Pesquisadores podem estar perto de desenvolver realidade virtual sem fio

Enquanto dispositivos de realidade virtual estão ficando cada vez mais populares entre as pessoas, seja para o divertimento, com jogos de todas as naturezas, seja para educação e outras aplicações práticas, pesquisadores no mundo todo tentam solucionar uma questão que limita em alguns aspectos o uso de dispositivos VR: a necessidade de fios para conectar os headsets a aparelhos mais potentes, como PCs.

A boa notícia é que cientistas da Columbia Engineering conseguiram aplicar uma tecnologia já existente, de circuladores de frequência de onda milimétrica, para funcionar em carros autônomos e dispositivos de realidade virtual, de modo que podem funcionar com poder de processamento alto sem a necessidade de usar fios para a transmissão dos dados.

circulador de frequenciaMicrofotografia de um circulador SOI CMOS de 45 nm

Dois trens no mesmo trilho

São como dois trens que seguem em um mesmo trilho um contra o outro

Essa tecnologia utilizada é a mesma que vem sendo testada em células de internet móvel 5G. Trata-se de “transistores de alta velocidade cuidadosamente sincronizados que roteiam ondas de forma diferente nos dois sentidos”. Um pouco complicado? Os pesquisadores facilitam para a gente: são como dois trens que seguem em um mesmo trilho um contra o outro, mas que podem mudar de linha milimetricamente para não colidirem.

O vídeo a seguir (em inglês) ilustra um pouco melhor o método de comunicação desenvolvido pela Columbia Engineering:

VIDEO

A ideia é que esses “circuladores” possam ser incorporados em processadores convencionais e permitam a comunicação sem fio bidirecional entre o chip e dispositivos. Esse sistema que funciona em duas mãos causa menos congestionamento e maior capacidade de largura de banda.

É exatamente isso que pode permitir que usemos óculos de realidade virtual ligados a computadores por meio de ondas milimétricas, evitando os inconvenientes fios que podem limitar a movimentação dos usuários.

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: