Tesla é acusada de assédio racial por ex-funcionários negros, mas nega alegações

Tudo sobre

Tesla


Segundo o que informaram ao jornal The New York Times ao menos seis ex-funcionários da Tesla, o ambiente de trabalho na empresa de carros de luxo não é nada amigável com os trabalhadores não-brancos. A empresa está respondendo a três processos por discriminaçã o racial desde o início de 2018.

Ao site estrangeiro Ars Technica, a Tesla alegou que o Times exagerou nas acusações para pintar uma imagem mais severa do problema. “A Tesla se opõe a todas as formas de discriminação, assédio e tratamento injusto, e nos esforçamos para proporcionar um ambiente de trabalho respeitoso para todos os funcionários e fazer o melhor possível para evitar a má conduta. A Tesla tem conhecimento de apenas dois dos seis indivíduos que informaram terem feito reclamações formais enquanto trabalhavam na fábrica — casos que foram investigados pela empresa e resultaram em ações disciplinares”, disse uma porta-voz da companhia.

Um dos dois casos conhecidos pela empresa é o de DeWitt Lambert, um ex-funcionário da Tesla que pertence à etnia negra e que compartilhou um vídeo, no início de 2017, onde um homem não identificado no chão de fábrica da fabricante de carros de luxo o ameaça e se refere a ele como “nigga”, um termo racista e ofensivo geralmente dirigido a pessoas negras.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

DeWitt Lambert denunciou o racismo na Tesla em 2017 (Imagem: Edmund D. Fountain / The New York Times)

Em março de 2017, Lambert recebeu uma proposta de acordo extrajudicial no valor de US$ 100 mil, mas a vítima de racismo recusou a oferta, que estava disponível “apenas se pudermos resolver esse assunto antes que haja repercussão na mídia”.

Dentre os casos relatados ao The New York Times está DeWayne Jones, outro ex-funcionário negro da Tesla que relata ter sofrido assédios raciais quando ouviu um de seus supervisores dizer que funcionários negros não eram adequados à empresa, chamando-os de macacos. Jones afirma que, na época em que o crime ocorreu, ele relatou o ocorrido à administração, mas a Tesla afirma que não há registros de queixas formais.

“Cada funcionário da Tesla é obrigado a concluir um curso de treinamento sobre discriminação e assédio sexual dentro de 30 dias após a contratação”, escreveu a Tesla. “Quando uma reclamação é feita, a equipe de Relações com Funcionários da Tesla investiga imediatamente e, se necessário, toma medidas disciplinares.”

Fonte: Ars Technica

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

via Canaltech

Publicado por Carlos Trentini

Eu, eu mesmo e eu, agora e nas horas vagas...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *