Netflix enfrentou Apple e Hulu para manter “Friends” no catálogo

A Netflix fechou um acordo de US$ 100 milhões para ser o único serviço de streaming com a série Friends em 2019. Ela pagou caro porque a sitcom é uma das mais assistidas em seu catálogo, e porque outras empresas estavam interessadas, incluindo Hulu — que pertence à Disney e à Fox — e Apple.

Segundo o Recode, o Hulu “tentou arduamente” conseguir os direitos de streaming para Friends. A empresa não conseguiu, mas acabou elevando o preço para a Netflix — que pagava US$ 30 milhões por ano pela exclusividade da série.

O Hulu está disponível apenas nos EUA e Japão, mas será oferecido em outros países no futuro. A Disney será dona de 60% do serviço quando finalizar a aquisição da Fox; ela também vai lançar uma plataforma de streaming chamada Disney+.

Por sua vez, a Apple também tentou comprar Friends para seu futuro serviço de streaming, que deve ser lançado em 2019. No entanto, de acordo com o Recode, ela acabou retirando sua proposta de aquisição.

Netflix terá que pagar por Friends de novo em 2020

As dez temporadas de Friends estrearam na Netflix brasileira em 2015. A empresa deixa claro no Twitter que a série “não vai sair” do catálogo. O acordo de US$ 100 milhões foi revelado pelo Wall Street Journal e New York Times.

No entanto, a Netflix garantiu Friends apenas por um ano. E de 2020 em diante? A WarnerMedia, dona da série, terá duas opções: mantê-la como um título exclusivo de seu futuro serviço de streaming — sim, mais outro — ou deixá-la também no catálogo da Netflix para receber US$ 75 milhões por ano.

Vale lembrar que a Netflix fecha acordos diferentes dependendo do país. Ou seja, a empresa pode ter dores de cabeça em manter uma série nos EUA, mas tê-la garantida no Brasil, por exemplo. Ainda assim, ela precisa disputar conteúdo com diversos concorrentes — incluindo Disney+, Amazon Prime Video e Globoplay.

Tecnocast 078 – Um bundle de bundles

Hoje existe uma fragmentação do streaming. As empresas de mídia, como HBO, Disney e Sony, decidiram criar seus próprios concorrentes da Netflix, com conteúdo exclusivo. E as empresas de tecnologia, como Netflix, Apple e Google, também acharam que seria uma boa ideia investir em produções próprias. O resultado é um monte de conteúdo de qualidade espalhado entre diversos serviços pagos.

Como resolver isso? Vamos ter que pagar uma taxa para cada serviço? As empresas vão se juntar para lançar “pacotes” de serviços de streaming, como acontece na TV por assinatura? Dá o play e vem discutir com a gente!

Netflix enfrentou Apple e Hulu para manter “Friends” no catálogo

via Tecnoblog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *