Lyft recebe investimento de US$ 1 bilhão de subsidiária da Alphabet

A Lyft anunciou nesta sexta-feira (20) uma nova rodada de investimentos, com US$ 1 bilhão sendo colocados na empresa de transporte pela CapitalG, um consórcio que é liderado pela Google. Parte da Alphabet, a empresa é focada no posicionamento estratégico e aporte financeiro para negócios em ascensão. O negócio elevou o valor do aplicativo para a casa dos US$ 11 bilhões.

A grande palavra de ordem aqui parece ser expansão. No comunicado oficial em que anunciou o recebimento do investimento, a Lyft afirmou que há “grandes oportunidades de servir às cidades”, citando o fato de que apenas 0,5% de toda a distância percorrida pelos americanos é feita por meio de aplicativos de transportes. Entretanto, a empresa não disse em que vai investir os US$ 1 bilhão que recebeu como parte dessa nova rodada.

Muitos dos caminhos, porém, apontam para o fato de a empresa estar se preparando para ganhar o mundo. Enquanto rivais como a Uber trabalham ativamente para chegarem a novos locais, tendo presença em mais de 80 países, a Lyft concentra suas operações nos Estados Unidos. De acordo com a companhia, 85% dos americanos já contam com os serviços da empresa, o que a torna uma das maiores em abrangência territorial, mesmo que isso aconteça em um único país.

Apesar de não existirem planos concretos de expansão internacional, a Lyft tem dado seus pulos nesse sentido. Há três anos, ela enviou um time para discutir políticas e entrar em contato com empresas do setor no Reino Unido e já teria feito o mesmo com outros países. Ela não tem nada a anunciar com relação a tais encontros, mas, para um serviço que vem ganhando corpo, pensar em ganhar o mundo não parece nada fantasioso.

Para a Alphabet, o aporte financeiro pode até ser curioso, mas não é inesperado. O investimento bilionário intensifica um relacionamento iniciado no começo do ano, quando a Waymo, outra de suas subsidiárias, anunciou uma colaboração com a Lyft para pesquisas e testes relacionados a tecnologias de carros autônomos.

Por outro lado, o conglomerado também possui uma parcela da Uber. Por meio de outra de suas empresas, a Google Ventures, a companhia investiu US$ 258 milhões no app, com mais aportes financeiros tendo sido motivo de boatos, jamais confirmados. A Alphabet também possui um de seus parceiros, David Drummond, no quadro de diretoria da Uber.

Há quem diga que o investimento na Lyft encerra essa parceria, com futuros aportes estando completamente descartados. O principal motivo seria a briga entre a Waymo e a Uber, num processo judicial que envolve até mesmo o roubo de segredos industriais e tecnologias por um de seus ex-empregados, já demitido do aplicativo.

Enquanto isso, o negócio com a rival cor de rosa segue um sistema semelhante ao realizado no passado com a Uber. Além de investir US$ 1 bilhão na companhia, a CapitalG passa a contar com um de seus parceiros, David Lawee, no quadro de diretores da Lyft, participando do processo decisório da companhia.

via Canaltech

Deixe uma resposta