Câmeras com IA identificam foragido da polícia em multidão com 60 mil pessoas

Caso aconteceu na China. Autoridades foram alertadas por sistema de reconhecimento facial inteligente


A máxima de que o mundo é pequeno demais para você fazer algo de errado, fica um pouco mais tensa agora com o uso da inteligência artificial para fins de segurança e vigilância. Na China, um homem foragido foi preso após um sistema de reconhecimento facial alimentado com IA alertar autoridades sobre sua presença em uma multidão de 60 mil pessoas em um show de música pop.

O homem de 31 anos era procurado, segundo o site The Next Web, por crimes de ordem econômica. Ele teria viajado cerca de 100 km com sua esposa e amigos para ir ao evento para depois ser surpreendido pela polícia que o identificou pelas câmeras que cobriam o festival. 

Privacidade e controle social

Autoridades na China vêm usando sistemas de reconhecimento facial “inteligentes” para monitorar populações. Entretanto, ao mesmo tempo que se abre uma nova e, aparentemente, precisa possibilidade de capturar criminosos,  ao mesmo tempo, a tecnologia vem com um preço obscuro que diz respeito à privacidade e dignidade das pessoas.

Recentemente, a China começou a utilizar seu sistema de vigilância alimentado com IA para também “educar” seus cidadãos. Por lá, se você for pego pelo “big brother” ao atravessar fora da faixa de pedestres, por exemplo, você receberá uma multa. Caso você não a pague, o seu crédito social será descontado e você poderá ser banido de conseguir opções de financiamento, alugar carros e fazer compras em valores altos e até mesmo impedido de usar o transporte público e viajar de avião. A medida lembra um episódio do Black Mirror, da terceira temporada, onde os personagens vivem em uma realidade que são avaliados o tempo todo por outros. Com uma pontuação baixa, você viveria às margens de uma sociedade carente e paranóica por aprovação.

O uso de inteligência artificial para fins de vigilância é um debate que ainda deve ganhar mais fôlego e chamar atenção de organizações que defendem a democracia e privacidade digitais. Se um vazamento de dados pessoais de usuários do Facebook foram usados para manipular a opinião pública gerou grande preocupação e debate acerca da privacidade, um mundo observado pela inteligência artificial pode ser ainda mais perturbador. 

 

 

via IDG Now!

Deixe uma resposta