Homem que diz ser o criador da bitcoin ‘ressurge’ com nova moeda

Satoshi Nakamoto é, ao mesmo tempo, um dos maiores mistérios e casos de sucesso da internet recente. Ele é o criador do sistema financeiro da bitcoin, a criptomoeda mais quente da atualidade. Entretanto, ninguém sabe exatamente quem ele é — ou quantas pessoas adotaram esse pseudônimo nos primórdios do desenvolvimento do projeto.

Porém, quase dez anos após a apresentação do conceito, uma pessoa que alega ser o verdadeiro Satoshi Nakamoto entrou em contato com alguns sites internacionais especializados. O motivo? Propagar uma nova criptomoeda, chamada simplesmente de “Coin“.

Segundo o The Verge, que recebeu o contato, o suposto Satoshi apresentou uma série de documentos e informações para garantir que ele é mesmo o fundador da bitcoin. Ele teria concordado em deixar a reclusão virtual após “uma série de vazamentos”. Ele alega ter falado com a Comissão de Títulos e Câmbio dos EUA (SEC, na sigla original) e concordado em se manter anônimo, mas ativo publicamente. “O governo sabe quem eu sou, e é assim que deve ser”, completa.

Muita calma nessa hora

Só que é aí que a história fica nebulosa. Ele se recusou a confirmar por meio de alguma assinatura digital que ele é mesmo o verdadeiro homem por trás da bitcoin, além de alegar que apagou qualquer traço privado que leve à identificação.

Isso incluiria também transferir bitcoins de sua conta para comprovar a identidade — e essa poderia ser uma ótima prova. Afinal, o verdadeiro Nakamoto é praticamente um bilionário hoje em dia, já que acumula uma quantidade considerável da moeda.

Por enquanto, o suposto Satoshi Nakamoto deve ser tratado como fake ou até um criminoso

O documentário “Banco ou Bitcoin?”, que estreou recentemente na Netflix, dedica um segmento para falar da possível identidade de Nakamoto. A produção limita os suspeitos para dois nomes de pessoas envolvidas nas primeiras transações e não descarta que eles eram uma dupla agindo sob um nome oriental falso. Suspeitos apareceram em 2014e depois em 2016. Porém, nenhuma das investigações foram conclusivas.

via Novidades do TecMundo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: