Apple e Samsung voltam à briga de patentes em 14 de maio de 2018

Quem acompanha o TecMundo sabe que a briga entre a Samsung e a Apple pela quebra de patentes da companhia sul-coreana está prestes a ganhar mais um capítulo. Se antes soubemos justamente da decisão da juíza Lucy Koh de refazer parte do julgamento, agora temos a data de quando isso vai acontecer.

Segundo o site MacRumors, o novo julgamento ocorrerá durante um período de cinco dias, indo de 14 de maio a 18 de maio de 2018. Nele, a corte vai decidir se a Samsung terá que pagar os US$ 399 milhões de dólares definidos anteriormente ou se há a necessidade de recalcular o valor (e não se a empresa é culpada ou não da infração de patente).

O motivo para isso vem do fato de que a companhia foi condenada a pagar o valor total de seus lucros com aparelhos, na época, com o uso ilegal do design patenteado com bordas arredondadas. No entanto, a Samsung argumenta que esse elemento foi apenas uma pequena porcentagem do que fez seus aparelhos serem o sucesso que são.

A boa notícia é que o julgamento, apesar de tudo, está prosseguindo rapidamente, e deve ter bem menos reviravoltas do que anos atrás.

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Apple Watch receberá suporte a streaming de músicas

Durante muito tempo esta cena foi comum: usar um iPod Nano preso ao pulso como um relógio para ouvir suas músicas e poder pular de faixas sem ter que ficar tirando o aparelho do bolso toda hora. 

Eis que agora a Apple possibilita que essa cena volte ao nosso cotidiano liberando atualizações para o app Radio com streaming de músicas para o Apple Watch. Não que você já não pudesse fazer isso com o iPhone pareado ao relógio inteligente da empresa de Cupertino, mas é que a novidade vai deixar você controlar tudo sem a necessidade de ter o celular por perto, através de rede Wi-Fi, ou conexão móvel LTE – neste caso, apenas na última versão do Apple Watch, o Series 3.

A atualização do aplicativo virá embarcada na versão 4.1 do WatchOS. Com isso, a Apple agora disponibiliza duas versões de players de música no Watch: o Radio e o Musica, que também ganhou algumas funções extras no smartwatch. Isso pode parecer um pouco confuso, principalmente usando a Siri para comandar a execução de músicas. Mas calma, vamos explicar tudo direitinho.

Aplicativo Música

Agora você pode acessar toda a sua biblioteca de música do iCloud, mesmo que ela não esteja sincronizada com o seu iPhone pareado ao relógio. Antes isso não era possível.  E agora também é possível utilizar o aplicativo independentemente do celular para navegar nos artistas disponíveis no catálogo da Apple Music, mas somente com a ajuda da Siri, pois não há maneira de se digitar diretamente no smartwatch.

Você pode usar comandos do tipo: "Hey Siri, toque U2" ou "Hey Siri, toque algo que eu goste". As músicas que não constarem de sua biblioteca podem ser transmitidas pelo aplicativo, mas não poderão ser baixadas para o wearable, necessitando, aí sim, do iPhone pareado.  

Aplicativo Radio

Como o nome já diz, este aplicativo é focado no streaming de rádios, sejam elas transmissões ao vivo ou estações de rádio do Apple Music, definidas por gêneros e artistas, curadoria específica ou as suas estações de rádio personalizadas com as músicas que você gosta. A confusão acontece quando você usa os comandos da Siri que costuma abrir este aplicativo, e não o Música, para executar uma solicitação.

Canções em estações de rádio podem ser estreladas ou adicionadas à sua biblioteca de música, alimentando futuras recomendações.

Ter dois aplicativos com funções similares parece confuso, e poderia ser uma melhor ideia adicionar as funções diferentes em um único aplicativo, ainda mais quando você depende de comandos de voz – muitas vezes não compreendidos – para acessar o que você deseja. O Apple Watch OS 4.1 deve ser lançado no fim deste mês.

via Canaltech

Apple diz ser falsa a informação de que reduziu precisão do FaceID no iPhone X

Contrariando uma notícia dada pela Bloomberg na manhã desta quarta-feira (25), que dizia que a Apple estaria autorizando seus fornecedores a reduzir a precisão do FaceID a fim de acelerar a produção do iPhone X, a Maçã veio a público no período da tarde declarando que a informação é falsa.

A Apple garante que o reconhecimento facial do iPhone X tem precisão de 1.000.000: 1, o que significa que há uma chance em 1 milhão de a autenticação falhar. Ainda assim, a companhia de Cupertino foi bastante cuidadosa ao dizer que a precisão do sistema não foi afetada, não se defendendo das acusações de estar pressionando as fabricantes de componentes para acelerarem o processo, o que pode significar queda na qualidade de peças em geral.

Confira a declaração da companhia chefiada por Tim Cook, na íntegra e traduzida para o português:

"A empolgação dos consumidores pelo iPhone X e o FaceID tem sido incrível, e nós mal podemos esperar para que eles tenham o aparelho em suas mãos na sexta-feira, dia 3 de novembro. O FaceID é um sistema poderoso de autenticação segura que é incrivelmente fácil e intuitivo de usar. Sua qualidade e precisão não mudou. Ela continua a ser de 1 em 1 milhão de probabilidade de uma pessoa qualquer desbloquear o seu iPhone.

O relato da Bloomberg de que a Apple reduziu a precisão do FaceID é completamente falso, e nós esperamos que o FaceID seja o novo padrão para a autenticação facial."

via Canaltech

Apple compra empresa especializada em carregamento sem fio

O iPhone 8 foi só o primeiro passo: nesta quarta-feira (25) a Apple confirmou a compra da PowerbyProxi, empresa neozelandesa especializada em carregamento sem fio. O valor da compra não foi revelado.

A informação foi inicialmente revelada pelo site local Stuff e foi posteriormente confirmada por um porta-voz da empresa. Ao Stuff, o engenheiro de hardware da Apple disse que a equipe da PowerbyProxi será “uma ótima adição, já que a Apple se esforça para criar um futuro wireless”.

Foto: Wall Street Journal

Enquanto um carregador sem fio tem, em média, capacidade de 7,5 watts, a PowerbyProxi já fabricou produtos com capacidade de até 150 watts, para uso industrial. Não seria muito complicado fazer carregadores para iPads ou MacBooks, por exemplo.

A própria Apple já fez o seu próprio carregador wireless, batizado de AirPower, que é capaz de carregar um iPhone, Apple Watch e AirPods ao mesmo tempo. Como você já sabe, os iPhones lançados este ano são os primeiros a suportar carregamento wireless; eles usam o padrão Qi, também adotado por outras fabricantes há alguns anos.

Criada em 2007, a PowerbyProxi já recebeu um investimento de US$ 4 milhões da Samsung em 2013. Como de praxe, nenhum outro detalhe sobre a compra foi revelado, mas só o fato da Apple confirmar a aquisição já é uma novidade.

Com informações: VentureBeat, Reuters.

Apple compra empresa especializada em carregamento sem fio

via Tecnoblog

Séries originais da Apple não terão sexo, violência e palavrões

Quem está acostumado com as doses elevadas de sangue, violência e sexo em séries de emissoras e serviços de streaming pode estranhar a futura programação original em vídeo da Apple. Isso porque, segundo uma reportagem publicada pela Bloomberg, o conteúdo transmitido será bastante restrito nesses quesitos.

A vontade da Maçã é lançar séries e programas de TV focadas em “comédias e dramas emocionais com vasto apelo”. Os títulos “This is Us” e “Amazing Stories” são tidos como exemplares nesse quesito. Por outro lado, o gore de “The Walking Dead” ou a nudez eventual de “Game of Thrones” seriam terminantemente proibidos.

Executivos de produtoras já estariam chateados com esse controle excessivo da empresa de Tim Cook, taxando a marca de conservadora e exigente demais. O próprio CEO admitiu que a estreia de “Carpool Karaoke” foi adiada justamente para um controle mais rígido do conteúdo em alguns episódios, que inicialmente apresentavam “termos chulos e temas como higiene íntima”.

A ideia da Apple não é só disseminar o conteúdo para consumidores de todas as idades, mas também exibir os vídeos nas Apple Stores — que são frequentadas inclusive por crianças. Além disso, as séries não serão mais exibidas via Apple Music, já que a ideia é justamente desvincular os serviços e dar asas ao novo (e casto) mundo de streaming de vídeo da Maçã.

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Apple nega que estaria reduzindo as especificações do Face ID do iPhone X

Após os rumores de que a Apple estaria reduzindo as especificações do iPhone X para poder lançá-lo a tempo, a empresa resolveu vir a público para desmentir os boatos. O novo dispositivo top de linha da companhia de Cupertino tem data de lançamento marcada para 3 de novembro e o que tem sido dito na imprensa é que diversos problemas de produção podem atrasar a saída do aparelho.

A afirmação da Bloomberg de que a Apple teria reduzido as especificações de precisão do Face ID é completamente falsa

Segundo o que foi noticiado primeiramente pela Bloomberg, um dos principais recursos do iPhone X, o sistema de reconhecimento facial Face ID, seria o que mais poderia atrasar a produção e, portanto, a Apple iria reduzir sua capacidade para produzir uma quantidade mínima de dispositivos até a data marcada.

Com esse rumor sendo veiculado durante o dia de hoje pelos principais veículos de comunicação e de tecnologia, a Apple decidiu – através de um porta-voz – dar uma declaração oficial sobre os boatos. Segue a nota a seguir em tradução livre:

“A animação dos clientes com o iPhone X e o Face ID foi incrível e estamos ansiosos para que os clientes coloquem as mãos neles a partir de sexta-feira, 3 de novembro. O Face ID é um sistema de autenticação poderoso e seguro, incrivelmente fácil e intuitivo de usar. A qualidade e a precisão do Face ID não foram alteradas. A probabilidade de uma pessoa aleatória desbloquear seu iPhone com o Face ID continua sendo de uma em um milhão.

A afirmação da Bloomberg de que a Apple teria reduzido as especificações de precisão do Face ID é completamente falsa e esperamos que o Face ID seja o novo padrão para autenticação facial.”

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Apple contrata especializados na tecnologia fotossensível QuantumFilm

As câmeras do iPhone sempre foram destaque nos smartphones da Apple e com o aumento do poder da concorrência a companhia sempre está de olho em uma forma de melhorar essa categoria. E as movimentações do mercado indicam que ela segue essa estratégia: a Gigante de Cupertino contratou profissionais e que antes faziam parte do quadro da InVisage, especializada em uma tecnologia fotossensível denominada QuantumFilm.

A investigação sobre o discreto interesse da Maçã na InVisage começou com o blog Image Sensors of the World, que havia recebido a dica de três fontes anônimas, das quais duas confirmaram a compra da empresa pela Apple foi fechado em julho. Para comprovar os boatos, a página destacou que a InVisage removeu informações sobre perfis de seus empregados e não é mais parceira da Nokia Growth Partners e InterWest Partners.

QuantumFilm AppleComparação feita pela Invisage com um iPhone 6 e uma câmera com QuantumFilm, ambos em movimento

LinkedIn lista pelo menos seis funcionários da Apple que antes trabalharam na Invisage e dois deles entraram neste ano. O engenheiro de hardware Nail Khaliullin é o mais recente, mudou de ares em julho — a mesma data dos rumores ventilados anteriormente. Ainda não dá para saber com certeza se a transição foi somente de pessoal ou se a firma inteira foi comprada pela Apple.

QuantumFilm tem maior alcance dinâmico

Mas por que esse interesse na Invisage? Bem, eles fizeram parte do grupo capitaneado por Ted Sargent, professor de nanotecnologia da Universidade de Toronto. Sargent liderou pesquisas sobre o chamado QuantumFilm: pontos de revestimento quânticos extremamente sensíveis à luz.

Ao depositar QuantumFilm nas microlentes, é possível captar imagens a uma distância maior, incluindo os detalhes de áreas mais claras e escuras — um alcance dinâmico (ou High Dynamic Range — HDR) três vezes maior do que as tecnologias utilizadas nas câmeras atuais, segundo a Invisage.

A Maçã com certeza poderia aplicar a novidade em seus produtos, para otimizar os resultados. A companhia não comentou nada a respeito. Confira um vídeo sobre os recursos do QuantumFilm:

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Apple reduz precisão do Face ID para acelerar a produção do iPhone X

Os vários atrasos na produção do iPhone X teriam feito a empresa de Cupertino tomar uma decisão drástica. A Apple estaria permitindo que seus fornecedores reduzissem a precisão do sistema de reconhecimento facial, Face ID, no iPhone X como medida para acelerar a produção, segundo a Bloomberg.

O Face ID é um dos grandes trunfos do novo top de linha da fabricante americana, e permite, através de leitura biométrica que mapeia milhares de pontos no rosto do usuário, o desbloqueio do aparelho ou o pagamento de contas.

A notícia pode causar ainda mais preocupação em quem pretende adquirir o smartphone, uma vez que o sistema de reconhecimento facial é a principal porta de segurança para o acesso ao novo iPhone X.

O Face ID já havia falhado durante a apresentação do modelo em setembro, no que a Apple classificou como um erro ocasionado pelo fato de muitas pessoas terem manuseado o aparelho na demonstração.

A empresa ainda não comentou o assunto. O lançamento do iPhone X está programado para 3 de novembro.

via Canaltech

Apple adquire a companhia de carregamento sem fio PowerbyProxi

Apple acaba de fazer uma aquisição que pode ser bastante animadora para os fãs do recém-anunciado acessório de carregamento sem fio da empresa. Isso porque a gigante revelou ter comprado a empresa de sistemas de carregamento wireless PowerbyProxi, em uma transação cujos termos financeiros foram mantidos em segredo.

Segundo o site Stuff, que teria descoberto a compra e confirmado o fato com a própria Maçã, a aquisição é uma “grande adição com o trabalho da Apple para criar um futuro sem fio”, nas palavras do vice-presidente sênior de engenharia de hardware Dan Riccio. “Nós queremos trazer carregamento verdadeiramente sem esforço para mais lugares e mais consumidores ao redor do mundo”, continuou o executivo.

O que isso quer dizer para os dispositivos de carregamento sem fio que a Apple anunciou algumas semanas atrás? Provavelmente nada, visto que seus acessórios estão para chegar às lojas em um futuro próximo. Mas quem sabe, em uma próxima geração, isso traga ideias ainda mais interessantes, como é o caso do carregador modular desenvolvido pela PowerbyProxi? Vamos cruzar os dedos e ficar atentos.

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Chefe de lojas da Apple nega que será substituta de Tim Cook como CEO

Há algum tempo, rumores indicam que Tim Cook será substituído do cargo de CEO da Apple por uma das executivas mais elogiadas da empresa: Angela Ahrendts, vice-presidente sênior do setor de vendas da companhia, tanto da loja online quanto das Apple Stores.

Mas será que isso é mesmo verdade? Em uma entrevista em vídeo para o site Buzzfeed, Cook e Ahrendts — lado a lado — comentaram os boatos e falaram sobre outros temas relacionados à Maçã.

A gerente negou a troca e se limitou a dizer que a informação é “fake news” e “boba”. Mas Cook foi mais elaborado e até misterioso na resposta. “Vejo meu papel como CEO como preparar quantas pessoas eu puder para serem CEO, e é isso que tenho feito. E aí o conselho tomará uma decisão quando a hora chegar”, diz o atual chefe executivo.

Qual a chance?

Cook tem recebido muitas críticas por parte de imprensa e fãs por conta do gerenciamento atual da Apple — marca é criticada constantemente por não ser mais a mesma em termos de inovação. E é aí que entra Angela, já que ela é a responsável pelas atuais mudanças nas Apple Stores, transformando as lojas físicas em verdadeiros espaços de convivência para a comunidade.

Porém, é como Tim Cook afirmou: quem toma essa decisão é o conselho da Apple. Angela é funcionária da Apple desde 2014, após ser CEO da marca de moda Burberry.

Meu papel como CEO como preparar quantas pessoas eu puder para serem CEO, e é isso que tenho feito

Na conversa, a dupla aborda também o envolvimento com a administração Trump (“Ficamos de fora da política, mas nos engajamos em discussões políticas”) e o estoque do iPhone X (“Trabalharemos o máximo que pudermos para produzir o maior número possível”). Você pode conferir a entrevista completa neste link — em inglês.

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

%d blogueiros gostam disto: