Já é possível minerar criptomoedas usando o calor do corpo humano

Para minerar criptomoedas, é preciso gastar uma quantidade imensa de energia. Mas, na Holanda, já existe um local onde as pessoas podem doar seu calor corporal para que ele seja transformado em energia elétrica com a finalidade de minerar moedas virtuais.

O local se chama Institute of Human Obsolescence, e a ideia toda surgiu para tentar unir o útil ao agradável: enquanto há muitas previsões de ondas de desemprego futuras causadas pelo avanço da tecnologia, e também em um cenário em que as criptomoedas estão se popularizando imensamente, por que não permitir que as pessoas possam usar seus próprios corpos para colaborar para com a mineração das moedas virtuais, enquanto ganha um dinheiro com o serviço?

Apesar de a ideia de humanos servindo como baterias orgânicas a serviço da tecnologia seja algo que remeta a roteiros de ficção científica, a ideia é louvável caso realmente permita que a atividade se torne um trabalho remunerado e voluntário. Um corpo adulto pode gerar cerca de 100 watts sob repouso, e cerca de 80% dessa energia é desperdiçada.

Portanto, o Instituto deseja justamente armazenar esse excesso de energia que produzimos enquanto inertes, com o objetivo de minerar criptomoedas. O pessoal do instituto explica que "os humanos estão se tornando obsoletos para realizar trabalhos mecânicos e, logo, os avanços na inteligência artificial também afetarão nossas possibilidades de sermos trabalhos úteis ao realizar tarefas intelectuais". Sendo assim, em vez de bater de frente com um futuro inevitável, melhor abrir as portas para novas atividades para os seres humanos na sociedade tecnológica.

Ainda de acordo com a equipe, cerca de 1.700 KW de eletricidade podem ser gerados somente com o calor humano da população holandesa, e o calor é coletado por meio de um traje especial que conta com geradores termoelétricos, que, por sua vez, convertem o calor em energia utilizável. Com essa energia, um computador conectado ao traje faz a mineração das criptomoedas.

No momento, já são 37 pessoas doando energia para o projeto, já sendo responsáveis pela geração de 17 mil moedas, incluindo Vertcoin, Starcoin e Ethereum.

via Canaltech

Deixe uma resposta