Por que adolescentes têm dificuldade de focar no que é importante

Ah, a adolescência. Época das espinhas, das dúvidas e da falta de motivação para qualquer atividade obrigatória. Por mais que pareça, não é só implicância dos pais: para os mais jovens, passar horas com a cara no celular costuma ser muito mais negócio do que se preparar para a prova do dia seguinte ainda que ela seja a mais importante do semestre. O fato é que, mesmo com prazos, avisos e cobranças batendo à porta, adolescentes têm mais facilidade em permanecer inertes a tudo isso. E a ciência sabe dizer por quê.

De acordo com um novo estudo, publicado no Nature Communications, o comportamento ‘100% nem aí’ característico da adolescência é resultado de um cérebro em desenvolvimento. Esse estágio incompleto de formação dificulta que os jovens tenham a real dimensão de suas escolhas, adaptando seu comportamento para situações que exijam boas doses de responsabilidade e foco.

Essa dificuldade ficou clara em um experimento, conduzido por pesquisadores Universidade Harvard. O desafio envolveu jovens com idade entre 13 e 20 anos, que foram convidados a participar de um jogo de perguntas e respostas. Enquanto isso, eles tinham seus cérebros monitorados, a partir da técnica de fMRI (sigla em inglês para ressonância magnética funcional, que detecta variações do fluxo sanguíneo de acordo com a atividade dos neurônios).

Em algumas fases do game, as cobaias ganhavam 20 centavos se respondessem corretamente à pergunta que piscava na tela e perdiam metade dessa grana caso errassem. Em outros momentos a recompensa era ainda maior: o voluntário ganharia US$ 1 pelo acerto, mas perderia 50 centavos se não soubesse a resposta ou respondesse de forma equivocada.

Os resultados do estudo reafirmam aquela ideia de que só o tempo traz experiência. Quanto mais velho era o participante, mais ele foi capaz de entender o momento e focar nas recompensas mais valiosas. Seu desempenho, assim, era melhor quando havia mais dinheiro envolvido. Esse foi o caso de quem tinha entre 19 e 20 anos.

Quem estava mais próximo da infância que da vida adulta, no entanto, pareceu ignorar as oportunidades mais graúdas: seu nível de atenção para as perguntas, seja as que valiam 20 centavos ou US$ 1, foi mais ou menos o mesmo durante todo o teste. “Se seu cérebro é jovem, você simplesmente não é muito bom em relacionar aquilo que você precisa fazer com o que você vai ganhar ou perder”, explicou Gina Rippon, uma das autoras do estudo, em um artigo para o site The Conversation.

A análise cerebral dos voluntários mostrou um ponto-chave para essa habilidade: a criação de ligações entre o córtex pré-frontal e as áreas do cérebro chamadas de ‘sub-corticais’. Esses laços cerebrais ajudam na formação do comportamento, da personalidade, e do sistema de recompensas, e permanecem em desenvolvimento até os 25 anos. É graças a um sistema de recompensas bem consolidado que a ideia de ir dormir cedo para render mais no dia seguinte se torna mais razoável que a vontade de virar a noite no videogame. Como idade mental e idade física nem sempre conversam, cada um acaba percebendo tudo isso (e virando adulto) no seu próprio momento. Pode colocar mais essa na conta do cérebro.

via Superinteressante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *