Conteúdos adultos podem trazer o impulso que faltava à realidade virtual

A relevância história do mercado de conteúdos adultos para a adoção de novas plataformas tecnológicas é inegável. Afinal, foi a pornografia que acabou por abrir passagem para o VHS (derrubando o Betamax) nos anos 1980. Também foram os gemidos ritmados de profissionais do nicho que deram a última cartada para colocar o DVD como o próximo formato de vídeos na década seguinte. Com a realidade virtual não haveria de ser diferente, portanto.

Produtoras como a estadunidense Naughty America ou o streaming Pornhub têm mostrado que as babás fogosas e os encanadores tarados podem, por fim, conferir à imersão virtual o status de plataforma tecnológica do futuro. A primeira, por exemplo, foi o primeiro negócio voltado a conteúdo adulto a garantir um espaço dentro do prestigiado Consumer Electronics Show, depois de uma ausência de 19 anos do setor.

“Nossos consumidores têm abraçado a realidade virtual”, disse Andreas Hronopoulos, CEO e proprietário da La Tourain (empresa-mãe da Naughty America) em entrevista ao Wall Street Journal. A estreia foi facilitada pelo surgimento do Oculus Rift, aparato de realidade virtual que receberia o primeiro filme adulto da produtora. “Isso torna tudo mais íntimo; não há nada parecido.”

Crescimento de 433%

É claro que a base instalada de 6,1 milhões de Oculos Rifts também ajuda. Segundo Hronopoulos, até o final de 2016 a empresa já contava mais de 20 milhões de downloads de filmes projetados para o Rift. Como uma vantagem adicional: os espectadores do novo formato estavam muito mais dispostos a pagar mensalidades do que o público típico de conteúdos pornográficos convencionais (2D).

Como resultado, as assinaturas da Naughty America foram catapultadas em 55% no ano em que o novo formato estreou. Além disso, nos 18 meses seguintes ao lançamento do primeiro filme, o estúdio viu seu negócio de realidade virtual aumentar em 433%.

Dificuldade de distribuição

Apesar do pioneirismo da Naughty America e da velocidade com que o público de conteúdos adultos tem adotado a realidade virtual, o estúdio diz encontrar dificuldades para encontrar parcerias na hora de distribuir os conteúdos. E dinheiro não poderia ser o problema, já que estimativas contidas projetam o surgimento de uma indústria pornô VR de US$ 1 bilhão em 2020 — que ainda se beneficia da dificuldade de piratear conteúdos, dada a especificidade das plataformas exigida para assistir.

O motivo parece ser mais político. Afinal, é difícil encontrar provedores de tecnologia ansiosos para ligar suas marcas à produção de material pornográfico. “Muitas dessas companhias grandes têm receio de se associar com o pornô”, disse o diretor de informação da Naughty America, Ian Paul, ao WSJ. “Parece-me que a principal preocupação é que menores de idade tenham acesso ao conteúdo, mas nós temos pay-per-view em TVs a cabo há anos, então não é nada que não se possa resolver tecnologicamente.”

Para o executivo, entretanto, a aliança entre VR e o mercado de filmes adultos parece ser inevitável. “Se você olhar para a história da tecnologia, verá que sempre que alguém se opôs à pornografia, esse alguém perdeu.”  Ele acredita que tudo seja mais uma questão de tempo.“[Essa adoção] vai acontecer, é apenas uma questão de quando”, conclui Paul.

Fonte: Wall Street Journal

Pechinchas, cupons, coisas grátis? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

via Canaltech

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *