Hackers norte-coreanos roubaram documentos militares da Coreia do Sul

Hackers norte-coreanos obtiveram acesso a uma série de documentos militares da Coreia do Sul, que incluiriam, entre outros segredos, protocolos de contingência e combate em caso de invasão e ataque, redigidos junto com o governo dos Estados Unidos, e um plano para assassinar Kim Jong-un.

Além das informações relacionadas ao esforço de guerra, a invasão também teria resultado na obtenção de esquemas, plantas e sistemas de funcionamento de usinas de energia e unidades militares do país. Ao todo, seriam 235 GB de dados roubados dos servidores do Centro de Dados Integrados de Defesa, um órgão ligado ao Ministério da Defesa do país.

De acordo com as informações, que foram divulgadas por Rhee Cheiol-hee, que é membro do parlamento sul-coreano, 80% das informações roubadas teriam sido identificadas pelo governo. O órgão militar, entretanto, não se pronunciou sobre o assunto, mas o deputado disse ter conseguido a notícia com fontes ligadas ao ministério.

A invasão, inclusive, não é recente, tendo ocorrido em setembro do ano passado. Entretanto, a brecha obtida pelos hackers só foi usada em maio, com os criminosos, teoricamente a serviço do governo da Coreia do Norte, roubando os dados e obtendo acesso a segredos militares da rival.

O caso acirra as tensões na região, com um porta-voz da Coreia do Norte afirmando que o país vizinho está inventando mais uma acusação com o intuito de realizar um ataque e manipular a opinião pública contra seu povo. O governo de Kim Jong-un negou veemente as acusações não apenas deste, mas de outros ataques hackers dos quais o rival disse ter sido um alvo nos últimos meses.

O governo dos EUA não falou sobre o assunto nem confirmou a criação de planos de contingência ao lado da Coreia do Sul. Entretanto, a notícia também não ajuda em um momento em que o presidente americano, Donald Trump, volta seus olhares para o conflito e emite bravatas tanto pelo Twitter quanto em discursos oficiais.

Em setembro, Trump afirmou, durante um discurso nas Nações Unidas, que Kim Jong-un está levando seu povo para uma “missão suicida” enquanto ameaça o mundo com armas nucleares – algo que, afirmou ele, resultará na “destruição completa” da Coreia do Norte caso os EUA precisem se defender.

Fonte: BBC

via Canaltech

Deixe uma resposta