Streaming da Globo quer catálogo do tamanho da Netflix até 2019

Em evento hoje (4) na cidade de São Paulo, a Globoplay, a plataforma de streaming da Globo, apresentou suas metas e novidades para curto e médio prazo. O diretor-geral da Globoplay João Mesquita, juntamente com outros executivos, conversou com jornalistas em uma mesa redonda e afirmou que a Globoplay pretende ter um catálogo tão extenso quanto da Netflix entre produções próprias e internacionais de renome.

Aos poucos, o serviço está sendo preenchido com produções atuais e antigas da Globo, como novelas e minisséries, e novos contratos de séries de outros países que só podem ser vistos na Globoplay

Segundo explicou Mesquita, a Globoplay começou apenas como uma ferramenta para telespectadores da Globo poderem acompanhar a programação do canal aberto quando perdiam algo que passava na TV, o que é chamado de “catchup”. Perdeu um capítulo da novela ou uma reportagem que queria ver? Era só acessar pelo serviço pago na internet.

Agora, além disso, que continua valendo, a Globoplay se posiciona no mercado como mais uma plataforma de streaming de vídeo, com conteúdo próprio, algumas coisas exclusivas e séries e filmes internacionais, assim como acontece com a Netflix e outros similares. Aos poucos, o serviço está sendo preenchido com produções atuais e antigas da Globo, como novelas e minisséries, e novos contratos de séries de outros países que só podem ser vistos na Globoplay, como um de seus maiores sucessos de audiência, “The Good Doctor”.

a“The Good Doctor”: sucesso que pode ser visto exclusivamente na Globoplay

Caminhão de séries

Com cerca de 20 milhões de acessos entre assinantes e usuários que não pagam nada (e, por isso, têm acesso limitado na plataforma e são obrigados a ver propagandas nos vídeos), a Globoplay já tem pouco mais que 15 séries internacionais, cerca de 100 filmes e seis séries brasileiras exclusivas. Até o fim de 2019 foram prometidos mais de 100 seriados e um conteúdo similar em tamanho à da Netflix.

Ajustando suas plataformas de streaming, a Globo vai passar a permitir que o usuário assine “pacotes” unindo algumas delas e pagando um preço mais em conta pelos combos

No último final de semana, uma nova experiência de usuário foi colocada no ar com diversas facilidades para os usuários. Investimentos tecnológicos de milhões de reais permitem uma seleção melhor de sugestões para que os usuários tenham um acesso mais personalizado em diferentes plataformas: iOS, Android e Web inicialmente e, em seguida, as principais SmartTVs do mercado. Nos dispositivos da marca TCL, inclusive, o app da Globoplay já é nativo do sistema e a empresa busca entrar mais profundamente na LG e na Samsung.

Outra novidade é a possibilidade de usar uma ferramenta chamada Cloud DVR. Com ela, a programação que é exibida ao vivo pela plataforma, ao mesmo que no canal aberto da TV, pode ser pausada e voltada até pontos anteriores para que, se você pegar um programa pela metade, não precise aguardar ele ser encerrado para que o serviço o disponibilize de maneira completa no site.

a“Ilha de Ferro” é a aposta da Globoplay para emplacar grandes produções próprias

Pagando menos

Nas próximas semanas, a Globoplay deve revelar uma quantidade grande de conteúdo que vai passar a fazer parte do catálogo do serviço

Ajustando suas plataformas de streaming, a Globo vai passar a permitir que o usuário assine “pacotes” unindo algumas delas e pagando um preço mais em conta pelos combos. Por exemplo: vai ser possível se tornar assinante da Globoplay juntamente com o Combate (canal de lutas), o Telecine Play (canal de filmes) ou o Premiere (canal de futebol) combinando livremente esses kits e pagando mais barato do que se fossem contratados individualmente.

Nas próximas semanas, a Globoplay deve revelar uma quantidade grande de conteúdo que vai passar a fazer parte do catálogo do serviço. E durante o ano que vem, cada vez mais série – nacionais e internacionais – vão dar as caras no streaming, que conta com o poderoso canhão da Rede Globo como canal de TV aberta tanto para sua publicidade quanto para preencher o serviço com conteúdo de qualidade, que como Mesquita bem sabe e mencionou, já faz parte da vida social do brasileiro.

via Novidades do TecMundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *