Facebook enfim testa suporte a vídeos em 4K

Não é segredo que o Facebook quer se tornar um novo YouTube. Ele possui uma seção dedicada para vídeos, permite incorporá-los em outros sites, tem suporte a transmissões ao vivo, entre outros. Mas ainda está faltando algo importante: 4K.

O Facebook confirmou ao TechCrunch que está testando uploads e visualização de vídeo em 4K. Algumas páginas e perfis já podem enviá-los e assisti-los no padrão UHD-1 2160p.

Você pode experimentar isso abaixo no computador: clique na engrenagem e depois em “2160p”. (No smartphone, ele fica limitado a 480p.)

Já não era sem tempo! O YouTube começou a experimentar reprodução de vídeo 4K em 2010. Isto foi aberto para um público mais amplo em 2014; enquanto transmissões ao vivo em 4K chegaram em 2016.

À medida que o Facebook investe em produções originais, concorrendo até mesmo com a Netflix, a resolução se torna um fator mais crucial. Vídeos de esportes e viagens, por exemplo, saem ganhando com os pixels extras.

Com informações: TechCrunch.

Facebook enfim testa suporte a vídeos em 4K

via Tecnoblog

Facebook finalmente começará a exibir vídeos em 4K na rede social

Disponíveis no YouTube há alguns anos, os vídeos em 4K finalmente estão chegando ao Facebook. A novidade já está funcionando em caráter de teste em algumas páginas e perfis, que já estão conseguindo fazer o upload de vídeos em 4K na rede social, além de assistir a outros com essa qualidade.

O Facebook vem investindo pesado em ferramentas e conteúdos em vídeo, uma vez que essa mídia é a tendência global na internet. Hoje mesmo, a empresa de Mark Zuckerberg ampliou as possibilidades de se fazer uma transmissão ao vivo no Instagram, que, agora, permite um Live com duas pessoas simultaneamente.

Na verdade, o suporte para a resolução 4K em vídeos ao vivo no Facebook começou em julho, mas somente quando enviados com essa qualidade. Para os vídeos-padrão, a qualidade era limitada em 720p. A partir de agora, para descobrir se o vídeo em exibição já tem a opção 4K de visualização, basta clicar no ícone da engrenagem em um vídeo postado no Facebook e verificar se a resolução 2160p já está disponível, conforme podemos ver na imagem abaixo:

Fonte: TechCrunch

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!

via Canaltech

Vídeos com resolução 4K finalmente vão chegar ao Facebook

Demorou, mas pelo jeito está chegando – o Facebook deve, em breve, liberar a transmissão de vídeos em resolução 4K (padrão 2160p UHD-1). Segundo a reportagem do TechCrunch, a rede social já liberou o recurso para algumas páginas e usuários e deve, após uma fase de testes, liberar a ferramenta para todos.

Isso faz um sentido imenso para a rede social, que vem buscando seu espaço na internet como plataforma de streaming, já possuindo conteúdo próprio veiculado por meio do Facebook Watch, além de uma quantidade enorme de conteúdo que ainda não pode ser transmitido em 4K, com exceção dos vídeos do Live 360, que já aceitam essa resolução.

facebook 4k

Vale lembrar que o YouTube já trabalha com resolução 4K desde 2010 e liberou o acesso para criadores de conteúdo e espectadores no ano passado. Com o aumento do consumo de televisores em 4K e toda a conectividade e interatividade desses aparelhos com a internet, por meio desses players de mídia digital, a exigência pelo 4K não vai demorar a ser bem alta – e o Facebook está tentando tirar o atraso ainda a tempo.

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Snapchat agora permite gravar vídeos sequenciais de 60 segundos no Android

Um recurso do Snapchat que, até então, era oferecido apenas para usuários do iOS, acaba de chegar também para Android: alguns usuários já estão conseguindo publicar vídeos sequenciais de 60 segundos a partir do sistema do robozinho verde.

Para começar a publicar vídeos mais longos no Snapchat, basta manter o dedo pressionando o botão de gravação depois do limite inicial dos 10 segundos. Será indicado na tela que você já ultrapassou os 10 segundos, e um novo aviso será emitido a cada 10 novos segundos, até que 1 minuto seja completado, encerrando a gravação automaticamente.

No final da gravação, o usuário pode escolher remover alguma das partes de 10 segundos, se desejar, o que pode render vídeos com ares de edição criativos e divertidos. Também permanece possível incluir filtros, máscaras e textos em seu vídeo antes de ele ser compartilhado.

via Canaltech

Os segredos (e a paciência) por trás dos vídeos da Minicozinha

Minitalheres, um pequeno fogão à vela e ingredientes do tamanho de um grão de arroz: parece brincadeira, mas a união de tudo isso dá origem a comidas de verdade.

Estamos falando da Minicozinha Brasileira, uma série de vídeos que conquistou fãs (e haters) nas redes sociais ao produzir, em miniatura, receitas que variam desde a clássica feijoada até a idolatrada coxinha.

A página é um braço do Tastemade Brasil, que produz vídeos de receitas (em tamanho normal) e conquistou mais de 16 milhões de seguidores no Facebook. O sucesso foi tanto que a empresa decidiu abrir seu próprio café na cidade de São Paulo.

Na versão em miniatura, os dons culinários não são a única parte importante: é preciso pensar em receitas que dariam certo em tamanho micro e adaptar os ingredientes para essa proporção.

O processo é coordenado pela designer Fernanda Picoloto, produtora da Minicozinha e dona das mãos pacientes que aparecem nos vídeos.

Sem formação em gastronomia, ela diz que sempre gostou de cozinhar e ainda ironiza. “De qualquer forma, não existe uma formação para fazer minicomidas”, diz em entrevista ao site EXAME.

A produtora conta que não tem dificuldades para lidar e ter paciência com os alimentos pequenininhos – e que tudo ficou ainda mais fácil com a prática. Após todo o trabalho, ela também se diverte vendo os comentários nos vídeos.

“Acho engraçado que as pessoas comentam que não gostam ou que queriam quebrar as coisas, mas ainda assim assistem aos vídeos”, fala.

Não é preciso ir muito longe para ver que a observação é real. Em uma postagem de um miniespaguete com almôndegas, um usuário comenta: “Essa cozinha pitinininha me irrita tanto que eu vejo todos os vídeos!!”.

Já em uma receita de um minicafé da manhã japonês, outro usuário se expressa: “Eu adoro a minicozinha, só que sinto aflição de ver os vídeos e tenho vontade de pisotear tudo”.

Entre fãs assumidos e usuários confusos sobre seus sentimentos, a proposta também gera curiosidade: afinal, a Minicozinha realmente cozinha?

A resposta, a princípio, é sim: o pequeno fogão, que funciona alimentado pela chama de uma vela, é capaz de cozinhar os alimentos de verdade. Apesar disso, Fernanda revela que alguns “hacks” são necessários no caso das frituras e das receitas assadas.

Segundo ela, a chama não é suficiente para levar o óleo à temperatura necessária; por isso, ele é aquecido em um fogão convencional e levado depois à versão mini, que mantém sua temperatura.

No caso das receitas assadas, não há muito jeito: a minicozinha não tem um forno de verdade e é necessário colocar as comidinhas em um de tamanho real. O mesmo vale para a geladeira.

A produtora também explica que, na maioria dos casos, é possível manter a aparência dos ingredientes bem fiel à do tamanho original: uma folha de louro, por exemplo, pode ser cortada no formato de uma pequena folha.

Em outros casos, é necessário adaptar: na falta de minifeijões, foi necessário utilizar um grão amassado para fazer a versão de feijoada. Segundo ela, com exceção de algumas adaptações de última hora, nenhuma receita que eles tentaram produzir deu errado e deixou de ir ao ar.

O mistério sobre se a equipe sempre come as receitinhas depois da gravação também é respondido pela produtora.

“Às vezes eu até brinco e falo ‘acabou de sair um sonho, alguém quer?’, e alguém da equipe come para ver como ficou. Mas, às vezes, as coisas vão ficando para trás durante a produção e acabamos não comendo”. De qualquer forma, ela garante que as comidas realmente ficam com gosto idêntico à versão original.

 

Este conteúdo foi publicado originalmente em Exame.com

via Superinteressante

App do Twitter para Apple agora permite assistir vídeos ao vivo em 360º

Da Redação

26 de maio de 2017 – 11h37

Nova atualização do aplicativo também permite que usuários acessem o mapa global do Periscope para encontrar vídeos criados pelo mundo.

O Twitter anunciou nesta semana uma atualização do seu aplicativo para Apple TV que traz duas novidades importantes aos usuários.

A primeira delas é que agora os donos de Apple TV podem assistir a vídeos ao vivo em 360 graus por meio do app do Twitter na set-top box.

Segundo o Twitter, os usuários podem utilizar o controle da Apple TV, chamado de Siri Remote, para navegar pelo vídeo em diferentes ângulos e ter uma visão completa do conteúdo.

A atualização do app do Twitter para Apple TV também permite acessar o mapa global do Periscope, o serviço de transmissões em tempo real do Twitter, para encontrar vídeos criados por usuários do mundo todo.

twitterappletv.jpg

via IDG Now!

Como assistir vídeos da Netflix em HDR 10 ou Dolbly Vision no LG G6

Lançado no Brasil no final de abril, o LG G6 é o topo de linha mais recente da fabricante sul-coreana e rival direto de outros dispositivos da categoria, como o Galaxy S8 e o iPhone 7. E duas das funções oferecidas pelo aparelho são o HDR 10 e o Dolby Vision.

O HDR (sigla em inglês para “aumento de alcance dinâmico”) é um recurso presente em TVs, câmeras, monitores e outros gadgets, e basicamente garante uma imagem melhor através de cores mais vivas e com maior qualidade. Hoje, a função é dividida em dois formatos: o HDR 10, que é a versão livre e de distribuição mais simples, e o Dolby Vision, que tem a Dolby Laboratories como proprietária e é mais restrita, mas com qualidade técnica superior.

Até o momento, o G6 é o único smartphone do mercado capaz de reproduzir conteúdos por meio dessas duas tecnologias. O Galaxy S8 possui a certificação Mobile HDR Premium, mas os apps abertos no telefone da Samsung ainda não conseguem alcançar nem o HDR 10 ou o Dolby Vision.

A Netflix é uma das primeiras empresas a disponibilizar seu serviço com suporte a ambas versões, adicionado na última atualização do aplicativo em aparelhos com sistema Android. E ativá-la no G6 é um processo simples: primeiro, verifique se a versão do app da Netflix é a 5.0; se não for, baixe a versão mais recente na Google Play Store.

A partir daqui, vai depender do tipo de assinatura que você tem na plataforma de streaming. Embora o HDR não tenha envolvimento com a tecnologia 4K, ele está inserido dentro do pacote Premium, o que significa que apenas usuários cadastrados nesse plano podem usufruir do recurso. No Brasil, ele custa R$ 29,90. 

Se você já é assinante da categoria mais cara ou atualizou seu plano, a tarefa agora é encontrar conteúdos que ofereçam suporte ao HDR 10/Dolby Vision. A Netflix não possui uma seção voltada para filmes e séries com a tecnologia, mas se você digitar “HDR” na barra de pesquisas, todo o conteúdo disponível em HDR será exibido. No caso das produções originais do serviço, existem 20 atrações para escolher, incluindo as produções recentes “Marvel – Punho de Ferro” e “Sandy Wexler”.

Vale lembrar que o conteúdo em HDR 10 não é mostrado de forma explícita, mas está lá; o Dolby Vision, em contrapartida, possui um selo de identificação bem ao lado do tempo de duração do programa. Além disso, é possível fazer o download dos longas e seriados no G6 para serem assistidos em modo offline. Obviamente, o tamanho desses conteúdos é maior do que suas versões em HD.

A Netflix ainda não fez um anúncio oficial, mas é provável que o suporte ao HDR 10 chegue em breve ao Galaxy S8.

via Novidades do TecMundo

Veja as 10 páginas BR no Facebook com mais views em vídeos em abril de 2017

A Rede Snack divulgou um ranking com as páginas brasileiras que tiveram mais views em seus vídeos no Facebook no mês de abril. A pesquisa foi realizada em abril de 2017 pela Snack Intelligence, área de tendência da rede responsável por estudos, monitoramento e análises do mercado de audiovisual digital, que inclui diversas plataformas como YouTube, Facebook, Vine e Instagram.

Canais de mídia tradicional como Multishow e RedeTV! também estão na lista, mostrando que sabem como atrair o telespectador para outros meios além da TV

“A audiência do Facebook é muito diferente do YouTube. Enquanto no Youtube a audiência é dominada por creators, o Facebook tem uma predominância de grandes mídias. Perfil mais parecido com audiência, menos com comunidade”, explica Nelson Botega, fundador da Snack.

O resultado revelou que as páginas Bolsa de Mulher, Esporte Interativo e TasteMade Brasil são as favoritas na rede social, obtendo 273, 196 e 180 milhões de views em seus vídeos respectivamente. Canais de mídia tradicional como Multishow e RedeTV! também estão na lista, mostrando que sabem como atrair o telespectador para outros meios além da TV.

Tradição e modernidade

Com uma diversidade de temas, a lista de 10 nomes comprova que não há receita específica para o sucesso, visto que cada uma das páginas possui assuntos e abordagens diferentes. Porém, segundo Botega, “todos têm em comum a quantidade enorme de vídeos publicados em um espaço de tempo pequeno. Muitas dessas páginas top 10 em números de views têm mais de 300 vídeos publicados por mês, o que mostra que para construir audiência no Facebook, a estratégia do vídeo always on (publicação contínua) é a mais acertada”.

Confira a seguir o ranking feito pela Snack:

via Novidades do TecMundo

Aprenda a guardar as fotos e vídeos do seu Android na nuvem

A capacidade de armazenamento de um celular é um dos aspectos mais importantes para se levar em conta ao querer trocar de aparelho. Como não são todos os smartphones que possuem capacidade de expansão de memória com cartões SD, podem haver problemas com falta de espaço para fotos, vídeos, músicas e aplicativos.

Uma boa opção para liberar espaço é utilizar serviços de armazenamento na nuvem, como Google Fotos, Dropbox e outros. Além de ajudar na questão da memória, há outro benefício: você pode ficar tranquilo caso seu celular seja roubado ou estrague, porque suas fotos ainda estarão guardadas.

O Google Fotos é nativo do Android, mas também vamos listar outros serviços para você utilizar aquele que achar melhor.

Google Fotos

1. Abra o Google Fotos;

2. Puxe o menu lateral, e vá em “Configurações”;

3. Agora, entre em “Backup e sincronização”;

4. Para finalizar, ative a chave de “Backup e sincronização”.

Tudo pronto. Agora, todas as fotos que você tirar serão enviadas automaticamente para a nuvem. Caso você queira desativar, também é bem simples: apenas refaça os passos.

Google Drive

É importante lembrar que o Google Drive está integrado ao Google Fotos, ou seja, ele não possui a opção de sincronização automática; é possível apenas salvar imagens específicas. 

1. Abra alguma imagem da sua galeria;

2. Toque no ícone de “Compartilhar”;

3. Vá no ícone do Google Drive;

4. Você pode tanto escolher uma pasta quanto apenas tocar em “Salvar” para confirmar o envio.

Caso não escolha nenhuma, a imagem será salva automaticamente na pasta raiz do Google Drive.

DropBox

Se você estiver utilizando o plano básico do Dropbox, saiba que o backup automático das fotos apenas no celular não está disponível. Para utilizá-lo, é preciso instalar o aplicativo no computador e, depois, vincular as respectivas contas do pc e do smartphone neste site.

Fazendo o backup automático

1. Abra o Dropbox;

2. Puxe o menu da lateral, e toque no ícone da engrenagem;

3. Agora, toque em “Ativar o envio da câmera”.

Pronto! Suas imagens serão enviadas automaticamente para a nuvem. Caso você queira desativar a função, refaça o processo e toque em “Desativar o envio da câmera”.

Enviando fotos ou vídeos específicos

1. Abra alguma imagem ou vídeo da sua galeria;

2. Toque no ícone de “Compartilhar”;

3. Selecione o ícone do Dropbox;

4. Por fim, escolha uma pasta para salvar o conteúdo, e toque em “Adicionar”.

OneDrive

Para utilizar a sincronização automática

1. Abra o OneDrive;

2. Puxe o menu da lateral, e toque no ícone da engrenagem;

3. Busque a opção “Carregamento”;

4. Ative a chave de “Carregamento”.

A partir de agora, todas as fotos que você tirar serão enviadas para o OneDrive. Se você quiser desativar a função, basta refazer os passos.

Para enviar uma foto específica

1. Verifique se o OneDrive está instalado e conectado à sua conta;

2. Abra o aplicativo da galeria. Pode ser tanto o app nativo do celular quanto o Google Fotos;

3. Escolha a imagem que deseja salvar e toque no botão “Compartilhar”;

4. Vá no ícone do OneDrive;

6. Se houver, toque no ícone de “Confirmar” no canto direito e aguarde o upload ser finalizado. Pronto!

via Novidades do TecMundo

Telegram lança plataforma de vídeos curtos e bots de pagamento

Telegram

Na noite desta quinta-feira (18), usuários do Telegram ao redor do mundo foram surpreendidos com uma grande atualização que adicionou dois grandes recursos à plataforma. O mensageiro conta agora com um sistema de pagamentos por meio de bots e também com sua própria plataforma de vídeos, o Telescope, que permite o envio de clipes tanto para contatos quanto para qualquer outra pessoa.

Parece uma adição inusitada para um mensageiro, mas isso se deve ao fato de que a ideia da companhia é realmente ir além disso, e, quem sabe, até acabar competindo com grandes nomes do setor. Os clipes podem ter no máximo um minuto de duração e não é preciso que o espectador tenha uma conta no Telegram para assisti-los, bastando acessar a URL do canal público ou o link direto para o vídeo.

Novidades relacionadas a vídeo também chegaram aos chats em si. A partir de agora, os usuários ganham novas opções de compressão, podendo escolher entre maior qualidade e tamanho de arquivo ou reduzindo tudo em prol da agilidade. Critérios como autodestruição e outras opções de privacidade também valem aqui, assim como os vídeos privados também podem ser compartilhados publicamente, tudo a gosto do utilizador.

Para enviar uma mensagem, basta pressionar o botão de microfone, que se transforma em uma câmera. A gravação começa quando ele é segurado, como em uma gravação de áudio, mas o Telegram inclui também um modo no qual isso não é necessário. Após a seleção de compressão, o vídeo é enviado automaticamente, e, no lado do receptor, a reprodução é automática — no caso de usuários com planos de dados limitados, o recurso pode ser desligado.

O Telegram também lançou o Shop Bot, seu robô de pagamentos que vai permitir que os usuários façam compras e transfiram dinheiro, tudo usando o mensageiro. Com integração ao Apple Pay – e, futuramente, também com outros sistemas de pagamento –, a empresa deseja que seus usuários paguem de tudo pelo app, desde bilhetes de metrô até comida e serviços.

Tudo depende, claro, de parcerias, com lojas e estabelecimentos tendo de aderir à plataforma para que ela funcione com seus produtos. Nos bastidores, entretanto, o Telegram já está pronto para receber tais funcionalidades, bastando que as companhias se interessem. O robô de pagamentos funciona com a maioria dos operadores do mercado e cabe a cada desenvolvedor escolher qual plataforma deseja usar para recebimento.

Desde já, entretanto, o Telegram adianta que nenhum dos dados passa por seus sistemas. Os pagamentos são processados pela operadora, enquanto os dados do usuário vão direto para as empresas responsáveis pelo robô, com as conversas usando o mesmo sistema de criptografia dos chats comuns. Nenhum dado é armazenado e a plataforma nem mesmo cobra comissão para uso do bot.

Tanto a plataforma de vídeos quanto o sistema de pagamentos são inovações que chegam para tornar o Telegram mais do que apenas um aplicativo de troca de mensagens, algo que parece ser, cada vez mais, um dos grandes objetivos da companhia. Na concorrência com outros nomes como WhatsApp e Facebook Messenger, a companhia confia em diferenciais como estes para se sobressair, algo que parece estar dando certo, vide o número de usuários que não para de crescer.

As novidades, entretanto, estão disponíveis apenas para iOS, tanto no iPad quanto no iPhone. Não existe previsão de lançamento das funcionalidades para Android, Windows e outros sistemas operacionais; mas, como a intenção do Telegram parece ser ganhar o mundo, tais liberações não devem demorar para acontecerem.

Fonte: Telegram

via Canaltech

%d blogueiros gostam disto: