Programa de mentoria para meninas ganha sua segunda edição

Iniciativa é encabeçada pela everis; Programa Púlsar conecta jovens a uma rede de mulheres influentes que visam desenvolver seus talentos profissionais


A everis, multinacional de consultoria de estratégia e de negócios, realiza em São Paulo por meio de sua Fundação, pelo segundo ano consecutivo, o Programa Púlsar, uma iniciativa para conectar jovens adolescentes entre 15 e 18 anos com uma rede de mulheres influentes, que as ajudam a descobrir e a desenvolver seu potencial profissional, focadas em seus talentos. A ideia é encorajar as meninas adolescentes a prosseguirem em sua formação, sempre por meio da educação formal, sem limitar os seus objetivos a qualquer condição de gênero.

O grupo de mentoras é formado por mulheres que exercem um sólido papel de liderança na sociedade, nos setores educativo, empresarial, econômico e de inclusão social e que consideram fundamental reduzir as diferenças sociais de gênero. Na mentoria, compartilham suas próprias experiências apoiadas em uma metodologia baseada no modelo “learning by doing” (aprender fazendo) que busca ressaltar os talentos das adolescentes, ao mesmo tempo em que as encoraja a concluírem sua formação escolar.

“Nosso principal objetivo é motivar essas meninas a trabalhar sua autoconfiança, para que elas descubram seus potenciais e talentos, e escolham que carreira seguir profissionalmente”, afirma Yara Areas Santos, diretora da everis e responsável pelo Púlsar.

Segunda edição do Púlsar

Segundo Santos, na primeira edição, em 2017, foram alcançados excelentes resultados que ajudaram a aprimorar a metodologia e a atrair mais mulheres influentes do mercado. A iniciativa quer combater as elevadas taxas de desigualdade de gênero no Brasil contribuindo com o empoderamento de jovens mulheres e ajudando na evolução da vida dessas adolescentes, com reflexos positivos também em seus familiares e amigos.

O programa tem duração de sete meses, em que as meninas, com a colaboração das mentoras, trabalharão e desenvolverão competências como habilidades pessoais e sociais, geração e seleção de ideias, autonomia e iniciativa pessoal e comunicação. Em cada sessão, um objetivo específico é destacado. Nesta segunda edição, participam 10 mentoras e 10 adolescentes, quatro a mais do que em 2017, de uma escola pública de São Paulo.

> LEIA MAIS:

Para fundadora da PrograMaria, há interesse de mulheres por TI, mas faltam oportunidades

Jovem, mulher e empreendedora em TI. Equação desafiante?

Mulheres representam só 11% da força de trabalho em cibersegurança

 

via IDG Now!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *