5G no Brasil terá poucas operadoras ou velocidade capada, diz Anatel

A conectividade 5G está chegando em algumas poucas cidades em alguns países como Coreia do Sul e Estados Unidos já no começo de 2019, e vem com grandes promessas: aumentar a velocidade de download e upload drasticamente, tornar a latência praticamente insignificante e promover a revolução da internet das coisas. Só que, no Brasil, a história pode acabar sendo outra.

Segundo contou o novo presidente da Anatel, Leonardo de Morais, ao UOL a coisa por aqui vai ser complicada. Essencialmente, a agência terá que escolher entre ter poucas operadoras oferecendo o 5G com todas essas vantagens descritas acima ou colocar as quatro principais operadoras na nova geração, mas com serviços bem limitados.

Para que uma operadora possa fazer o 5G funcionar adequadamente, ela precisa de pelo menos 100 MHz de banda

Esse impasse está sendo enfrentado pela agência pelo simples fato de que a faixa dos 3,5 GHz, considerada ideal para o 5G, só tem 200 MHz de banda livre. Para que uma operadora possa fazer o 5G funcionar adequadamente, ela precisa de pelo menos 100 MHz de banda.

Assim, teríamos espaço apenas para duas empresas conseguirem operar normalmente com o 5G. Existe a possibilidade fazer um lote de 80 MHz e duas de 60 MHz para colocar mais uma empresa na jogada ou quatro lotes de 50 MHz para que todas funcionem na mesma mediocridade.

Em outras palavras, o cenário é ruim de toda forma. A Anatel terá que escolher como resolver essa peleja, mas é fato que nenhum brasileiro ou mesmo as principais operadoras ficarão felizes com essas opções de leilão.

Conforme diminuímos os blocos, privilegiamos a competição, mas reduzimos a eficiência espectral

“Conforme diminuímos os blocos, privilegiamos a competição, mas reduzimos a eficiência espectral”, disse Mores ao UOL. Contudo, parece haver uma “solução meia-boca” que talvez possa funcionar.

A ideia seria fazer um leilão conjunto de frequências para o 5G com outras para o 4G. “Quando coloco [em leilão] um conjunto maior de espectro, eu dou diferentes perspectivas aos players. Quem entrar nos 2,3 Ghz estaria consolidando suas operações no 4G ou no 4,5G. Quem entrar no 3,5 Ghz estaria olhando sua perspectiva no 5G”, explicou o novo presidente da Anatel.

Leilão só em 2019 ou 2020

Fora esse impasse que tem potencial para gerar muita confusão entre as quatro maiores operadoras brasileiras, a Anatel também não pretende apressar o leilão da faixa dos 3,5 GHz no Brasil. A ideia seria fazer o leilão apenas no fim de 2019 ou início de 2020.

Isso porque a agência estaria esperando um estabelecimento entre os diversos padrões do 5G, especialmente entre os impulsionados por China e Estados Unidos. “Hoje não existe um ecossistema maduro para o 5G, sobretudo nos celulares. Ainda que existam estações de radiofrequência (antenas de celular), não existem aparelhos”, comentou.

Até 2019, a Anatel espera que um padrão tenha vencido a peleja. O 5G brasileiro poderia então seguir o caminho do vencedor e ter uma tecnologia possivelmente mais barata e mais internacionalizada.

via Novidades do TecMundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *