Google Tradutor ganha novo sistema neural para melhorar tradução de frases

Técnica de Neural Machine Translation já foi integrada ao serviço em oito idiomas; português faz parte desse pacote inicial de línguas que podem testar a novidade

Mesmo que em uma década de existência o Google Tradutor tenha melhorado consideravelmente na sua tarefa de converter textos de uma língua para a outra, ele ainda está bem longe de ser perfeito. Apesar de, nesse tempo, o serviço ter adicionado ferramentas de pronúncia, adotado um sistema colaborativo de correções e ampliado o número de idiomas suportados para 103, sua capacidade de adaptar frases inteiras ainda era bem limitada. Felizmente, segundo a empresa, isso deve mudar com uma nova atualização do produto.

Em uma postagem feita no blog oficial da companhia na última terça-feira (15), a Gigante das Buscas explicou que, para tornar as suas traduções ainda mais precisas e capazes de analisar o contexto dos parágrafos antes de oferecer uma versão dele para outras ínguas, o Tradutor vai receber, a partir de agora, um reforço de peso: o mecanismo de Neural Machine Translation. Com a adição, as redes neurais da casa devem ajudar o serviço a “pescar” frases inteiras em vez de apenas palavras soltas.

Leia mais…

via Novidades do TecMundo

Garota com leucemia inventa distribuidor de curativos e vai à NASA

Com apenas 10 anos de idade, a australiana Bridgette Veneris criou um protótipo premiado e foi considerada a melhor jovem inventora do país, ganhando uma visita guiada à agência espacial

Uma garota australiana de 10 anos recentemente se tornou a melhor inventora jovem da Austrália ao criar um distribuidor de curativos fácil de usar enquanto passava por um tratamento para leucemia. Bridgette Veneris, da cidade de Melbourne foi a vencedora da competição littleBIGidea e, como parte de seu prêmio, ganhou uma visita guiada para conhecer as instalações da NASA.

Falando com o ABC News após receber a notícia da premiação na frente de seus familiares e colegas de classe na St. Joseph’s School, em Chelsea, a jovem se demonstrou surpresa. “Isso me faz me sentir ótima, nunca achei que poderia ganhar o prêmio”, disse ela, que se diz prestes a transformar um sonho em realidade.

Leia mais…

via Novidades do TecMundo

Mais de 45 mil apps foram removidos da Apple App Store em outubro

Fique tranquilo: a Apple provavelmente não deletou os seus apps favoritos

Faz tempo que a Apple está prometendo apagar milhares de aplicativos existentes na App Store do iOS. Não: ela não vai apagar por simples luxo, a ideia é deletar apps "abandonados" por desenvolvedores, que não recebem atualizações e não cumprem mais as diretrizes políticas da loja.

Promessa é dívida. Agora, segundo a empresa de inteligência Sensor Tower, a Apple já removeu 47,3 mil aplicativos da App Store apenas em outubro deste ano — um aumento de 238% quando comparado ao mesmo período do ano passado. Entre janeiro e setembro de 2016, a média mensal de apps removidos foi de 14 mil.

Leia mais…

via Novidades do TecMundo

Perigo das alturas: lixo espacial de 4,5 metros cai no Myanmar e assusta

Felizmente, ninguém saiu ferido da colisão dos detritos com o solo

Uma unidade de mineração no norte de Myanmar tornou-se bem famosa por ser o local da queda de um enorme pedaço de lixo espacial nesta última quinta-feira (10). Simultaneamente com o primeiro e maior impacto, uma parte menor de detritos com marcas chinesas caíram destruindo o telhado de uma casa da cidade próxima. Felizmente, ninguém ficou ferido em nenhum dos incidentes.

O objeto maior tem forma de barril e mede cerca de 4,5 metros de comprimento, com um diâmetro de pouco mais de um metro. "Os objetos de metal são possíveis partes de um satélite ou peças do motor de um avião ou míssil", de acordo com um relatório da polícia local.

Leia mais…

via Novidades do TecMundo

Microsoft é acusada de impedir funcionamento do Kaspersky no Windows 10

Kaspersky

Já faz uns bons anos que o Windows vem com um antivírus nativo instalado de fábrica, num esforço da Microsoft para manter seus usuários protegidos de ameaças virtuais desde os primeiros cliques. E isso é uma coisa boa, não é mesmo? Nem tanto. Pelo menos não para a Kaspersky.

Uma das mais renomadas empresas de segurança digital, a companhia russa vem acusando a Microsoft de práticas anticompetitivas e de barrar o funcionamento do antivírus no Windows 10. Em uma publicação em seu blog oficial, Eugene Kaspersky, desenvolvedor do software antivírus, vai além e diz que a norte-americana criou três obstáculos para produtos de terceiros no Windows 10.

O primeiro deles, explica Kaspersky, envolve as telas de aviso do Windows 10, que incentivam o usuário a ativar o Defender com um botão laranja escrito "Ativar". O problema é que o botão desativa automaticamente antivírus de outras fabricantes, independentemente de ele estar atualizado e funcionando bem.

A segunda barreira envolve as atualizações do Windows 10. De acordo com o desenvolvedor, elas detectam quais programas não são suportados pelo sistema e os desinstala sem qualquer aviso prévio. E isso vem fazendo com que as soluções de segurança da Kaspersky venham sendo desinstaladas e substituídas pelo Windows Defender rotineiramente.

Finalmente, Kaspersky alega que a Microsoft dá muito pouco tempo para que os desenvolvedores testem seus antivírus no Windows 10. Em protesto, ele pede que a Microsoft seja mais transparente nesse processo e que avise que irá remover um antivírus que não é compatível, ou recomende a instalação de uma versão compatível após a atualização.

A treta está tão grande que até o governo da Rússia entrou na jogada. Em um comunicado emitido na semana passada, o Serviço Federal Antimonopólio do país disse já estar investigando se a Microsoft está abusando de sua posição no mercado com o Windows 10 e que a norte-americana goza de "vantagens injustificadas" em questão de antivírus. Uma reclamação junto à União Europeia também foi aberta pela Kaspersky.

Onde tudo isso vai dar, a gente não sabe. Mas caso a prática seja confirmada, então a Microsoft pode se ver em mais uma polêmica envolvendo os softwares que embute em seus sistemas operacionais. Em 2009, a União Europeia obrigou a empresa a vender o Windows sem o Internet Explorer pré-instalado, deixando nas mãos dos usuários a decisão de querer ou não o navegador em suas máquinas. Será que vai acontecer a mesma coisa com o Windows Defender?

Via Ars Technica, The Register, Gizmodo

via Canaltech

Twitch atualiza ferramentas de upload de vídeos para brigar melhor com YouTube

Twitch

A plataforma de streaming de games Twitch anunciou em setembro do ano passado, durante sua TwitchCon 2015, que passaria a suportar o upload de vídeos pré-gravados no serviço através de um Open Beta.

Além de permitir que usuários subissem um conteúdo mais "bem acabado", o movimento colocou o Twitch de facto na linha de frente da concorrência com o YouTube, hoje a maior plataforma de consumo de vídeos do mundo.

Agora, o serviço parece estar se armando melhor para enfrentar essa briga, com uma série de novas funções que deverão tornar o upload de conteúdo mais fácil na plataforma.

Entre as atualizações, está o suporte para mais tipos de vídeo, que poderão agora ser subidos nos formatos .MOV, .AVI e .FLC, além dos já suportados vídeos em .MP4. Apesar de ainda serem menos formatos do que os suportados pelo YouTube, as extensões são consideradas as mais populares entre produtores de conteúdo atuais.

Além disso, a plataforma reformulou seu algorítimo de buscas para suportar tags mais longas. Serão até 100 caracteres por tag e até 500 dígitos em todas as tags, o que deve facilitar a vida de usuários na hora de encontrar o conteúdo desejado.

As atualizações podem parecer simples, mas dão um novo fôlego para o Twitch na competição contra o YouTube, principalmente após o anúncio da oferta focada em games, YouTube Gaming, lançada em outubro do ano passado.

De acordo com a plataforma, os updates implementados foram pedidos da própria comunidade e deverão ser expandidos no futuro, com novas funções como uso de itálico e negrito na descrição de vídeos.

Fonte: Engadget 

via Canaltech