Oriente Médio e Norte da África estão formando “irmandade de hackers”

Os hackers do Oriente Médio e do Norte da África vêm formando uma espécie de irmandade, devido a convergências culturais e ideológicas na cena underground do cibercrime. É o que diz o estudo “Digital Souks: A Glimpse to the Middle Eastern and North African Underground”, liderado pela Trend Micro, que revela como agem os “souks” (como são chamados os camelôs e feirantes nos países árabes) no mercado digital clandestino dessas regiões.

A região não está tão atualizada em termos de dimensão e alcance quando comparada com outras, mas os produtos e serviços são comuns e sofisticados

Segundo o levantamento, a religião cumpre um papel importante na união das pessoas que possuem um posicionamento semelhante, seja em fóruns de discussão, em lojas virtuais, sites, redes sociais e outras organizações. Há uma recorrente mentalidade de “espírito de compartilhamento” entre esses grupos, algo que transcende as transações ilícitas.

“É ainda um mercado em ascensão. A região não está tão atualizada em termos de dimensão e alcance quando comparada com outras, mas os produtos e serviços disponíveis são comuns e sofisticados”, afirma Ihab Moawad, o vice-presidente da empresa de segurança de dados na nuvem no Mediterrâneo, Oriente Médio e África.

Hacking e malwares como serviços

Duas ofertas características da área denominada MENA (Middle East North Africa — Oriente Médio e Norte da África) são a terceirização de cibercrimes como o hacking e a disseminação de malwares por encomenda. A própria “irmandade” garante a criação, fluxo, distribuição e captação dos valores, negociados via Bitcoin.

De acordo com a pesquisa, em outros mercados, como a América do Norte e a Rússia, fornecedores costumam concentrar suas vendas em “produtos” e não em planos de ciberataques contra grandes grupos. O hacktivismo — que é a invasão de sistemas sob influência de ideias em comum — acontece com mais frequência por demanda, com o objetivo de comprometer redes, divulgar dados confidenciais e aumentar o número de praticantes de ações ilícitas no meio digital. Uma das vítimas foi a agência espacial norte-americana, a NASA.

Irmandade hackerDeface realizado no site da agência espacial norte-americana, a NASA

O MaaS (Malware as a Service — Malware como Serviço) também é popular na região. Os desenvolvedores costumam vender um programa malicioso e uma interface de comando que permite aos bandidos montar suas ofensivas sem nem mesmo ter conhecimento técnico. O preço médio é de US$ 20 para o “produto comum” e entre US$ 30 e US$ 110 para os casos mais complexos. Para quem quiser uma “experiência personalizada” mais, digamos, “premium”, os valores giram entre US$ 150 e US$ 400.

Faturamento alto com “cashout”

O estudo revela que a MENA registra lucro significativo com os serviços de “cashout”, que consiste na conversão de produtos roubados em dinheiro, que normalmente é pago via cartões bancários, Bitcoins e pagamento em dinheiro vivo. O site underground turco Darbe Turk, por exemplo, possui uma seção destinada somente para essa prática. Itens como um PlayStation 4 são comercializados por um preço bem menor do que o oficial e a transação gera entre 2% e 10% para os intermediários.

Essa prática se destaca por ignorar os mecanismos de segurança e os requisitos legais (passaporte, comprovante de residência e identificação pessoal) na região, como os que estão disponíveis para a compra de celulares e cartões SIM descartáveis.

cashout hacker menaPreços de cashout na região da MENA

Outra fonte rentável nesse mercado paralelo é a venda de hospedagem regionalizada, que permite configurar o idioma e o horário locais e possui velocidades de conexão mais rápidas. Uma única ligação de IP e 50 GB de espaço no disco rígido, por exemplo, são vendidos a US$ 50. Há planos mais baratos, a partir de US$ 3. Esses valores estão alinhados com outros mercados clandestinos, como o da China.

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: