Ativistas de Myanmar criticam Facebook em carta aberta; Zuckerberg responde

Após as Nações Unidas se posicionarem de forma crítica ante o papel que as redes sociais, em especial o Facebook, tiveram no massacre da população rohingya em Myanmar, Mark Zuckerberg comentou o ocorrido em entrevista ao site Vox na segunda-feira passada (2). 

O posicionamento de Zuckerberg foi amplamente criticado por militantes de Myanmar, que endereçaram a ele uma carta aberta. Nela, eles dizem que “Do nosso ponto de vista, esse caso exemplifica o exato oposto de uma moderação eficiente: revela um excesso de confiança em terceiros, a falta de um mecanismo adequado para a escalada de emergência, uma reticência para envolver as partes interessadas locais em torno de soluções sistêmicas e falta de transparência”. A opinião expressada pelos militantes foi a de que o fundador do Facebook teria deixado a desejar ao abordar o assunto, não empregando recursos suficientes na resolução do problema da rede social catalisar o discurso de ódio contra a minoria rohingya.

Surpreendentemente, os representantes das organizações sociais de Myanmar receberam uma resposta através do e-mail pessoal de Zuckerberg, que pediu desculpas pelo seu posicionamento público na entrevista e elencou as ações práticas que o Facebook tem tomado para diminuir o impacto causado.

Dentre as soluções arquitetadas pela equipe da rede social que foram citadas no e-mail, Zuckerberg disse ter contratado dúzias de revisores de conteúdo fluentes em birmanês e reforçou que as equipes internas estão pesquisando formas de criar ferramentas específicas para tentar conter a violência em Myanmar.

Jes Petersen, chefe executivo do laboratório de inovações em Myanmar que trabalhou com o Facebook, não ficou satisfeito com a resposta de Zuckerberg e disse: “É ótimo que ele esteja pessoalmente engajado nisso, mas as coisas que ele disse não são realmente muito diferentes do que ele andou dizendo nos últimos anos”.

Debbie Frost, porta-voz do Facebook, confirmou a autenticidade da resposta de e-mail enviada por Zuck e disse que a equipe continuará a comunicação com os ativistas a fim de entender melhor como pode contribuir para a solução do problema.

Mesmo após o uso da plataforma para espalhar discursos de ódio vindo da população budista ultranacionalista contra a minoria islâmica massacrada, o Facebook ainda não dispõe de central física no país. Na Alemanha, nação que é regida por legislação muito rígida quanto aos discursos de ódio, devido ao seu passado totalitário, mais de 1.200 moderadores verificam os conteúdos postados em alemão. Para atingir o mesmo efeito em Myanmar, segundo Petersen, seria necessário delegar 800 moderadores para o país, o que está distante das “dúzias” que Zuckerberg afirmou ter contratado na resposta por e-mail.

Quem também criticou a resposta do executivo foi Victorie Rio, social media em Myanmar: “Muito do que eles estão fazendo é apenas cosmético – não é a melhoria tangível que estamos procurando”.

Uma resposta ao e-mail de Zuckerberg já foi enviada pelos ativistas, solicitando abertura dos dados sobre como o Facebook está lidando com a situação.

Fonte: The New York Times (1)(2), The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

via Canaltech

Deixe uma resposta