Nokia e Microsoft ajudam refugiados sírios a se comunicar na Suécia

A Nokia, em conjunto com a Microsoft, uma operadora sueca chamada e Tele2 e a ONG Reach for Change, desenvolveu um serviço telefônico capaz de traduzir em tempo real palavras e frases entre o dialeto árabe usado na Síria e o inglês. A novidade está em testes com um pequeno grupo de jovens suecos e refugiados sírios que chegaram à Suécia desacompanhados.

Não há muitos detalhes acerca de como a novidade funciona no momento, mas pelo nome do projeto, “Call Together”, e pelo envolvimento de uma operadora de celular, é possível que a tradução seja feita por meio de ligações telefônicas ou algum app específico.

Esse é um ótimo exemplo de como soluções mais criativas e inovadoras podem abrir nossa sociedade para crianças e adolescentes que chegaram à Suécia

“Esse é um ótimo exemplo de como soluções mais criativas e inovadoras podem abrir nossa sociedade para crianças e adolescentes que chegaram à Suécia. O serviço pode se tornar uma grande ferramenta para organizações que estão fazendo um trabalho fantástico ao conectar jovens desacompanhados com jovens suecos já estabelecidos”, disse Sofia Breitholtz, presidente da Reach for Change.

O sistema de tradução do dialeto sírio foi feito pela Microsoft e liberado para as empresas locais implementarem de uma forma simples de usar. “A Tele2 sempre está procurando uma forma de inovar e de melhorar a vida de crianças”, disse o representante da operadora sueca, Viktor Wallström. Não há informações no momento sobre a tradução direta do dialeto sírio para a língua sueca.

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Suécia coloca o país inteiro no Airbnb

Os suecos são apaixonados por atividades ao ar livre. Não à toa, eles possuem um termo – allemansrätten – que descreve “o direito de todos os homens” de vaguear pela natureza. Esse direito permite a qualquer pessoa atravessar ou pernoitar num terreno privado no campo, desde que não incomode ou cause estragos nessa propriedade. Graças a ele, os suecos desfrutam de muitas oportunidades para a recreação em meio à natureza.

Para que o mundo todo possa experimentar o allemansrätten, o governo resolveu listar todo o país no Airbnb. Tudo, claro, parte de uma campanha de marketing para promover a Suécia como um destino turístico para os amantes de atividades ao ar livre.

A investida é fruto da parceria entre o Visit Sweden, departamento de marketing global do país, e a agência Forsman& Bodenfors.

Existem nove diferentes “listagens”, que vão desde um retiro na floresta rústica em Varmland, na costa oeste do país, para as falésias com vista panorâmica do oceano perto do Parque Nacional Skuleskogen.

Com bom humor e uma pitada de ironia, a campanha de turismo mostra o país oferecendo um tour por suas belas paisagens, imitando as pessoas que colocam vídeos de tour de suas casas na Internet.

O vídeo inclui vistas do “banheiro (uma floresta) em estilo minimalista sueco” e lagos, descritos como “100.000 piscinas infinitas temperadas”. Se interessou? Dá só uma olhada:

 

Este conteúdo foi originalmente publicado em EXAME.com

via Superinteressante

Suécia coloca o país inteiro para alugar via Airbnb; veja locações

A Visit Sweden e o Airbnb fecharam uma parceria que “aluga o país inteiro” para visitantes. Em comunicado para imprensa, o Airbnb comentou o seguinte: “Do extremo sul de Smygehuk ao deserto em torno do Three-Country Cairn, no norte, todo o território da Suécia estará disponível no Airbnb a partir de 22 de maio de 2017”.

O Airbnb deixa claro que os visitantes não precisam reservar oficialmente os alojamentos para entrar na Suécia, já que todos os ambientes do país são públicos, gratuitos e acessíveis. “Se precisar de um upgrade, não precisa solicitar a ninguém, basta procurar um pouquinho e, com certeza, vai encontrar um lugar que te agrade mais”.

O Visit Sweden faz parcerias com as regiões suecas e outros players da indústria local do turismo

Segundo Jenny Kaiser, country manager do Visit Sweden, a ação “é possível graças a um direito sueco garantido pela Constituição – a liberdade de circular. Este direito permite que nosso povo viva intensamente a natureza. Na Suécia temos tudo, de altas montanhas até florestas profundas, de belos arquipélagos a prados tranquilos. Agora, junto com o Airbnb, damos as boas-vindas a todos na Suécia e incentivamos que experimentem o jeito sueco de desbravar”.

A única regra local, de acordo com a iniciativa, é: enquanto estiver na natureza, “não perturbe e não destrua” — convenhamos que essa regra deveria servir para qualquer local no mundo.

“Estamos muito entusiasmados em receber a Suécia no Airbnb para que todos possam explorar”, comentou James McClure, gerente geral da Europa do Norte no Airbnb. “Esta parceria é a primeira entre um conselho de turismo e a plataforma e estamos muito satisfeitos com isso. Ela foi criada para promover o país como destino por meio do poder da comunidade Airbnb”.

O Visit Sweden faz parcerias com as regiões suecas e outros players da indústria local do turismo, bem como com organizações não-turísticas, para criar campanhas de marketing e comunicação o intuito de gerar interesse na Suécia como destino turístico. Para saber mais, acesse aqui. Abaixo, vamos colocar algumas casas, apartamentos ou quartos para você alugar na Suécia.

Quarto em Stockhol: R$ 379 por dia

R$ 379

Outro quarto em Stockhol: R$ 1.646 por dia

R$ 1,6 mil

Casa inteira em Runmarö: R$ 536 por dia

R$ 536

Casa em Värmdö: R$ 768 por dia

R$ 768

via Novidades do TecMundo

Suécia abandona investigação por estupro contra Julian Assange

No entanto, autoridades inglesas dizem que criador do WikiLeaks ainda pode ser preso caso deixe a embaixada do Equador em Londres.


Procuradores da Suécia anunciaram nesta sexta-feira, 19/5, que decidiram arquivar uma investigação por acusações de estupro contra o fundador do WikiLeaks, Julian Assange. A investigação foi iniciada em 2010, quando duas mulheres acusaram o jornalista de 45 anos, que alega que as acusações eram apenas um pretexto para extraditá-lo para os EUA.

“A procuradora-chefe Marianne Ny decidiu hoje descontinuar a investigação preliminar sobre um suposto caso de estupro ligado a Julian Assange”, afirmou o escritório da procuradoria sueca em um comunicado enviado à Reuters.

Segundo a agência de notícias, os procuradores decidiram derrubar a investigação contra Assange porque “não há razão para acreditar que a decisão de entregá-lo (Assange) para a Suécia possa ser executada em um futuro próximo”.

Assange, que desde 2012 vive exilado na embaixada do Equador em Londres, comemorou a notícia sobre o fim das investigação com um post no Twitter que traz uma foto sua sorrindo (veja acima). No entanto, as autoridades da Inglaterra afirmaram que o criador do WikiLeaks ainda pode ser preso caso saia da embaixada do Equador na capital inglesa.

 

via IDG Now!

Ministério Público da Suécia arquiva investigação contra Julian Assange

O fundador do WikiLeaks Julian Assange amanheceu nesta sexta-feira (19) com uma excelência notícia: o Ministério Público da Suécia optou por interromper a investigação de estupro contra ele. A decisão foi tomada pela promotora pública Marianne Ny, que já protocolou pedido junto ao Tribunal Distrital de Estocolmo.

Pelo Twitter, o ciberativista australiano postou uma foto comemorando o fato. O advogado de Assange, Per Samuelson, celebrou o arquivamento como uma “vitória total”. Entretano, a promotora sueca afirma que o caso ainda pode ser reaberto caso Assange retorne à Suécia antes de 2020, quando o crime prescreve.

As autoridades suecas justificam a interrupção das investigações afirmando que não há mais elementos para levá-la adiante. “Um promotor é obrigado a descontinuar a investigação se todas as possibilidades forem esgotadas”, afirmou a promotoria em nota. “Para que o caso siga, Julian Assange precisa ser notificado formalmente sobre as suspeitas criminais que o envolvem. Não esperamos colaboração do Equador nessa questão”, conclui.

A citação ao Equador vem do fato de Assange estar asilado na embaixada do país sul-americano em Londres desde 2012. Apesar da suspensão das investigações pelas autoridades da Suécia, o ciberativista ainda pode ser preso pelo Reino Unido. O país europeu mantém um mandado de prisão expedido em nome do criador do WikiLeaks devido à ausência de Assange a uma audiência na Corte do Reino Unido há cinco anos.

Entenda o caso

Julian Assange foi acusado por uma mulher sueca de ter mantido com ela uma relação sexual desprotegida enquanto ela dormia na noite de 16 para 17 de agosto de 2010. Assange se defende afirmando que ela consentiu a relação e também concordou em não usar preservativo. Desde então, o australiano denuncia as acusações contra ele como uma manobra para extraditá-lo aos EUA, onde seria processado pelo vazamento de documentos diplomáticos e militares sigilosos.

Em 2010, Assange ganhou notoriedade ao colocar no ar o WikiLeaks, site por meio do qual revelou mais de 500 mil documentos classificados sobre a atuação dos EUA durante as invasões ao Iraque e ao Afeganistão. Além disso, a página publicou também mais de 250 mil comunicações diplomáticas, colaborando para revelar, por exemplo, atos de espionagem por parte do governo do país norte-americano a várias autoridades de outras nacionalidades.

Após a divulgação de que a investigação de estupro foi arquivada, a advogada da denunciante afirmou ser “um escândalo que um suposto estuprador possa escapar da justiça e evitar assim os tribunais.” A profissional informou que a sua cliente vai manter a acusação contra o ciberativista.

via Novidades do TecMundo

Justiça da Suécia arquiva investigações contra Julian Assange

Julian Assange

Depois de cinco anos escondido dentro da Embaixada do Equador em Londres, o criador do WikiLeaks, Julian Assange, finalmente tem sua primeira grande conquista. A Justiça sueca anunciou que a investigação sobre um suposto caso de estupro do qual Assange é acusado será suspensa. Apesar da vitória, ele ainda não pode deixar o prédio equatoriano, uma vez que a polícia britânica ainda tem um mandado de prisão vigente.

Ainda assim, o simples fato de a acusação ter sido arquivada já pode ser considerado um enorme avanço para Assange, que vive desde 2012 enclausurado dentro da embaixada para evitar uma prisão que ele julga ser muito mais política do que civil. Segundo ele, a acusação de estupro é apenas um pretexto criado para que ele pudesse ser preso e extraditado para os Estados Unidos, onde responderia por seu real “crime”: ter divulgado mais de 750 mil documentos e comunicações oficiais do país, incluindo de operações militares no Iraque e Afeganistão.

De acordo com o advogado do criador do WikiLeaks, Per Samuelson, o arquivamento é uma vitória total sobre o caso. Os detalhes sobre a decisão da promotora sueca Marianne Ny serão divulgados futuramente. A Justiça do país vai realizar uma coletiva de imprensa e deve trazer mais informações sobre o caso na ocasião.

Porém, isso não impede que o próprio Assange — e todos aqueles que sempre o apoiaram — festejassem a notícia. Em suas redes sociais, o australiano comemorou de maneira bastante simples. Ele usou seu perfil oficial no Twitter para divulgar uma única foto em que aparece sorrindo. Em compensação, o perfil do WikiLeaks levantou novas dúvidas sobre o futuro do caso, destacando que o governo do Reino Unido se recusa a confirmar ou negar se o pedido de extradição feito pelos Estados Unidos ainda é válido. Estando esse mandado vigente, Assange continua proibido de deixar o prédio da embaixada sob risco de ser preso e levado para os EUA.

Esta não é a única vitória dos “vazadores” nesta semana. Há dois dias, Chelsea Manning, responsável pela liberação dos documentos publicados pelo WikiLeaks, foi liberada após sete anos de prisão por traição. Condenada a 35 anos de cadeia, ela teve sua pena reduzida após um perdão presidencial assinado por Barack Obama em um de seus últimos atos comandando a Casa Branca.

 Via: The Next Web

via Canaltech

Vereador propõe pausa para sexo no horário de trabalho na Suécia

Enquanto aqui no Brasil a classe trabalhadora briga para ter horas extras remuneradas, lá na Suécia, na cidade de Övertorneå, estão propondo uma pausa para sexo durante o horário de trabalho – e sem descontar nada do salário.

O “benefício” foi uma ideia do vereador sueco Per-Erik Muskos, que diz que o objetivo é melhorar o equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal, além de aumentar a taxa de natalidade no município.

Parece bizarro? Nem tanto. Esse tipo de coisa pode ser até comum na Suécia, um dos países mais que mais investem no bem-estar de seus habitantes. Por lá, já existe licença parental de 480 dias e até um ritual sagrado do café no meio do expediente, conhecido como “fika”, no qual as pessoas param as atividades para ter um momento de descontração.

Ao apresentar a proposta aos membros do conselho da cidade, Muskos defendeu que a medida seria um tempero a mais no casamento e melhoria a autoestima dos funcionários. “O sexo é, também, uma boa forma de praticar exercícios e tem efeitos positivos no bem-estar”, acrescentou o vereador durante seu discurso à mídia local. A sugestão é que as pessoas tirem uma hora por semana para ir para casa e fazer sexo com seus parceiros.

A moção deve ser votada na primavera (entre maio e setembro) e precisa de uma maioria simples para ser aprovada. No pequeno município de 4,5 mil habitantes, as opiniões se dividem entre os que acham a sugestão ridícula e descabida, os que apoiam a ideia e os que acham a situação, no mínimo, divertida. Parte da população condena a medida porque acreditam que os solteiros vão perder mais tempo em aplicativos, como o Tinder, procurando um date para passar o seu interlúdio semanal.

Em entrevista ao The New York Times, Malin Hansson, sexologista e especialista em saúde reprodutiva em Gotemburgo, disse que a iniciativa é válida, uma vez que o sexo reduz o estresse, melhora o sono e enriquece a intimidade entre casais. “Eu apresentaria isso em todo o país”, acrescentou.

Ainda no time de apoio, Lotta Dellve, professora do departamento de sociologia da Universidade de Gotemburgo, afirma que suas pesquisas mostram que curtos períodos de atividade física durante o expediente têm muitos benefícios, incluindo a produtividade. “E essas atividades poderiam incluir sexo, por que não?”, questionou.

Na oposição, outro vereador de Övertorneå, Tomas Vesdetig, questiona a ideia de Muskos. Ele acredita que a proposta é intrusiva e que pode envergonhar as pessoas que não têm parceiros sexuais, que não têm relações sexuais ou que têm condições médicas que impeçam o sexo. “E, também, acho embaraçoso um chefe chegar para um funcionário e dizer: “Vá para casa por uma hora e faça bebês”, declarou.

A medida sugerida por Muskos surge em um momento em que a Europa luta para proporcionar mais qualidade de vida às pessoas. Na França, por exemplo, já foi aprovado que os trabalhadores cumpram 35 horas semanais e tenham o “direito de se desconectar” – neste caso, a lei exige que empresas com mais de 50 funcionários garantam que o trabalho não interfira nos dias de folga de seus empregados.

No ano passado, a Suécia apareceu no topo de um ranking criado para saber quais países mais contribuem para o bem da humanidade, o Índice do Bom País. A análise contempla 163 países, que são avaliados em sete categorias: “Saúde e Bem Estar”, “Prosperidade de Igualdade”, “Planeta e Clima”, “Ciência e Tecnologia”, “Paz e Segurança Internacional”, “Ordem Mundial” e “Cultura”. O Brasil ficou na 43ª posição.

via Superinteressante

Arqueólogos encontram antiga instalação viking na Suécia

Pesquisadores da Universidade de Estocolmo fizeram uma descoberta nos arredores da mais importante cidade viking da Suécia, Birka. Em setembro de 2016, arqueólogos já haviam identificado o que seria um grande terraço de uma casa próxima ao porto de Korshamn, na ilha de Björkö.

Agora, eles encontraram um salão com mais de 40 metros de comprimento do período 810 d.C.. O hall está ligado a uma grande área cercada, que se estende em direção à bacia do porto.

Arqueólogos identificaram terraço de mansão viking em Birka, na Suécia

Arqueólogos identificaram terraço de mansão viking em Birka, na Suécia (Divulgação)

“Esse tipo de residência viking de alto padrão só foi identificado em alguns lugares ao sul da Escandinávia, como Tissø, e em Lejre, na Dinamarca”, explicou Johan Runer, arqueologista do museu municipal de Estocolmo, ao portal EurekAlert!. Segundo o especialista, o grande espaço cercado ao lado da mansão seria usado para cerimônias religiosas.

O tamanho da propriedade sugere que ela teria pertencido ao habitante mais velho da ilha – o representante do rei e também oficial de justiça, que costumava ter esse tipo de moradia. “A instalação pode esclarecer fatos importantes sobre a fundação da cidade de Birka, porque é algo que data de muito antes dela”, afirma Runer.

A descoberta foi possível a partir de levantamentos geofísicos de alta-resolução e de radares com capacidade de penetrar o solo. Para Andreas Viberg, do laboratório de pesquisas arqueológicas da Universidade de Estocolmo, os resultados também mostram a importância de usar métodos não intrusivos para a detecção de artefatos arqueológicos. “As técnicas provaram ser uma ferramenta inestimável para documentar ruínas de construções da Idade de Ferra na Escandinávia.”

Levantamentos geofísicos de alta-resolução e radares ajudam na detecção de instalações

Levantamentos geofísicos de alta-resolução e radares ajudam na detecção de instalações (Divulgação)

O resultado completo do estudo ainda será publicado no jornal científico Archäologisches Korrespondenzblatt.

Patrimônio mundial da UNESCO, Birka é considerada um tesouro arqueológico. Ela foi fundada no século 8 e ficou conhecida como a primeira cidade da Suécia, situada no lago Mälaren, na ilha de Björkö. Além de ser rota de transporte do Império Bizantino, fez parte da rede comercial na era dos vikings.

via Superinteressante