Existem origens cerebrais para a corrupção?

Existem origens cerebrais para a corrupção?

Em tempos de Lava Jato, especialista defende que defeitos neurológicos ajudam a explicar parte de escândalos como os que abalaram o Brasil

chat_bubble_outline

more_horiz

Os desvios de dinheiro foram tema de um acalorado debate no Congresso Mundial de Cérebro, Comportamento e Emoções, realizado em Porto Alegre. Em uma palestra sobre o tema, o neurocientista Antoine Bechara, da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, defendeu que uma parcela dos casos de corrupção seria causada por mau funcionamento do córtex pré-frontal, área da cabeça que controla impulsos, julgamento moral e empatia.

“Mas esses indivíduos são logo flagrados, pois tomam decisões imprudentes.” O problema estaria mesmo na sociedade. “Se vivemos num contexto onde é comum roubar e não há punição, esse comportamento vai ficar comum”, reflete Bechara. Conhece algum lugar que seja assim?

Biologia e sociedade explicam a propensão à corrupção

O ambiente

É o grande responsável por estimular ações ilegais por agentes do governo e de empresas. Estão por trás disso:

– Falta de punição
– Pobreza e desigualdade
– Ditaduras
– Falta de acesso a serviços de saúde e educação
– Conflitos armados

O cérebro

A imoralidade pode ser entendida como uma espécie de psicopatia provocada por falhas em uma área do cérebro, o córtex pré-frontal, ou até uma liberação reduzida de neurotransmissores ligados à sensação de bem-estar. Mas isso ocorreria em apenas 6 ou 7% da população, de acordo com as estimativas do professor Bechara.

Os países menos e mais corruptos

1º Dinamarca (menos corrupto)
2º Finlândia
3º Suécia
76º Brasil
166º Afeganistão
167º Coreia do Norte
168º Somália (mais corrupto)

Este conteúdo foi originalmente publicado em Saúde


Tudo sobre

chat_bubble_outline

more_horiz

via Superinteressante

Deixe uma resposta