Qualcomm acusa Tim Cook de ter mentido a reguladores em processo sobre patentes

Um dos maiores e mais complicados processos da história recente da tecnologia continua, e agora vai envolver a presença de um dos grandes figurões das empresas envolvidas. De acordo com relatos ainda não confirmados, Tim Cook, o presidente executivo da Apple, teria sido convidado a depor em tribunal devido a uma ação movida pela Qualcomm contra a empresa que produz o iPhone.

No processo, a fabricante de chips acusa o CEO da Maçã de ter mentido aos reguladores da Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês) sobre o alto pagamento royalties que estaria sendo obrigado a pagar. Agora, o órgão que regula o mercado nos Estados Unidos quer conhecer a verdade sobre o assunto para que a ação possa continuar em frente.

A fala de Cook estaria marcada para acontecer no dia 27 de abril, após novos impasses entre a Apple e a Qualcomm em relação a audiências. Coube a um juiz da FTC definir o dia em que o executivo compareceria diante do tribunal e também realizar sua convocação, na posição de réu de um processo que, entre tantos outros, azeda ainda mais a relação entre as duas companhias.

A pendenga judicial corre em segredo de justiça e estaria relacionada ao acionamento da Apple na justiça quanto ao uso indevido de tecnologias da Qualcomm no iPhone. Desde então, elas vêm se batendo nos tribunais, em declarações para a imprensa e também em decisões comerciais que podem acabar completamente com a relação entre elas e seus respectivos fornecedores.

A disputa em relação ao pagamento de royalties, por exemplo, tem a ver com declarações do próprio Cook e decisões feitas por ele junto a seus parceiros de produção na Ásia. O CEO teria afirmado que a Qualcomm estaria cobrando preços abusivos por suas tecnologias de modem e telecomunicações a serem usadas no iPhone e iPad devido ao fato de a Maçã preferir trabalhar com seus próprios processadores e não os da linha Snapdragon.

Com isso, veio um contraprocesso, ao lado daquele que a Apple responde por uso indevido de tecnologia, e também uma interrupção no pagamento de royalties. Os milhões de dólares oriundos desses acordos, peças importantes no faturamento da Qualcomm, estariam sendo depositados pela Apple e seus fornecedores em uma conta destinada a esse fim, até que um júri decida sobre a validade dos preços praticados ou defina novos valores. A atitude, afirma a rival, estaria sendo tomada para minar seu poder de fogo e balançar o faturamento trimestral.

Agora, a FTC quer ouvir o outro lado dessa história. O depoimento de Cook, entretanto, ocorreria a portas fechadas devido ao fato de o processo seguir em segredo. A imprensa não será autorizada a cobrir a fala do executivo e seu conteúdo não será divulgado enquanto o processo permanecer em sigilo.

Declarações e rumores posteriores, porém, dão a tônica da situação. Declarações de executivos tanto da Qualcomm quanto da Apple já deram a entender que as companhias estavam em busca de uma solução amigável, mas isso foi antes das acusações de superfaturamento nos valores dos royalties. Agora, ainda há a expectativa de um acordo fora dos tribunais, mas ele se deve ao fato de os processos estarem começando a se arrastar, bem como implicando em altos custos para todas as partes envolvidas.

Da mesma forma, já desceu pelo ralo a noção de que Qualcomm e Apple poderiam continuar amigas após a resolução da questão. Rumores recentes apontam para o desenvolvimento de iPhones ao lado de nomes como MediaTek e Intel, o que excluiria permanentemente a fabricante do Snapdragon do rol de fornecedoras da Maçã, encerrando uma parceria que existe desde o primeiro iPhone.

Como normalmente acontece, porém, a regra para a Apple é o silêncio. A empresa não fala sobre a possibilidade de troca de fornecedores nem comenta sobre um processo que corre em segredo. No que é permitido falar, porém, a empresa também se mantém calada, mantendo, apenas, a mais recente postura de esperar uma solução amigável para toda a questão.

via Canaltech

Deixe uma resposta