morto
  • Com fim de prazo, canais pequenos perdem monetização no YouTube
  • Russa morre eletrocutada após deixar celular cair dentro da banheira
  • Adolescentes assumem que são viciados em smartphones, segundo estudo
  • Brasil está em 52º lugar em ranking que analisa a média global de velocidade 4G
Gostou desse vídeo?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

via Canaltech

Estúdio FlightSimLabs é acusado de instalar malwares em PCs de jogadores

Conhecido pela produção de jogos de simulação, o estúdio FlightSimLabs aparentemente recorreu a práticas um tanto suspeitas para garantir que as pessoas não estavam falsificando seus jogos. Segundo reportou um usuário do Reddit, a empresa estava instalando nos computadores de seus consumidores um softwares para detectar se a cópia usada era original ou não.

O problema surge do fato da ferramenta usada ser baseada em um código que coleta senhas usadas no navegador de internet Google Chrome. Com isso, a desenvolvedora tinha a capacidade de roubar nomes de usuários e códigos de acesso de todas as páginas que os jogadores visitavam.

FlightSimLabs

O chefe da FlightSimLabs, Lefteris Kalamaras, admitiu que a ferramenta realmente está sendo usada, mas disse que nenhuma informação pessoal está sendo coletada — ela simplesmente existe para verificar a autenticidade dos games. “Esse programa é sempre extraído temporariamente e nunca, sob nenhuma circunstância, é usado em cópias legítimas do produto”, garante.

Segundo o desenvolvedor de softwares Luke Gorman, o fato é que não dá para chamar a solução usada de outra coisa que não de malware. Tanto é que, para conseguir instalar os softwares produzidos pela empresa, é necessário desligar o antivírus de seu computador — caso contrário, ele provavelmente vai barrar o processo ao detectar a possível ameaça.

“Nós ouvimos nossos consumidores porque, sem vocês, não haveria a FlightSimLabs”

Em resposta às críticas, a FlightSimLabs substituiu o instalador de seus games que dispensa o uso de malwares. A companhia pediu desculpas pelo ocorrido e por ter violado a confiança de quem compra seus produtos de forma legítima. “Nós ouvimos nossos consumidores porque, sem vocês, não haveria a FlightSimLabs”, afirmou a mensagem divulgada pela empresa.

Estúdio FlightSimLabs é acusado de instalar malwares em PCs de jogadores via Voxel

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Saiba como reproduzir DVDs no Windows 10 de forma gratuita

PC World / EUA

20 de fevereiro de 2018 – 20h22

Apesar de a Microsoft fornecer um aplicativo, ele não funciona muito bem e não é gratuito para todo mundo. Por isso, a melhor alternativa é o VLC Media Player.


Imagem: Microsoft/divulgação

Você pode reproduzir um DVD de forma simples em uma máquina Windows 10 sem gastar nada, mas para isso precisará de um pouco de ajuda que provavelmente não virá da Microsoft. 

Primeiro vou falar sobre como a solução da própria Microsoft meio que funciona para algumas pessoas. Depois vou falar sobre uma alternativa muito melhor chamada VLC, que pode ser usada por qualquer um, e ainda é atualizada com frequência. E o melhor de tudo: é grátis.

RIP Windows Media Center

Quando o Windows 10 foi lançado, o sistema deixou para trás o Windows Media Center, um aplicativo para PCs que te permitia reproduzir DVDs no seu computador. O Windows 8 também não vinha com o software, mas os usuários rodando o Windows 8 Pro ainda podiam instalar o Windows Media Center. 

Essa solução alternativa deixou de existir com o Windows 10. Isso porque o Windows Media Center simplesmente não funciona no sistema. A Microsoft oferece uma solução oficial para reprodução de DVDs, mas ela é ruim.

A solução em questão fornecida pela Microsoft é um app chamado Windows DVD Player, que custa 15 dólares na Windows Store – e que você pode encontrar de forma gratuita no seu PC caso tenha feito o upgrade a partir de uma máquina com o Windows 7 ou 8 que tivesse o Media Center.

O aplicativo é simples e deveria apenas funcionar, mas quando o testei há um bom tempo ele fez tudo menos isso. Por exemplo, testei cinco discos diferentes com o software, que os detectou e não apresentou problemas para passar pelos alertas do FBI, trailers e menus. No entanto, o aplicativo não conseguiu reproduzir alguns dos filmes. Outro bug apareceu na hora de trocar os discos – entre tirar um DVD e colocar o outro, era preciso reiniciar o aplicativo para que ele reconhecesse o novo disco.

Ao verificar os reviews mais recentes, parece que ainda há usuários sofrendo com problemas parecidos de reprodução com o Windows DVD Player. Na verdade, não parece que a Microsoft fez muita coisa para atualizar a interface do software desde o lançamento em 2015. 

VideoLAN VLC

Se você está usando um PC de uma grande fabricante, como Dell ou PC, é provável que a máquina já tenha uma solução instalada para reprodução de DVDs.

Se este não for o caso, uma solução ainda melhor do que o Windows DVD Player é o gratuito e sempre confiável VLC. Importante: certifique-se de baixar o app desktop do media player e não a versão da Windows Store, que não oferece suporte para DVDs ou Blu-Rays. 

Uma vez que finalizar a instalação, abra o programa, insira o DVD, e clique em Media > Open Disc para assistir ao seu DVD. É simples assim.

Mas vale destacar que o VLC possui muitos poderes escondidos para quem estiver disposto a explorar o app um pouco mais. O mais recente VLC 3.0, por exemplo, ganhou a habilidade de transmitir vídeos e músicas para aparelhos Google Chromecast e suporte para vídeos 360 graus e HDR, entre outras coisas.

via IDG Now!

Sabia que Thomas Edison queria criar um telefone para falar com os mortos?

Você pode até não ser muito fã de Thomas Edison — essa polêmica figura é detestada por muitos, especialmente devido à sua rivalidade histórica com Nikola Tesla —, mas, a gente gostando ou não, o fato é que o norte-americano foi creditado com a invenção de inúmeras coisas, como o fonógrafo, o gramofone e a primeira versão comercializável da lâmpada incandescente.

Thomas EdisonThomas Edison trabalhando em seu laboratório (Library of Congress)

E sabe o que ele tentou inventar, mas acabou não dando certo? Um telefone. Mas não um aparelho comum, desses usados para conversar com pessoas do outro lado da linha. De acordo com Ashley Hamer, do site CuriosityThomas Edison queria construir uma engenhoca para se comunicar com aqueles do outro lado da vida. Em outras palavras, o inventor queria desenvolver um dispositivo que permitisse estabelecer o contato com os mortos.

“Necrofone”

Segundo Ashley, esse papo de telefone para o além surgiu em 1920, quando Edison conversou com o pessoal da American Magazine — uma revista periódica dos EUA que saiu de circulação em meados de 1956. Na ocasião, o inventor comentou que estava trabalhando no desenvolvimento de um aparelho que nos permitisse bater papo com personalidades que já tinham partido desta para uma melhor, e o funcionamento da máquina não tinha nada a ver com invocações bizarras ou rituais sinistros.

Médium se comunicandoMédium supostamente tentando se comunicar com os mortos (Atlas Obscura/Domínio Público)

Na verdade, Edison acreditava que quando uma pessoa morria, ela deixa para trás o que ele chamava de “unidades de vida” — e, segundo o conceito dela, esses pedacinhos de memórias e pensamentos eram espalhados pelo Universo e poderiam ser detectadas por meio de dispositivos especiais (como o que o inventor queria construir, evidentemente).

É óbvio que a notícia sobre a engenhoca se espalhou rapidamente, gerando um enorme interesse do público. No entanto, de acordo com Natalie Zarreli, do site Atlas Obscura, como a tal máquina jamais foi apresentada — nem sequer um prototipozinho ou projeto fajuto —, logo começaram a surgir que a história toda não passava de papo furado e que o telefone com linha direta para o além não passava de uma farsa ou até uma brincadeira de Thomas Edison.

Descoberta

A tal geringonça acabou caindo no esquecimento e nunca mais se ouviu falar nela. Então, em 2015, um jornalista francês chamado Philippe Baudoin — que estava de boas em um brechó — se deparou com uma raridade… Baudoin encontrou um antigo diário de Edison entre os itens da loja e, nele, descobriu um capítulo inteiro onde o inventor detalhava como pretendia se comunicar com os mortos.

Necrofone Um dos artigos que circularam na época em que Edison anunciou sua ideia de desenvolver o tal telefone (Atlas Obscura/Domínio Público)

O jornalista transformou seu achado em livro — “Le royaume de l’au-delà” ou “O Reino do Além” em tradução livre — e, por fim, provou que Edison levava bem a sério a ideia de construir o tal telefone. Mas, estaria o inventor louco? Seria ele supersticioso? Será que ele realmente acreditava que poderia construir uma máquina que permitisse o contato com os espíritos? Para responder a essas questões, é necessário entender o contexto da época…

Segundo Martha Barksdale, do site How Stuff Works, a ideia do “necrofone” foi apresentada depois do fim da Primeira Guerra Mundial, época em que a ideia de contatar os mortos voltou a entrar em voga — e, considerando a dimensão de perdas humanas sofridas durante o conflito, era normal que as pessoas buscassem formas de se comunicar com as almas de que se pereceram.

Comunicação com os espíritosAlô? (How Stuff Works/H. Armstrong Roberts/Corbis)

Além disso, foi por volta dessa época que começaram a surgir novidades como a lâmpada e o gramofone, o que significa que, pela primeira vez, as pessoas começaram a ver coisas “invisíveis” como a eletricidade e o som se transformarem em algo perceptível por meio de cabos e fios. Portanto, apesar de Edison ser assumidamente agnóstico, não podemos taxá-lo de maluco por ele pensar que a energia deixada por pessoas que partiram poderia, de alguma forma, ser manipulada e convertida em algo palpável, você não acha?

Sabia que Thomas Edison queria criar um telefone para falar com os mortos? via Mega Curioso

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Google Pay, Galaxy S9, Spotify, Moto G6 Play e mais – Hoje no TecMundo

Esses e outros destaques estão no nosso resumo diário em vídeo

Nesta edição do Hoje no TecMundo, veja que , entre outros destaques. Os links das notícias estão logo abaixo.

Leia mais…

via Novidades do TecMundo

Google Pay, Galaxy S9, Spotify, Moto G6 Play e mais – Hoje no TecMundo

Esses e outros destaques estão no nosso resumo diário em vídeo

Nesta edição do Hoje no TecMundo, veja que , entre outros destaques. Os links das notícias estão logo abaixo.

Leia mais…

via Novidades do TecMundo

Com 1,5 bilhão de transistores, protótipo de GPU da Intel é apresentada

Intel apresentou na IEEE International Solid-State Circuits Conference, um evento focado em placas e chips, seu primeiro protótipo de placa de vídeo. Ele tem como base o processo de 14 nm e contém nada menos que 1,542 bilhão de transistores que se dividem em dois chips, sendo um deles a verdadeira unidade que processa gráficos e o outro uma matriz programável de portas de campo, o que indica que a GPU pode vir a ser aplicada para jogos ou até mesmo mineração de criptomoedas.

As dicas de que a Intel estaria rumando nessa direção começaram quando a empresa contratou Raja Koduri, chefe da equipe de tecnologia da Radeon, da AMD. No fim do ano passado, a Intel anunciou que estaria criando um protótipo de GPU que finalmente foi apresentado no evento que aconteceu na semana passada.

A Intel não revelou quais seriam os objetivos de seu protótipo e apenas se referiu a ele como uma “prova de conceito”, um protótipo. Sem ser possível tirar maiores conclusões, dá para esperar uma placa de vídeo com arquitetura poderosa e eficiente. E claro: o mercado dominado até hoje por AMD e NVIDIA pode receber um concorrente de peso como a Intel.

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Apple requisita uso de logotipo de 1977 para estampar camisetas e bonés

A maçã monocromática que a Apple adotou como logo nos últimos anos não corresponde mais à imagem que a empresa deseja passar (ao menos em seus produtos promocionais) e será substituída por uma versão curiosamente mais antiga. Trata-se da maçã com as cores do arco-íris em listras horizontais, utilizada pela empresa de 1977 até 1999.

Steve Jobs optou por preencher a maçã com o espectro do arco-íris em referência à capacidade do Apple II em reproduzir cores, o que significava uma grande inovação naquela época.

O logo da Apple mudou bastante durante o tempo, conforme você pode conferir na linha do tempo abaixo:

Histórico dos logos da Apple desde a sua criação

Em dezembro passado, a empresa entrou com um pedido no Trademark Reporting and Monitoring System, órgão responsável pela regulação de patentes e logotipos. Aparentemente, o intuito, segundo o documento, é voltar a utilizar a maçã colorida em produtos promocionais, como camisetas e bonés.

Requisição do uso do logo colorido para peças de vestuário (Imagem: Reprodução/The Blast)

Ainda não se sabe se a maçã multi-colorida estampará, mesmo, camisetas e bonés da Apple no futuro próximo. Contudo, não custa sonhar que esses produtos não cheguem custando "o olho da cara".

via Canaltech

%d blogueiros gostam disto: