Opinião: Apple precisa prometer menos e entregar mais

Nos últimos meses, atrasos e adiamentos nas entregas de produtos e recursos tornaram-se comuns na empresa de Cupertino.


Na WWDC de 2017, a Apple anunciou o AirPlay 2, um novo protocolo wireless que permite que os usuários transmitam áudio para diversos cômodos, controlem alto-falantes pelo app Home, e usem a Apple TV como um hub para streaming de música. A Apple fechou parcerias com 14 fabricantes de alto-falantes, incluindo Bose, Bang & Olufsen e Denon para levar o AirPlay 2 para uma nova leva de dispositivos, e uma API para desenvolvedores até prometeu que apps de streaming de terceiros também “poderiam participar da festa do áudio em diversos cômodos”. 

Já se passaram 10 meses desde o anúncio original e continuamos esperando pela chegada do recurso. 

Após introduzir a ferramenta no beta original do iOS, e depois no iOS 11.2 e no iOS 11.3, a Apple voltou a sinalizar que o AirPlay 2 será o principal recurso do iOS 11.4, que deve ser lançado no mês que vem. Caso ele realmente chegue, o lançamento acontecerá quase um ano após a empresa anunciar a sua disponibilidade. 

O mesmo vale para o Messages on iCloud. Um recurso atrasado que deveria ter sido lançado com o iOS 11, também foi adiado diversas vezes, com a sua chegada esperada juntamente com o iOS 11.4. O Messages on iCloud permitirá sincronização das suas mensagens em todos os aparelhos da Apple. Para isso, as conversas ficarão armazenadas na sua conta do iCloud e não em cada aparelho individual. 

Isso levanta uma questão: se a Apple consegue lidar com a sincronização e o armazenamento no iCloud com centenas de gigabytes de fotos, por que é tão difícil fazer o mesmo com mensagens de texto? 

Mas não quero falar sobre dificuldades técnicas aqui. Os ausentes AirPlay 2 e Messages on iCloud não seriam um problema tão grande se a Apple não tivesse anunciado o lançamento de ambos. O Messages on iCloud é provavelmente o recurso mais requisitado no iOS, por isso é compreensível que o VP de engenharia de software da Apple, Craig Federighi, estivesse ansioso para contar para todo mundo que estava a caminho. Mas após 10 meses de espera, passei de impaciente para indiferente.

Atraso constante

E eles não estão sozinhos. O AirPlay 2 e o Messages on iCloud são claramente apenas dois dos produtos/recursos recentes que a Apple teve de adiar:

-o Apple Pay Cash não chegou até o iOS 11.2, vários meses após o lançamento do iOS 11

-o HomePod foi adiado de dezembro de 2017 para fevereiro de 2018 e acabou chegando sem som estéreo, um dos recursos mais aguardados

-anunciado há sete meses, o acessório de recarga wireless AirPower ainda não ganhou data nem preço de lançamento 

-os fones AirPods foram adiados de outubro para dezembro de 2016 e convivem com estoques baixos desde então 

E agora a Apple disse que o novo Mac Pro modular, que a empresa revelou há cerca de um ano em um incomum briefing para a imprensa, não chegará nos próximos 12, talvez 18 meses. Agora, antes que digam que a Apple nunca prometeu o lançamento do Mac Pro para 2018 (assim não estaria tecnicamente atrasado), deixe-me perguntar isso: por que anunciar o produto em primeiro lugar?

Ao mesmo tempo em que anunciou esse Mac Pro, a Apple também atualizou o modelo existente com o mínimo possível: um par de núcleos extras para a CPU Xeon e um ganho de GPU. A máquina ainda não conta com USB-C ou Thunderbolt 3, e seu design continua uma bagunça. E parece seguro presumir que não veremos mais updates até a chegada do novo e repensado Mac Pro.

Por isso, fica a questão: qual a razão de uma empresa anunciar um produto quase dois anos antes de lançá-lo enquanto continua vendendo uma versão que ninguém quer do mesmo produto? Com o conhecimento de que um novo modelo está sendo desenvolvido, a Apple deixa os usuários profissionais de Mac com três opções, sendo que nenhuma delas é realmente boa:

-Gastar entre R$23.500 e R$30.500 no Mac Pro atual, que já está desatualizado 

-Gastar a partir de R$38 mil em um iMac Pro, que oferece habilidade duvidosa de serviço e upgrade para o usuário 

-Esperar entre 12 e 18 meses pelo novo Mac Pro, que poderá (ou não) suprir as necessidades dele

Eu entendo. Os usuários de desktop são uma pequena parcela da base de Macs, e os usuários profissionais representam uma fatia ainda menor. Mas o atraso do Mac Pro não seria tão ultrajante se não fosse parte de uma tendência problemática de prometer muito e entregar pouco.

Menos promessa e mais entrega

Seria descuidado se não destacasse que a Apple não é a única empresa do mercado a deixar de cumprir suas promessas de lançamentos. Mais notavelmente, o Google atrasou a chegada do Android Wear 2.0 em vários meses em 2016 e 2017, e ainda estamos esperando pelo Nexus Q, mas espero mais da Apple.  

O CEO da Apple, Tim Cook, supervisionou mais atrasos de produtos e recursos no último do que Steve Jobs em todo o seu tempo à frente da empresa (sendo que o pior foi um atraso de nove meses para uma nova cor do iPhone). Não é que a Apple fosse necessariamente uma empresa melhor antes, mas Jobs tinha um mantra simples: prometa menos e entregue mais. O iPhone original não chegou menos recursos do que anunciado, mas com mais.

Mas não foi isso que aconteceu com o HomePod. Não apenas o alto-falante inteligente da companhia é mais caro e menos capaz do que seus rivais, como também está sem dois dos seus principais recursos por conta do atraso do AirPlay 2. O som estéreo e áudio em diversos cômodos são funcionalidades sólidas que iriam ajudar a diferenciar o HomePod de diversos concorrentes, mas a Apple ainda não pode anunciá-los. Esses atrasps estão danificando a reputação e as vendas da Apple, e é hora de a empresa começar a reconhecer isso.

Após diversos bugs embaraçosos com o iOS e o macOS no último ano, a Apple anunciou que vai começar a “auditar nossos processos de desenvolvimento para ajudar a evitar que isso volte a acontecer”. Talvez seja o momento de a companhia fazer o mesmo com os seus anúncios de produtos.

via IDG Now!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *