Google celebra 10 anos do Android relembrando cada uma de todas as versões do SO

Em seu blog oficial, a Google fez um apanhadão com os principais destaques de todas as versões já lançadas do Android, em comemoração aos 10 anos de seu sistema operacional móvel. Naquela época do lançamento inicial, a Google Play se chamava Android Market e, desde então, muita coisa mudou, com hoje o Android sendo usado em mais de 2 bilhões de dispositivos em todo o mundo.

Que a viagem no tempo comece:

Cupcake (Android 1.5)

Essa, na verdade, não foi a primeira versão do Android lançada. Ela é a terceira versão; contudo, a primeira a inaugurar o padrão de se adotar nomes de sobremesas para o sistema. Liberado em abril de 2009, o Cupcake abriu as portas para que dispositivos Android chegassem com telas inteiramente sensíveis ao toque, graças à introdução do teclado virtual. Até então, a “moda” eram os smartphones com teclado físico, com Nokia e BlackBerry dominando este mercado.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Também chegaram nesta versão os widgets de apps para a tela inicial, além de pastas para organizar os aplicativos. O Cupcake foi substituído rapidamente, em 15 de setembro do mesmo ano, pelo Android Donut (1.6), que, por sua vez, tornou mais fácil pesquisar conteúdos do smartphone e da web. Com ele, chegou a caixa de pesquisa rápida do Android, além de suporte a diferentes densidades e tamanhos de tela.

Eclair (Android 2.0)

No mês seguinte, em 26 de outubro de 2009, chegou o Android Eclair com a navegação pelo Google Maps e reconhecimento de fala para textos em e-mails e mensagens. Chegaram também os live wallpapers.

Froyo (Android 2.2)

Essa versão chegou em 20 de maio de 2010, levando os recursos de voz do Android a um outro nível com as ações de voz, que permitiam a execução de funções do smartphone por meio de comandos de voz.

Gingerbread (Android 2.3)

Já em 6 de dezembro de 2010 foi lançado o Gingerbread, com recursos de gerenciamento de bateria que informavam exatamente como o dispositivo estava usando a bateria, desde o brilho da tela a aplicativos ativos.

Honeycomb (Android 3.0)

Essa versão chegou em 22 de fevereiro de 2011, trazendo um layout maior e suporte a animações sofisticadas, aproveitando ao máximo as telas maiores dos tablets. Essa versão ficou marcada como a primeira destinada a diferentes formatos de dispositivos.

Ice Cream Sandwich (Android 4.0)

Em 19 de outubro do mesmo ano, chegou o Ice Cream Sandwich. A versão simplificou o design do Android e trouxe novos recursos, como pastas de aplicativos redesenhadas, além de uma bandeja de favoritos e widgets. Também foi aqui que chegou a conectividade NFC.

Jelly Bean (Android 4.1)

9 de julho de 2012 foi quando o Jelly Bean começou a chegar, trazendo o Google Now como um precursor do Google Assistente. O Now permitia obter informações rápidas sobre o clima, por exemplo, tudo em tempo real assim como acontece hoje com o Assistente.

Aqui, as notificações ficaram mais ricas, permitindo a expansão da janela para exibir mais notificações de uma só vez.

KitKat (Android 4.4)

Já o KitKat começou a ser liberado em 15 de janeiro de 2014, unindo a utilidade do Google Now com melhorias na tecnologia de voz, aliando o melhor dos dois mundos. Assim, o usuário começou a dar comandos de voz para que o Now fosse capaz de fazer ainda mais ações com o comando “Ok Google”.

Lollipop (Android 5.0)

O Lollipop chegou no dia 3 de novembro de 2014, reunindo as novidades em funcionalidades do KitKat, mas trazendo o Material Design ao Android. Uma transparência totalmente nova facilitou a navegação pelo dispositivo.

Marshmallow (Android 6.0)

E então, em 5 de outubro de 2015, chegou o Marshmallow, que representou outro próximo passo para a criação do Assistente como o conhecemos. O Now, aqui, foi aprimorado, permitindo simplesmente tocar e segurar o botão “home” para acioná-lo — eliminando a necessidade de se abrir manualmente o aplicativo para tal.

Chegaram aqui novos recursos de economia de bateria; entre eles, um que colocava automaticamente o dispositivo em estado de repouso quando em inatividade, e o App Standby, que limitava o impacto de apps usados com menos frequência na vida da bateria.

Nougat (Android 7.0)

Esta versão, que ainda é bastante popular, chegou em 22 de agosto de 2016. O Nougat melhorou a maneira de se usar o smartphone, adicionando várias janelas para permitir a execução de apps lado a lado, além de respostas instantâneas por meio das notificações, tamanho de exibição ajustável para melhor acessibilidade e melhor economia de dados, limitando a quantidade de dados usados por apps em segundo plano.

O Modo VR chegou aqui também, possibilitando experiências de realidade virtual para apps, e chegaram ainda 63 novos emojis — todos com seis opções de tons de pele.

Oreo (8.0)

Em 21 de agosto de 2017, a Google revelou o aguardadíssimo Oreo ao mundo, que introduziu formas ainda mais simples de navegar em tarefas no smartphone (como o preenchimento automático para o acesso rápido de apps e o modo picture-in-picture). Com o Oreo, a experiência Android foi simplificada ainda mais graças a uma melhor coesão visual e gestos mais fáceis (como o deslizar da tela inicial para ver todos os aplicativos).

E foi no Oreo em que a Google introduziu a versão Go do Android, otimizada especificamente para dispositivos de entrada que têm especificações mais simples. Dessa maneira, usuários “novatos” podem ter uma experiência Android rápida e poderosa, mesmo sem gastar muito dinheiro em um aparelho.

Pie (Android 9.0)

Encerrando o momento “vale a pena ver de novo”, temos, então, o Android Pie, que chegou em 6 de agosto de 2018. Com esta versão, o sistema trouxe novas formas de o usuário controlar o seu bem-estar digital, descobrindo exatamente quanto tempo gasta em cada app e podendo configurar um temporizador para limitar o uso de determinados apps “viciantes”.

O sistema, equipado com inteligência artificial, também aprende com o usuário e prioriza a energia da bateria para os apps mais usados, bem como aqueles que a IA identifica que você possa usar em breve.

Fonte: Google

via Canaltech

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *