Geração atual espera melhor pelas recompensas que as anteriores

Você deve ter clicado neste texto cheio de dúvida (ou revolta) no coração. Como é que a geração fast food e smartphone, mal-acostumada e com o mundo todo na mão, ganhou o título de menos imediatista?

Calma, a gente explica. Walter Mischel, um pesquisador dos anos 1970, lançou um simples teste para medir o autocontrole de crianças com menos de 10 anos. Funcionava assim: a criança sentava em frente a uma mesa, sobre a qual estava um marshmallow (ou bolacha ou pretzel, o que a criança gostasse mais). Os pesquisadores explicavam as regras: o doce é seu. Você pode comê-lo agora. Mas, se esperar e segurar a vontade por 15 minutos, você ganha um segundo doce como recompensa. E aí eles saiam da sala.

Na primeira edição do teste, publicada em 1968, uma minoria das crianças comia o doce no momento que os cientistas saiam, sem saber que continuava sendo observada. A maioria das 600 crianças tentou esperar e 1/3 delas aguentou tempo suficiente para ganhar o doce duplo. Não sem sofrimento: algumas davam as costas para o doce ou tapavam os olhos para diminuir a vontade, outras mexiam no cabelo e nas mãos e algumas chegavam a fazer carinho no marshmallow como se fosse um bichinho (!).

O Teste do Marshmallow foi um baita sucesso – e estudos futuros mostraram que a paciência para aguardar recompensas maiores é associada com melhores notas, índice de massa corporal (IMC), e escolhas de vida no futuro.

Geração imediatista

Quase 50 anos depois, John Protzko, da Universidade da Califórnia, resolveu ver se a capacidade das crianças de aguardar varia conforme a geração.

O pesquisador reuniu 29 experimentos científicos que usaram o Teste do Marshmallow entre 1968 e 2017, espalhados por diferentes décadas. E aí eles se pôs a analisar os resultados, criança a criança.

Um detalhe: antes de divulgar os resultados, ele foi atrás de 260 especialistas para saber o que eles achavam que ele iria encontrar. 50% achou que as crianças atuais seriam piores que as anteriores. Outros 20% acharam que não ia mudar nada. Só 16% apostou em favor das crianças nascidas pós-2010.

O que ele descobriu é que, ao contrário das expectativas, a resistência das crianças à tentação imediata só aumentou. A cada década (ou cerca de meia geração) as crianças ficaram um minuto mais pacientes pelo duplo marshmallow. Protzko ainda fez outros testes estatísticos para ter certeza que crianças prodígio não distorceram a média e “esconderam” crianças imediatistas. Mas não: mesmo as crianças menos pacientes ainda são melhores em esperar do que seus pais e irmãos mais velhos foram na infância.

E por que nossa percepção sobre o autocontrole dos mais novos é tão negativa? Problema intrínseco da memória humana, diz o pesquisador. Não somos capazes de realmente recriar o que foi a nossa infância, muito menos compará-la objetivamente ao mundo tão diferente do presente. Ou seja, na prática, no momento em que deixamos de ser crianças já viramos paladinos do chavão “no meu tempo era melhor”.

via Superinteressante

Deixe uma resposta