Chrome vai começar a bloquear anúncios e vídeos intrusivos

A Google anunciou que seu navegador, o Chrome, começará a bloquear anúncios intrusivos e indesejáveis a partir desta quinta-feira (15). A mudança segue um anúncio feito em meados do ano passado e mira, principalmente, as propagandas pop-up ou que cobrem toda a tela, bem como os vídeos que são executados automaticamente e com áudio.

O filtro deve ser habilitado por meio de uma atualização para a plataforma, bloqueando os formatos de propagandas considerados mais indesejáveis pelos usuários de acordo com uma pesquisa feita pela “Coalizão para Anúncios Melhores”, da qual a própria Google faz parte, ao lado de outras companhias. São eles:

  • Anúncios pop-ups, abertos após um clique do usuário em links;
  • Vídeos que são reproduzidos automaticamente e com som;
  • Propagandas que encobrem toda a tela ou uma boa parte delas;
  • Anúncios que exibem contadores, exigindo que o usuário aguarde um tempo determinado antes de ser possível fechá-los;
  • Animações com cores fortes ou piscantes.

Além disso, a Google quer fechar o cerco sobre páginas que apresentem uma grande quantidade de propagandas. O limite de densidade é de 30%, com sites que exibirem mais do que essa proporção entre anúncios e conteúdo também tendo tais elementos bloqueados para exibição.

Como acontece hoje com pop-ups tradicionais ou elementos perigosos, o Chrome informará aos usuários – tanto no celular quanto no desktop – quando um bloqueio do tipo ocorrer. Sendo assim, cabe a cada utilizador seguir em frente com as configurações padronizadas, ou então tomar atitudes pontuais com relação a certos sites, permitindo a exibição de anúncios em domínios específicos, ou liberando de forma generalizada uma determinada modalidade.

A avaliação das páginas será realizada a partir de um sistema desenvolvido pela própria Google. Por meio dele, os sites receberão uma graduação entre positiva, média ou negativa. No segundo caso, os responsáveis serão alertados sobre a presença de anúncios irregulares, que podem ou não serem bloqueados, enquanto os que não passarem no teste já estarão diretamente na lista negra.

Quando uma página é acessada, o Chrome consultará seu banco de dados. Caso não encontre o domínio utilizado, a página será comparada com aquelas que fazem parte da lista de negativados, de forma a encontrar ocorrências em comum. Caso sejam detectadas, os anúncios serão bloqueados, com o usuário sempre sendo informado sobre isso.

As mudanças que serão aplicadas nesta semana dão continuidade a um longo período de adaptação para administradores de páginas. Desde o ano passado eles vêm sendo alertados sobre a questão e incentivados a adotarem melhores práticas, de forma a não terem suas rendas afetadas pelas restrições. Agora é para valer, mas os responsáveis, claro, continuam plenamente capazes de realizarem as mudanças necessárias para não terem seus comerciais bloqueados.

Os períodos de adequação também permanecem. A partir de agora, os sites que forem categorizados como intermediários terão 30 dias para realizarem as mudanças previstas nas melhores práticas da Google, tendo as propagandas bloqueadas apenas caso sejam reincidentes. De acordo com a empresa, antes mesmo da aplicação das medidas, 42% dos sites identificados como irregulares tomaram ações para garantir uma navegação mais segura e agradável para seus usuários.

O objetivo final da Google é claro: evitar a instalação de bloqueadores de anúncios pelos usuários. Ao integrar sistemas de proteção contra propagandas intrusivas em seu navegador, a empresa deseja melhorar a experiência dos usuários na mesma medida em que protege a renda dos veículos e também a própria, uma vez que essa é uma de suas principais áreas de atuação e faturamento. Para a gigante, as pessoas não odeiam comerciais, mas sim apenas aqueles que atrapalham a navegação. Agora, ela toma uma atitude para atender aos dois interesses.

via Canaltech

Deixe uma resposta