Bitcoins voltam a cair e têm menor valor desde novembro

Após um final de semana de aparente estabilização, as coisas voltaram a ficar complicadas para investidores e entusiastas das bitcoins nesta segunda-feira (05). A principal modalidade de criptomoeda do mundo voltou a ser operada com uma baixa que ultrapassou a marca dos 7%, chegando a ser vendida por US$ 7.599, seu menor valor desde novembro do ano passado.

As quedas sucessivas ocorridas na última semana – a pior desde 2013 para as bitcoins – também reverteram completamente o crescimento acelerado visto entre o final do ano passado e o início deste. Há algumas semanas, analistas previam que o valor das moedas chegaria rapidamente à casa dos US$ 20 mil, mas, agora, já há quem enxergue grande calamidade em um futuro não muito distante, com a tendência de queda livre permanecendo.

A motivação para a nova tendência de queda, mais uma vez, é a intensificação da regulação por grandes bancos internacionais. O britânico Lloyds Banking Group anunciou nesta segunda-feira que a compra de bitcoins e outras moedas virtuais com cartões de crédito estava suspensa, refletindo na Europa uma medida que já havia sido tomada pelos gigantes americanos Citigroup, JP Morgan e Bank of America.

A razão para a mudança é a mesma para todos eles — as instituições não querem associar suas carteiras de crédito à alta volatilidade das criptomoedas, com medo de serem consideradas responsáveis pela perda de dinheiro decorrente das flutuações. A mudança, realizada em caráter imediato, assustou entusiastas e investidores, levando a um movimento decrescente em altíssima velocidade.

No momento em que esta reportagem é escrita, as bitcoins operam com baixa de 6,5%, valendo US$ 7.647 a unidade. A baixa também afetou praticamente todas as outras modalidades desse mercado. A cardano, por exemplo, tem desvalorização de 16,7%, enquanto a NEO tem queda de 15%. Outras opções populares, como a ethereum (-12,1%), ripple (-12,7%) e litecoin (-12,1%) também sofrem com a situação.

A avalanche de más notícias parece sem fim. Na última semana, a Coreia do Sul fechou seu mercado de moedas virtuais para investidores internacionais, de forma a evitar especulação devido aos valores mais altos operados por lá; a Índia anunciou que vai tomar medidas para conter os crimes financeiros relacionados às modalidades. O aumento nas regulações, como sempre, acompanha o temor de banimentos, o que acaba afastando entusiastas e derrubando o mercado.

via Canaltech

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *