Bitcoin: por que ele valorizou tanto em 2017

Tenho certeza que vocês estão bem acostumados a ouvir o termo Bitcoin na televisão, ler isso no jornal… e esbarrar em matérias sobre o tema na internet o tempo todo.

A dúvida nem chega a ser mais o que é Bitcoin, e sim o porquê dele ter valorizado tanto em 2017. Para você que não acompanhou a turbulência desse assunto na mídia, bitcoin é uma criptomoeda que funciona na internet, totalmente descentralizada, que não necessita de uma entidade central e pseudo-anônima.

Se você quer refrescar mais ainda a memória ou mesmo não lembra o que é um Bitcoin, é só buscar aqui no YouTube “Canaltech Bitcoin”, que você encontra nossos VÁRIOS vídeos sobre “o que é Bitcoin, onde gastar” e muito mais.

Mas e daí? Por que você aí do outro lado deveria se importar com o Bitcoin? Talvez porque em novembro de 2017, o preço de 1 BTC ultrapassou a marca histórica de US$ 8.000; isso, US$ 8.000 por UM ÚNICO BITCOIN. Como uma moeda virtual conseguiu atingir essa marca em 2017 é o que discutiremos agora no Canaltech.

Esta Websérie de 4 episódios é um oferecimento da foxbit.com.br, a maior bolsa de bitcoins do Brasil, onde você pode negociar com agilidade, transparência, liquidez e segurança.

BITCOINS VALEM MUITO

No final de 2008, início de 2009, começam as atividades do Bitcoin.

Entusiastas iniciam o processo de adoção da moeda, lentamente minerando as primeiras unidades de Bitcoin e aceitando transações da criptomoeda como pagamento de serviços e vendas de pessoa a pessoa, sem grandes jogadores no meio disso tudo.

Nesse começo de adoção o Bitcoin era pouco “útil”, afinal pagava entusiastas que prestavam serviços para outros entusiastas e early-adopters; você não podia comprar uma pizza com Bitcoins nesse começo, nem comprar uma jaqueta legal. 

Justamente pela sua aceitação, naturalmente gradativa, o Bitcoin valia poucos “dinheiros”, e até 2011 não valia nem mesmo um dólar inteiro.

Porém algo que funciona por alguns anos de forma estável e com cada vez mais interessados, acaba chamando a atenção, e assim o Bitcoin passa a ser aceito por cada vez mais estabelecimentos, possibilitando pagar uma pizza, um notebook ou jogos naquela plataforma de games, e muito mais coisas acontecerem, assim como o dinheiro emitido pelo banco central faz. Dessa forma, começou cada vez mais a fazer sentido aceitar que seu amigo te pagasse em Bitcoins, e trabalhar por eles agora significava certeza de comprar itens desejados do mundo real. Assim, mais mineradores aparecem, mais pessoas usam Bitcoins, mais ele valoriza… e no final de 2013 atinge a marca de US$ 1.000 por 1BTC.

Essa valorização toda pela adoção da moeda somada com a possibilidade de trocar dinheiro físico por BTC em sites e casas de câmbio especializadas, torna o Bitcoin quase que oficialmente alvo de investidores, que passam a ver a moeda como uma possibilidade de aumentar seu patrimônio, afinal desde seu início, em 2009, a criptomoeda aumentava de valor cada vez mais, mesmo sujeita às flutuações naturais dos meio financeiros (ou você nunca viu o dólar baixar e subir no mesmo mês);

Entre 2014 e 2016, o Bitcoin não explodiu seu valor acumulado, e oscilou bastante de preços, porém continuou sendo usado como moeda ativamente e seguiu tendo mais adeptos e servindo de modo válido de pagamento para cada vez mais serviços, produtos e pessoas.

Em 2017, o Bitcoin brilhou sob nossos olhos de novo por discussões governamentais de regulamentação da criptomoeda, com cada vez mais usuários e seguindo “livre” como opção independente de negociação e envio/recebimento de dinheiro seguro e rápido, sem taxas abusivas ou intermediários. Assim, 2017 é marcado por vários países decidindo se a criptomoeda seria oficializada ou não em seus territórios.

Tanto movimento em torno dos Bitcoins só instigou ainda mais os
investidores, especuladores e todo o mercado de Bitcoins, que registrou
um salto gigantesco em seu valor, e decolou ao longo do ano até o
histórico patamar de US$ 8.000 por 1BTC. Agora, todo mundo quer Bitcoins.

Você pode não ter dado muita atenção para o Bitcoin quando ele surgiu,
porém ele caminhou bastante e hoje faz sentido receber seu salário em
Bitcoins, por exemplo. Isso era inimaginável anos atrás, e hoje não só
é realidade como pode-se usar seu Bitcoin suado para comprar coisas,
pagar pessoas e tudo mais que uma MOEDA faz, porém de forma digital,
descentralizada e livre de entidades autoritárias.

Quem investiu nisso nos momentos corretos, faturou um bom trocado,
porém não é uma moeda só para investidores, é para todos. Pagamentos
internacionais são caros e burocráticos, e certas vezes terminam em
complicações de banco vs. banco que não se entendem direito. O Bitcoin
não tem nacionalidade, e em tempos globalizados faz sentido algo que
pensa além de fronteiras políticas.

Vocês viram que tem muito para falarmos sobre Bitcoin, não é? Ok, essa
é a hora que ampliamos nossa Websérie para vocês. Este é o episódio
1/4 dela, portanto comecem desde já a colocar suas dúvidas aí embaixo
nos comentários. Vamos separar os MELHORES comentários para nosso último episódio (o de número 4), onde conversaremos apenas do que vocês perguntaram sobre Bitcoins.

via Canaltech

Deixe uma resposta