Apple tenta consertar teclado do MacBook Pro usando proteção contra poeira

A Apple lançou, na semana passada, uma nova geração do MacBook Pro com até 4 TB de SSD e 32 GB de RAM. Além das especificações (e do preço alto), ele se destaca pelo teclado de terceira geração, que promete “uma digitação mais silenciosa”. E, segundo o iFixit, as teclas têm uma proteção que impede a entrada de poeira.

Ao realizar o desmonte do novo MacBook Pro, o iFixit descobriu que o mecanismo abaixo de cada tecla está protegido por uma barreira fina de silicone. Isso evita a entrada de resíduos e reduz o ruído ao digitar.

Desde 2015, cada tecla do MacBook Pro usa um mecanismo que lembra as asas de uma borboleta. Isso permite reduzir a espessura do botão e, segundo a Apple, distribui a pressão dos seus dedos com mais uniformidade em relação ao mecanismo tradicional de tesoura, encontrado em outros notebooks.

No entanto, a empresa está sendo processada porque esse teclado acumula mais poeira, e as teclas podem parar de funcionar quando isso acontece. Desde então, ela anunciou um programa de reparo gratuito para resolver isso, mesmo em MacBooks Pro fora da garantia.

Então por que a Apple não diz que melhorou o teclado para evitar a entrada de poeira? John Gruber, do Daring Fireball, lista dois motivos. Primeiro, ela não poderia dizer que consertou o problema, senão estaria admitindo que existe um problema e aumentaria o risco de perder na Justiça — afinal, os processos ainda estão sendo julgados.

E, em segundo lugar, isso não faria sentido do ponto de vista de marketing. Ela continua vendendo a segunda geração de seu teclado nos MacBooks sem Touch Bar — que ficaram ainda mais caros no Brasil, custando a partir de R$ 11.499.

A Apple diz ao The Verge que seu teclado de terceira geração não foi projetado para resolver o acúmulo de poeira, e que esse problema afetou apenas uma fração muito pequena de seus usuários.

A empresa nem quis explicar como reduziu o volume da digitação — só ficamos sabendo da membrana de silicone após o desmonte do iFixit.

Um pouco menos de ruído ao digitar

O TechCrunch testou o teclado do novo MacBook Pro, comparando-o à segunda geração sem a barreira de silicone. Aqui, um microfone de podcast gravou uma pessoa digitando a frase “The quick brown fox jumps over the lazy dog”.

Não é um teste altamente científico, mas mostra a diferença de volume — e ela não é tão grande assim. O teclado antigo tem um som de máquina de escrever, com estalidos perceptíveis a cada pressionamento de tecla.

Enquanto isso, a nova versão é um pouco mais abafada, mas ainda parece ser meio barulhenta. O ruído é outra reclamação que alguns usuários têm com o teclado “borboleta” do MacBook Pro.

Apple tenta consertar teclado do MacBook Pro usando proteção contra poeira

via Tecnoblog

China fecha rede de apostas para Copa do Mundo que moveu US$ 1,5 bilhão em criptomoedas

Autoridades da China fecharam uma casa de apostas que utilizava os jogos da Copa do Mundo, para circular dinheiro entre os apostadores. O montante arrecadado passa de US$ 1,5 bilhão, contabilizado em apenas em criptomoedas.

Foto por goodegg0843/Flickr

As moedas virtuais aceitas para as apostas eram bitcoin, ethereum e litecoin. Até o momento da publicação deste artigo seis pessoas suspeitas de ligação com a rede foram presas. Policiais de Guangdong, no sudoeste da China, foram os responsáveis pela investigação e pelo fechamento da rede chinesa.

De acordo com o jornal South China Morning Post, a plataforma de apostas operava na dark web e aceitava apenas as moedas virtuais, deixando de lado o yuan – moeda oficial chinesa. Ao todo, durante os oito meses de funcionamento, a rede concentrava mais de 330 mil usuários ao redor do mundo, que eram gerenciados por 8 mil agentes que recebiam parte dos lucros como comissão e eram responsáveis por encontrar novos apostadores.

Em setembro do ano passado a China já proibiu todo tipo de oferta de moedas virtuais no país, alegando que muitos escândalos já trouxeram problemas sérios para a ordem financeira e econômica do país.

Este, ainda segundo a publicação, é o primeiro crime de apostas em esportes envolvendo criptomoedas na China. A polícia congelou um total de 5 milhões de yuan, ou pouco mais de US$ 747 mil, de várias contas que estão ligadas com a rede de apostas.

Com informações: South CHina Morning Post.

China fecha rede de apostas para Copa do Mundo que moveu US$ 1,5 bilhão em criptomoedas

via Tecnoblog

Twitter move barra para a parte inferior da tela no Android

Já conhece a nova extensão do

Tecnoblog

?

Baixe Agora

O Twitter tem realizado desde maio uma série de testes para mudar o posicionamento da barra de seu aplicativo no Android. Essa alteração foi finalmente oficializada nesta quinta-feira (12) quando a rede social passou a barra para a parte inferior no sistema do Google.

Para o Twitter, a mudança permitirá “navegar rapidamente entre todas as suas abas com facilidade”. A revisão deverá ser percebida, principalmente, por donos de celulares com telas grandes que poderão alcançar os botões com mais rapidez.

Twitter muda barra no Android

A atualização fez o botão para criar um novo tweet ficar um pouco mais para cima. Além disso, o app teve outra mudança importante. Agora, não será mais possível deslizar a tela para os lados se você quiser navegar entre a tela inicial e as abas de pesquisa, notificações e mensagens.

Essa opção passa a ficar disponível na área de notificações, que permite ver todos os avisos ou somente os tweets em que sua conta é mencionada.

A barra de navegação do Android também foi atualizada para acompanhar o visual do aplicativo. Em vez do fundo preto, ela exibirá um branco acinzentado ou azul escuro, caso o modo noturno esteja ativado.

A mudança é uma atualização em servidor, o que significa que você não precisará atualizar o aplicativo. Se você ainda não recebeu o novo visual, feche o Twitter na área de aplicativos recentes. Você deverá ver a interface atualizada ao reabrir o app.

Com informações: 9to5Google.

via Tecnoblog

Rio de Janeiro terá ônibus municipais com Wi-Fi e USB para carregar celulares

A prefeitura do Rio de Janeiro apresentou nesta quinta-feira (12) um novo modelo de ônibus que será adicionado a nova frota municipal. Além de toda a mudança mecânica, o que chama atenção é a presença de Wi-Fi e portas USB para carregar os celulares dos usuários.

Junto das novidades tecnológicas, os ônibus serão equipados com ar-condicionado e toda a iluminação do interior do veículo será feita por LEDs – que, em teoria, nunca queimam. O novo acordo da prefeitura com a Rio Ônibus, sindicato responsável pelos empresários de ônibus, foi firmado em junho deste ano e prevê que toda a frota da capital fluminense seja renovada até 2020.

Novos ônibus Rio

Mergulhada em problemas financeiros e políticos, a prefeitura afirmou que a prestação de contas do custo do transporte público será feita trimestralmente. Toda a auditoria será feita de forma independente, o que tende a dar mais credibilidade aos dados coletados.

Outra novidade é que os ônibus voltarão a ser pintados de acordo com as empresas que cuidam de cada parte da cidade – algo semelhante ao que já acontece em São Paulo, por exemplo. Esta mudança tem o objetivo de auxiliar a identificação da própria linha pelo usuário que está na rua.

O primeiro lote de novos ônibus contará com 150 veículos que já estarão neste padrão de identificação visual, com previsão começare a circular em até 90 dias. O custo de todos os coletivos, que são equipados com internet gratuita e as portas USB para os celulares, é de R$ 72 milhões – com um custo entre R$ 450 mil e R$ 480 mil por veículo.

Algumas cidades do Brasil já possuem ônibus com Wi-Fi livre para o uso, como é o caso de São Paulo e sua vizinha, Santos. No caso da capital paulista, há também portas USB em quase que todas as fileiras de bancos, localizadas na lateral contrária ao corredor, e todas são identificadas por um LED verde – quando não estão obstruídas por um chiclete.

No caso do Rio, as portas USB ficam entre os bancos localizados logo na frente do usuário.

Com informações: G1.

Rio de Janeiro terá ônibus municipais com Wi-Fi e USB para carregar celulares

via Tecnoblog

Blockbuster ainda existe, mas sobrou apenas uma loja nos EUA

Já conhece a nova extensão do

Tecnoblog

?

Baixe Agora

Lembra quando você ia até a locadora mais próxima e ficava analisando o catálogo de DVD ou VHS para decidir qual filme assistir? Era importante devolver o disco no prazo, para não levar multa; e, se possível, rebobinar a fita.

Essa era acabou há alguns anos com a popularização da Netflix e outros serviços de streaming. A Blockbuster, que já teve 8.500 lojas nos EUA, decretou falência em 2011 e encerrou suas operações próprias. No entanto, as unidades franqueadas continuaram na ativa desde então — e só estão morrendo agora.

Foto via FacebookFoto via Facebook

Blockbuster em Anchorage, Alasca, que vai encerrar suas atividades

As duas últimas lojas da Blockbuster no Alasca vão encerrar suas atividades. Localizadas nas cidades de Anchorage e Fairbanks, elas deixarão de alugar filmes na próxima segunda-feira (16), e reabrirão para liquidar o estoque até o final de agosto.

Alan Payne, dono das duas lojas, diz ao Anchorage Daily News que ambas ainda são lucrativas, mas a rentabilidade vem caindo muito rápido e não faria sentido renovar o contrato.

É curioso que a Blockbuster tenha resistido por tanto tempo no Alasca, mas há alguns motivos. A internet pode ser bastante cara por lá, com operadoras cobrando por gigabyte consumido. Além disso, as velocidades são mais baixas que no restante dos EUA — uma média de 8 Mb/s.

Há também o fator nostalgia. Algumas pessoas visitam a loja para se lembrar dos velhos tempos. Outras sequer entram lá, e só tiram uma foto na fachada. Em junho, a página oficial da Blockbuster Alaska no Facebook dizia: “nós estamos vendo vocês tirando selfies na frente das nossas lojas, mostrem-nas para nós!”.

As três lojas da Blockbuster que restaram nos EUA (fonte)

Uma nos EUA, algumas na Austrália

Vai sobrar apenas uma Blockbuster nos EUA, localizada em Bend, Oregon. Ela também é franqueada. As lojas próprias foram encerradas em 2013, dois anos após a aquisição da empresa pela Dish Network, operadora de TV por assinatura via satélite. Ela pagou US$ 320,6 milhões na época.

No entanto, a locadora segue com alguma presença na Austrália, com lojas e quiosques ainda funcionando. O site oficial lista alguns filmes recentes, como Um Lugar Silencioso e Círculo de Fogo: A Revolta, e tem até uma revista digital sobre os últimos lançamentos.

Steve Hurnac, que comanda uma loja na cidade australiana de Fairview, disse à Vice no ano passado: “notamos que muitas pessoas vêm até nós porque não conseguem uma boa conexão à internet. E algumas não parecem estar satisfeitas com a seleção da Netflix.”

Blockbuster no Brasil

No Brasil, a Blockbuster abriu suas primeiras lojas em 1995. Suas operações foram adquiridas pelo grupo das Lojas Americanas no final de 2006. Desde então, elas se tornaram parte da rede de varejo dentro da marca Americanas Express, e assim podiam oferecer outros produtos.

No entanto, com o declínio do aluguel de DVDs e fitas, a marca Blockbuster deixou de ser usada. Ao entrar em blockbuster.com.br — que um dia foi o site oficial da empresa para o Brasil — você se depara com a mensagem de que esse domínio “ainda não está ativo”.

É um destino semelhante ao da 2001 Vídeo, tradicional videolocadora de São Paulo que fechou suas lojas físicas em 2015. Ela se destacava pelo catálogo de filmes de arte e independentes, e esteve em funcionamento por 33 anos.

via Tecnoblog

TIM distribui ingressos de cinema grátis para clientes pré, pós e controle

A TIM está fazendo uma promoção do programa de fidelidade TIM Pra Mim que distribuirá pares de ingressos de cinema para seus clientes, sejam eles com plano pré-pago, pós-pago ou controle. O benefício estará disponível para os primeiros 1.500 clientes que se cadastrarem.

Foto por Duncan Hull/Flickr

A promoção é válida entre 13 e 16 de julho e os clientes interessados deverão preencher um formulário no site da promoção com o nome e CPF do titular da linha, número de celular e endereço de e-mail. Após a validação, os clientes receberão uma confirmação via SMS com o código para resgatar o ingresso no site Ingresso.com.

Os ingressos podem ser resgatados por clientes de todo o Brasil, mas são restritos à Rede UCI de Cinemas, presente em 16 cidades. É possível assistir qualquer sessão de cinema nas salas 2D e 3D Digital até o dia 7 de agosto.

Apesar da promoção ser pontual, a parceria com a UCI já existe há mais tempo: quem é cliente de um plano TIM Família, Da Vinci ou TIM Black de 15 GB ou 50 GB tem direito a um par de ingressos por mês.

Além da TIM, outras operadoras dão benefícios para cinemas. Clientes da Vivo com determinadas categorias no programa de fidelidade Vivo Valoriza possuem direito à meia-entrada em salas da Cinemark. Já a Claro possui parceria com a rede Kinoplex, com desconto de 50% para assinantes do pós-pago e da NET.

TIM distribui ingressos de cinema grátis para clientes pré, pós e controle

via Tecnoblog

Facebook permitiu que empresas coletassem nomes de participantes de grupos fechados

Depois do caso Cambridge Analytica, ficou claro que o Facebook tem sérios problemas de privacidade. Um deles foi assunto de uma reportagem da CNBC, que revelou a possibilidade de terceiros terem acesso a milhares de nomes de participantes de grupos fechados.

Até pouco tempo atrás, qualquer pessoa poderia baixar uma extensão do Chrome que se aproveitava de uma brecha no Facebook para coletar dados em massa. Batizada de Grouply.io, a ferramenta permitia o download de listas com nomes, profissão, cidade e e-mail de pessoas que estavam em grupos com discussões relacionadas a saúde, por exemplo.

Facebook

Segundo a reportagem, foi justamente um desses grupos que questionou a exposição das informações ao Facebook. Voltado para apoiar mulheres com risco genético de contraírem câncer de mama, o BRCA Sisterhood é um grupo fechado com cerca de nove mil participantes.

Suas publicações não são visíveis para qualquer um porque tratam de questões sensíveis. Porém, mesmo que não soubessem do conteúdo dos grupos, empresas poderiam usar as listas para fazer com suas participantes pagassem mais caro por serviços como planos de saúde.

A situação foi descoberta por Andrea Downing, moderadora do grupo, que entrou em contato com o especialista em segurança Fred Trotter. Segundo ele, uma alternativa seria transformar o BRCA Sisterhood em um grupo secreto. Entretanto, isso impediria que outras mulheres o encontrassem para pedir ajuda.

Em 29 de maio, eles relataram a situação ao Facebook em busca de explicações. A plataforma só deu um retorno em 20 de junho, ao reconhecer que a lista de membros poderia ser vista por qualquer pessoa – como pode ser visto em uma antiga página de ajuda da rede social. Na ocasião, a empresa disse trabalhava para oferecer opções que atendessem às demandas do grupo.

Em 26 de junho, participantes do grupo disseram que não estavam satisfeitas com a resposta. A rede social deu um novo retorno em 29 de junho, informando que havia deixado de mostrar a lista de membros de grupos fechados – a página de ajuda também foi atualizada.

O Facebook afirma que a alteração foi feita com base em “diversos fatores”, mas não teve relação com as reclamações do BRCA Sisterhood. A extensão para o Chrome foi encerrada após a rede social enviar uma carta de cessação e desistência aos desenvolvedores.

Ainda tenha oferecido mais privacidade aos grupos fechados, o Facebook poderá ser alvo de investigação das autoridades. A empresa pode ter descumprido as regras do Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (GDPR), válido na União Europeia, e de outras leis de privacidade dos Estados Unidos.

Com informações: The Verge.

Facebook permitiu que empresas coletassem nomes de participantes de grupos fechados

via Tecnoblog

EUA revertem proibição de vendas da ZTE

Já conhece a nova extensão do

Tecnoblog

?

Baixe Agora

Depois de muita briga, os Estados Unidos estão abrindo mão da proibição das vendas de produtos da chinesa ZTE. Esta atitude não libera apenas a venda de smartphones e celulares, mas também permite que a marca asiática utilize softwares e negocie com empresas americanas novamente.

zte hq

 

O banimento entrou em vigor em abril deste ano, quando a marca da China não poderia mais vender seus produtos, nem mesmo comprar algo de marcas americanas, como utilizar processadores Snapdragon em seus celulares – muito menos usar o Android com os serviços do Google habilitados, como Play Store, YouTube, Google Maps e outros.

De acordo com o pronunciamento de Wilbur Ross, secretário de comércio nos Estados Unidos, o departamento continuará vigilante em tudo que a ZTE faz em solo americano. Este passo foi inesperado até mesmo pela atitude de Donald Trump, que ficou preocupado com os empregos que deixariam de existir na China por conta do banimento.

Trump então ordenou que a proibição fosse negociada, focando no fim do impasse com a ZTE. O presidente americano ainda afirmou que resolver o problema com a ZTE faria parte de sua negociação com o Xi Jinping, presidente da China.

O banimento que impediu a ZTE de negociar nos Estados Unidos aconteceu depois da marca não cumprir com sanções impostas ao Irã e Coréia do Norte. Depois de uma série de atitudes que desagradaram o governo americano, o Departamento de Comércio dos Estados Unidos chegou a sugerir que este banimento poderia chegar até 10 anos de duração.

No fim de maio deste ano, depois de pagar multa e mudar alguns cargos de liderança na empresa, os Estados Unidos começaram a aliviar o tom de ameaça e remover parte da proibição. Hoje, a ZTE já pode voltar a trabalhar sem qualquer restrição nos EUA.

Com informações: The Verge.

via Tecnoblog

Microsoft testa inserir anúncios no app Email do Windows 10

A Microsoft passou a exibir propaganda para alguns usuários do app Email no Windows 10. São anúncios programáticos que aparecem na lista de mensagens e se parecem com um novo e-mail.

Como nota o Bleeping Computer, esses anúncios têm o símbolo do AdChoices, indicando que eles são personalizados com base em seus interesses — determinados, por exemplo, pelas páginas que você visitou no passado.

windows 10 anuncio email

E como esses anúncios têm o mesmo visual de um e-mail comum, isso pode levar o usuário a clicar neles achando que se trata de uma mensagem não-lida.

A propaganda só aparece para alguns usuários do Email; ela não estava disponível em meus testes. A Microsoft deve estar realizando um teste A/B para avaliar se implementa isso ou não.

windows 10 anuncio email

Imagem via MSPowerUser

Por um lado, todo serviço gratuito de webmail tem propagandas. Afinal, o desenvolvimento de novos recursos e os servidores para hospedar e-mail não saem de graça. O Google, por exemplo, exibe anúncios personalizados no Gmail para web e para Android, especialmente na aba “Promoções”.

Por outro lado, talvez seja estranho ver anúncios em um aplicativo instalado por padrão. Sim, o Windows 10 foi distribuído gratuitamente por algum tempo, mas também vem pré-instalado em PCs novos — e você paga pela licença para utilizá-lo.

Anúncios no Windows 10

O Windows 10 já exibe anúncios em alguns lugares. No ano passado, o Explorador de Arquivos passou a mostrar um banner para assinar o OneDrive, serviço de armazenamento na nuvem.

Você também encontrará recomendações de apps e serviços na tela de bloqueio, no menu Iniciar e até na barra de tarefas. Para desativá-los, é preciso acessar diferentes áreas das Configurações — confira nosso guia neste link.

Outro experimento no app Email

A Microsoft já usou o Email para outro experimento: sempre abrir links no Edge, mesmo que esse não seja seu navegador padrão. Isso está disponível apenas para usuários no programa Windows Insider.

Mesmo com o feedback negativo, a Microsoft manterá o Edge abrindo links no Email. No entanto, segundo o MSPowerUser, ela decidiu inserir uma opção de desativar isso.

Microsoft testa inserir anúncios no app Email do Windows 10

via Tecnoblog

Alguns donos de OnePlus 6 reclamam de traseira de vidro trincando sozinha

O OnePlus 6 é um smartphone bastante potente, bonito e tudo isso não impediu que problemas pudessem aparecer. De acordo com alguns usuários do Reddit, seus aparelhos estão com o vidro traseiro trincado. Pior: ele trincou sozinho.

Não há dúvidas de que a OnePlus faz ótimos smartphones, com preço bem inferior ao que a concorrência de mesmo segmento cobra. O OnePlus 6 é exemplo disso, com hardware de peso, câmeras promissoras e design bastante atraente. Por outro lado, aparentemente a mudança de metal para vidro nesta geração trouxe problemas para alguns usuários.

OnePlus6 trincado

Uma postagem no Reddit mostra a imagem acima, da parte traseira do OnePlus 6 com o vidro trincado e com a origem do dano vindo dos botões de volume. Outros proprietários também notaram um problema semelhante, alguns com o celular trincado repentinamente e outros com trincos que surgiram mesmo com a proteção de um case no dispositivo – um deles era a capinha de silicone, que vem na caixa do OnePlus.

O que chama atenção é que o dano de todas as reclamações têm como origem exatamente o mesmo local, onde ficam os botões de volume. A causa do dano ainda é um mistério, mas pode estar relacionado com o calor gerado pelo processador Snapdragon 845, que expande o vidro e torna a área mais frágil.

O chip não fica exatamente perto dos botões de volume, mas o calor gerado se espalha pelo smartphone e as bordas são as áreas de menor resistência do vidro. Enquanto isso, dentro do mesmo post no fórum, os usuários estão divididos entre a afirmação de que há uma falha de design, ou de que o trincado é resultado de usuários pouco cuidadosos com seus aparelhos.

Com informações: wccftech.

Alguns donos de OnePlus 6 reclamam de traseira de vidro trincando sozinha

via Tecnoblog