Catarina, o furacão de categoria 3 que atingiu o Brasil em 2004

A temporada de furacões chegou aos Estados Unidos causando estrago. O furacão Florence chegou ao país nesta sexta (14) provocando chuvas, ventos fortes e enchentes.

O fenômeno já causou estragos no estado da Carolina do Norte. Segundo agências de notícia internacionais, quatro pessoas morreram, e 600 mil estão sem energia.

Em 2017, quem deu problemas foi o furacão Irma, que atingiu principalmente ilhas do Caribe e a Flórida. Naquele ano, uma usuária do Twitter criou uma thread que explicava a formação desses ciclones (sim, furacão, ciclone e tufão são sinônimos) e lembrava a passagem do Catarina, o único furacão da história a atingir o Brasil.

Catarina, a grande

O dia 28 de março de 2004 ficou marcado como a primeira vez em que um furacão atingiu a costa do Atlântico Sul. O Catarina que atingiu ventos de 180 km/h, o que o classificou na categoria 3 na escala Saffir-Simpson, que mede a intensidade de ciclones com base na velocidade dos ventos e vai de 1 até 5. À título de comparação, o Florence, que chegou a estar na categoria 4, foi rebaixado para 1 ao chegar na costa leste dos EUA.

O fenômeno aconteceu em Santa Catarina e Rio Grande do Sul, e seu nome veio da área mais afetada por ele. Ao menos 40 cidades catarinenses foram atingidas. De acordo com o Centro de Estudos e Pesquisas em Engenharia e Defesa Civil da Universidade Federal de Santa Catarina, essas foram as consequências:

35.873 casas danificadas (993 destruídas)

4 mortes

518 feridos

33 mil desabrigados

R$ 1 bilhão de prejuízo

14 cidades em estado de calamidade pública

Mapa de intensidade do furacão Catarina (Emerson Vieira Marcelino (GEDN, Revista de Defesa Civil, CEPED UFSC, 2005)/Reprodução)

Veja também

Por que é difícil que um furacão atinja o Brasil?

Para entender porque nós só tivemos um registro desse tipo de fenômeno climático, é preciso compreender como os furacões são formados.

Eles nascem nos oceanos pela evaporação de grandes volumes de água. A água evaporada cria uma megatempestade, que por sua vez gera uma área de baixa pressão. Já o movimento circular dos ventos é causado pelas massas de ar de alta pressão do entorno que se deslocam para onde há baixa pressão.

Só que, para isso acontecer, a temperatura das águas precisa estar alta, acima dos 27 oC. E o Atlântico Sul não passa dos 26oC em seu ponto mais quente, o Nordeste brasileiro.

O furacão Catarina é até hoje considerado um caso raríssimo, pois foi resultado de um ciclone extratropical (uma forte tempestade da família dos ciclones) que evoluiu para uma categoria mais severa.

via Superinteressante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *