Ministério Público abre inquérito para investigar vazamento de dados da Marriott

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) instaurou um inquérito para investigar o caso de vazamento de dados da Marriott, revelado pela própria empresa no último dia 30. Segundo o inquérito, a proposta é investigar as circunstâncias do incidente com o banco de dados do grupo Starwood Hotels and Resorts, subsidiária da Marriott International.

Quem investigará será Unidade Especial de Proteção de Dados e Inteligência Artificial, que deve questionar a empresa sobre como hackers entraram em seus sistemas. Segundo o próprio comunicado da Marriott, o sistema estava sendo invadido desde 2014, sendo que a companhia só percebeu o ocorrido em 8 de setembro deste ano.

Ainda, o MPDFT questiona a demora em notificar as possíveis vítimas sobre o problema. O informe só chegou em 30 de novembro, dois meses após a descoberta. O Marriott, em nota, disse que estava terminando de identificar as informações acessadas. “Conforme o inquérito, 500 milhões de hóspedes tiveram informações pessoais afetadas, tais como: nome, endereços, número de passaporte e informações da conta na rede hoteleira. Em alguns casos, o número e a data de vencimento de cartões de créditos foram comprometidos. Com essas informações seria possível traçar um raio-x da movimentação dos hóspedes ao redor do mundo”, informa a Secretaria de Comunicação do Distrito Federal.

Segundo o promotor de justiça, Frederico Meinberg Ceroy, quem presidirá o inquérito, “os dados expostos, como número do passaporte e informações sobre a data de chegada e partida, permitem conhecer a movimentação de pessoas como diplomatas, adidos militares e de inteligência, negociadores, empresários, políticos, chefes de estado”. Por isso, a preocupação do órgão. O MPDFT também notificou o departamento de Justiça dos Estados Unidos e a autoridade de informações do Reino Unido sobre o assunto.

A empresa ainda não forneceu dados específicos sobre o vazamento. Dessa forma, ainda não é possível saber quem pode ter sido exposto com a falha. Caso você tenha se hospedado em um hotel da rede desde 2014, a recomendação é trocar as senhas de serviço e substituir o cartão de crédito.

via Canaltech

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *