iOS | Apple vai fechar brecha que permitia acesso pelas autoridades

A Apple estaria prestes a fechar mais uma brecha usada pelas autoridades para acessar informações de iPhones e iPads bloqueados por seus proprietários. De acordo com informações publicadas na imprensa internacional, um update para o iOS vai mudar a forma como aparelhos trancados lidam com a conexão via cabo Lightning, impedido a transferência de dados enquanto credenciais não forem inseridas.

Hoje, esse acesso é permitido livremente, o que levou à criação de um dispositivo chamado GrayKey, usado por agências de inteligência e forças da lei para acessar arquivos armazenados no dispositivo. Após a atualização, entretanto, a conexão via cabo Lightning será desabilitada uma hora após o bloqueio do dispositivo, com apenas energia sendo transmitida para recarregamento. Qualquer outra utilização passa a depender de senha ou identificação biométrica.

Em declaração oficial a Apple nega que a mudança venha para, especificamente, dificultar a ação das autoridades. A empresa não confirmou nem negou que uma atualização vindoura vai mudar as configurações padronizadas da entrada Lightning, mas disse estar constantemente trabalhando para aumentar a segurança de seus produtos.

Por outro lado, a empresa disse ter o “maior respeito” pelas autoridades e que não desenvolve suas soluções com o intuito específico de impedir que elas realizem seu trabalho. O alvo, aqui, são os “hackers e ladrões de identidade” que possam estar de olho nos dados dos usuários, cujas tentativas de intrusão a Apple, com tais mudanças, tenta impedir.

Os embates da Apple com forças policiais não são notícias recentes. Na realidade, elas circulam desde 2016, quando o governo dos Estados Unidos tentou, inclusive por meios judiciais, obrigar a empresa a liberar formas de acessar iPhones sem ter a senha de acesso. O principal argumento era a segurança nacional, com o caso estando relacionado ao massacre de San Bernardino, quando dois atiradores mataram 14 pessoas e deixaram mais de 20 feridos em um centro comunitário no estado americano da Califórnia.

Na ocasião, a Apple se recusou a fazer isso e o CEO Tim Cook liberou uma carta aberta, afirmando que a criação de uma backdoor jamais seria de “uso exclusivo” das autoridades, como afirmava a ordem judicial, mas sim, constituiria uma grave violação à privacidade e segurança de seus usuários. A decisão acabou revogada justamente por esse motivo, enquanto o FBI revelou ter pagado US$ 900 mil em uma solução que liberou o acesso ao iPhone de um dos atiradores, cujos dados não revelaram informações relevantes às investigações.

Fonte: The New York Times

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

via Canaltech

Publicado por Carlos Trentini

Eu, eu mesmo e eu, agora e nas horas vagas...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *