NVIDIA proíbe uso de placas GeForce em datacenters; entenda o caso

A NVIDIA atualizou recentemente os termos de uso do software de suas GPUs GeForce, a linha de processadores gráficos da marca destinados à gamers. Com a novidade, a empresa essencialmente proibiu o uso e placas GeForce em datacenters, impedindo que empresas usem esses equipamentos para processamento de inteligência artificial e aprendizado de máquina.

A fabricante tomou essa decisão tendo visto que uma parte significativa de sua produção de GPUs destinadas ao consumidor final estava sendo sugada pela indústria para construção de datacenters, mesmo a NVIDIA tendo linhas de GPUs (Vega e Tesla) destinadas ao uso comercial. O problema é que as placas GeForce são um tanto mais baratas e conseguem oferecer um retorno sobre o investimento mais rapidamente. O desempenho desses equipamentos certamente não é o mesmo do que poderia ser alcançado com as placas mais caras, mas os resultados parecem bons o suficiente a ponto de criar um gargalo na linha de produção de GPUs.

Exceção

O curioso disso tudo, entretanto, é uma exceção que a NVIDIA colocou em sua nova regra. “O software das GPUs GeForce não é licenciado para uso em datacenters, exceto para processado de blockchain”, diz o texto. Em outras palavras, você pode construir um datacenter com placas GeForce para minerar Bitcoin e outras criptomoedas, mas não para inteligência artificial ou qualquer outra aplicação que não seja considerada de “uso pessoal”.

A NVIDIA gastou milhões de dólares em pesquisa e desenvolvimento para otimizar suas GPUs Vega e Tesla

Apesar de isso parecer estranho, é bem simples entender a situação. A NVIDIA gastou milhões de dólares em pesquisa e desenvolvimento para otimizar suas GPUs Vega e Tesla para uso comercial e, por isso, a companhia quer que as empresas que compram seus produtos paguem mais do que os consumidores comuns. Como aumentar o preço das GeForce para que os outros produtos da marca fiquem mais competitivos não parece ser uma opção, a companhia deve ter resolvido apelar para os termos de licenciamento do software que acompanha as placas.

Mas como o processamento de blockchain não implicou em nenhum investimento em pesquisa e desenvolvimento por parte da NVIDIA, e os datacenters desse tipo usam apenas GPUs intermediárias — não criando gargalos de distribuição—, a fabricante não parece incomoda com a situação.

Não sabemos se datacenters que já operam à base de GPUs GeForce terão que trocar seus equipamentos, mas os novos certamente serão impedidos legalmente de usar esse tipo de placa. Resta esperar para ver como a NVIDIA vai agir nesse sentido.

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *