Por que smartphones terão 5 câmeras e por que isso é importante, afinal?

Para além de fotografias melhores, maior número de câmeras significa mais sensores, logo mais dados gerados e coletados


Quem poderia prever que a câmera do seu telefone se tornaria a tecnologia mais popular, útil e importante de sua vida? Só neste ano, a raça humana vai tirar 1,3 trilhão de fotos, de acordo com a Keypoint Intelligence/InfoTrends. Os smartphones serão usados ​​para 87% dessas imagens.

Mas convenhamos, a maioria dessas fotos é inútil. Não digo apenas sobe selfies, mas selfies ruins que nunca serão sequer postadas. Nem me fale sobre vídeos. As câmeras de smartphone são responsáveis ​​pelo maior desperdício de espaço de armazenamento na história.

Mas um grande número dessas fotos é valioso para negócios ou usos profissionais. Empresários de todos os tipos estão usando cada vez mais câmeras de smartphones como sensores para todos os propósitos para colher dados do ambiente, realidade aumentada, entrada rápida de dados e muito mais.

Pessoalmente, eu uso minha câmera do smartphone para lembretes rápidos. Eu tiro fotos do número do meu quarto de hotel, a placa que diz onde meu carro está estacionado, a placa do meu carro alugado e qualquer coisa que, mais tarde, faça minha memória lembrar de alguma tarefa que eu precise fazer.

Um aplicativo de smartphone chamado CamFind permite que você tire uma foto de qualquer coisa e encontre informações sobre esse objeto por meio de pesquisa. Um uso típico trará lugares para comprar exatamente os mesmos produtos ou similares, uma lista de imagens e vídeos relacionados e uma pesquisa na web. Também traz sites associados a códigos de barras.

O Google Fotos oferece um recurso semelhante com um novo botão do Google Lens. O recurso colocará dados de cartão de visita em seus Contatos do Google, adicionará um cartão para um evento ao seu calendário e realizará outros trabalhos úteis.

Já o aplicativo Tradutor do Google traduzirá idiomas estrangeiros em tempo real quando você apontar sua câmera para qualquer sinal ou menu.

Outro aplicativo, chamado Photomath, resolverá qualquer problema de matemática que você tirar uma foto.

À medida que novos aplicativos e recursos proliferam, fica óbvio que as câmeras dos smartphones são extremamente importantes. E para provar casos de uso no próximo nível, precisaremos de mais câmeras.

Prepare-se para a explosão da câmera do smartphone

Se uma câmera traseira é boa, então duas são melhores, certo? Certo!

O iPhone X, o Galaxy S9 Plus, o LG G7, o OnePlus 6 e praticamente todos os smartphones caros agora têm duas câmeras traseiras. Eles fornecem profundidade de campo, o que é útil para efeitos bokeh de “modo retrato” e a capacidade de separar o primeiro plano do plano de fundo para edição de fotos. Por exemplo, um recurso do Google em breve permitirá que você tire uma fotografia colorida e crie apenas o plano de fundo em preto-e-branco. Câmeras duplas também fornecem potencialmente melhores dados para processamento de IA.

Agora, que tal três? O Huawei P20 Pro, já no mercado, possui três lentes traseiras e uma câmera selfie frontal, para um total de quatro câmeras embutidas. Uma das lentes traseiras é uma câmera colorida de 40 megapixels. A segunda é uma câmera monocromática de 20 megapixels que fornece informações de profundidade e também melhora a faixa dinâmica das fotos. E o terceiro fornece zoom óptico de 3x.

Um recurso de destaque está chegando ao telefone em breve, na forma de uma atualização de software, que permitirá vídeo de câmera lenta a incríveis 960 quadros por segundo. (Isso é impressionante, mas ele dispara em 720p; o Sony Xperia XZ2 tem o mesmo slow motion de taxa de quadros, mas a 1.080p.)

Um total de quatro câmeras é bom. Mas não tão bom quanto cinco

O próximo telefone da LG, provavelmente a ser lançado no ano que vem e possivelmente chamado de V40, conterá três câmeras traseiras e duas câmeras frontais. As duas câmeras selfie provavelmente facilitarão o desbloqueio por reconhecimento de rosto e outros recursos. As três câmeras traseiras ostentam uma lente ampla, uma lente ultra-larga e uma lente “misteriosa”.

O Samsung Galaxy S10 +, que deve ser lançado no próximo ano, terá cinco câmeras também. Espera-se que um deles funcione como uma lente ultra grande angular, com um campo de visão de 120 graus.

Até o final do próximo ano, os smartphones de cinco câmeras serão um kit padrão para telefones emblemáticos.

E se você acha que cinco câmeras são um exagero, você deve saber que uma empresa chamada Light deve anunciar ainda este ano um smartphone (mostrado acima) que terá nove câmeras.

O objetivo de todas essas câmeras é idêntico à câmera L16 sem telefone da empresa, que tem 16 câmeras: para habilitar a qualidade semelhante à DSLR em um dispositivo de bolso. (Em tempo: especialistas criticaram a câmera L16 por ter um software defeituoso, um preço alto e resultados ruins)

Espera-se que a câmera tire fotos de 64 megapixels e provavelmente permita que você tire fotos agora, para focá-las mais tarde. É um ótimo conceito. Vamos ver se a empresa pode fazer certo desta vez.

Como entender a mania multi-câmera

Obviamente, várias câmeras aprimoram fotos e tornam os smartphones mais parecidos com DSLR. Mas, mais importante, eles fornecem dados de alta resolução para aplicativos de AI e AR.

Um bom exemplo vem da startup Lucid, baseada no Vale do Silício, que você pode conhecer como criadora do VR180 LucidCam e o cérebro por trás da revolucionária câmera Red 8K 3D.

A Lucid anunciou recentemente um novo foco em um modelo de licenciamento de software, onde a empresa fornecerá os cérebros de software para alimentar recursos avançados de smartphones. A oportunidade que permite a entrada da Lucid nesse mercado é o advento dos smartphones com duas e mais câmeras.

A plataforma 3D Fusion da Lucid usa aprendizado de máquina e dados históricos para medir rapidamente a profundidade em tempo real. Essa capacidade permite recursos que não são possíveis com os smartphones de hoje, como rastreamento avançado de objetos de realidade aumentada e gestos de alta resolução no ar.

A tecnologia Lucid é apenas um exemplo do que é possível com câmeras adicionais em smartphones. A realidade é que as câmeras são sensores úteis – especialmente quando construídos de forma onipresente em computadores de bolso que executam aplicativos e estão conectados em todos os momentos à internet.

As câmeras de smartphone já podem identificar e fornecer informações adicionais sobre o que quer que elas apontem. Eles nos permitem coletar dados visuais e ver objetos de realidade aumentada colocados no mundo real. Câmeras frontais podem melhorar a segurança através do reconhecimento facial.

Se você for como eu e gostar de usar esses sensores como máquinas de coleta de dados, suba, então. O futuro mundo dos smartphones de muitas câmeras vai transformar o que será possível fazer com um smartphone.

Enquanto os nerds da fotografia ficarão animados com smartphones abordando a qualidade da fotografia DSLR, os nerds de dados devem ficar ainda mais animados. Porque os smartphones já eram muito superiores às DSLRs para capturar dados utilizáveis ​​para AI e AR, e várias câmeras estão prestes a torná-las as ferramentas de negócios mais úteis de todos os tempos.

>Siga o IDG Now! também no Facebook, Twitter e Instagram 

 

 

via IDG Now!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *