Quais são os requisitos de hardware para jogar na realidade virtual?

Após protótipos, testes e melhorias, os óculos realidade virtual finalmente chegaram ao consumidor. Neste mesmo tempo, muitas desenvolvedoras dedicaram esforços na concepção de games que possam efetivamente aproveitar todas as vantagens desses produtos.

Os jogadores estavam ansiosos por este momento, mas a verdade é que nem todo mundo pode investir centenas de dólares num HTC Vive ou num Oculus Rift. Fora isso, existe outra complicação: o suporte que as máquinas podem dar para uma experiência de qualidade.

A verdade é que a realidade virtual exige muito desempenho do computador, então não é qualquer configuração que vai dar conta do recado. Pensando nos componentes de hardware, o grande desafio neste novo mundo é a capacidade de processamento em tempo mínimo, uma vez que a forma de interação se dá diretamente “na cara do jogador”.

A mudança na forma de entrada de comandos — de teclado e mouse para um óculos com sensores de movimento — causa uma alteração substancial na forma como as peças do PC operam em conjunto. Diferente de games comuns, que usam mais a placa de vídeo, na realidade virtual, a carga de trabalho é divida de forma equilibrada com o processador.

E essa alteração na forma como as coisas funcionam gera um impacto em toda a máquina, de forma que toda a configuração deve ser equilibrada para garantir uma performance mais consistente nos jogos. Na prática, isso significa que você também deve pensar em memória RAM, no armazenamento e até nos softwares que rodam na máquina.

Pensando nisso tudo, nós resolvemos trazer dicas para você ficar ligado antes de investir num óculos de realidade virtual. Primeiro, é importante salientar que cada aparelho tem requisitos diferentes, então não é todo PC que dá suporte para os dois. Dessa forma, vamos falar sobre os principais componentes e como você pode experimentar a realidade virtual.

Processador

  • Mínimo Rift: Intel Core i3-6100 ou AMD FX-4350
  • Recomendado Rift: Intel Core i5-4590 ou AMD equivalente
  • Recomendado HTC Vive: Intel Core i5-4590 ou AMD FX-8350

Em questão de processador, você não deve precisar de muito poder para experimentar a realidade virtual com um mínimo de qualidade. É claro que isso não quer dizer que um Intel Celeron ou uma APU AMD deve dar o suporte necessário, mas definitivamente você não precisa de um Intel Core i7 ou de um Ryzen 7 para conseguir curtir os games de RV.

Bom, ainda que as fabricantes não divulguem exatamente as mesmas informações, é possível ter noção de que um componente como o Intel Core i3-6100 já deve dar conta do recado em alguns games com ajustes pontuais — ao menos se você apostar no Oculus Rift. Conforme os detalhes divulgados, o AMD FX-4350 deve entregar performance similar ao deste Core i3.

A HTC não é muito clara quanto ao mínimo recomendado em termos de processador. É possível que as recomendações da Oculus sejam suficientes para uma boa experiência com o Vive — já que eles têm funções similares —, mas, na dúvida, aconselhamos optar por um modelo um pouco mais poderoso para evitar engasgos.

Agora, se você busca uma experiência mais confortável e não quer se preocupar com engasgos do processador, então já é válido apostar no Intel Core i5-4590, modelo recomendado pelas duas fabricantes. A fabricante do Vive revela que um AMD FX-8350 pode entregar resultados parecidos para uma jogatina de boa qualidade.

Nós instalamos o HTC Vive aqui no TecMundo e montamos uma máquina com o processador AMD FX-8350. Nossas experiências até agora foram positivas, então podemos dizer que este componente é perfeitamente capaz de entregar bom desempenho com jogos de realidade virtual. Vale notar que já experimentamos dezenas de jogos e não tivemos nenhum problema.

É claro que um processador mais poderoso não vai deixar nada a desejar com qualquer um dos aparelhos de realidade virtual, mas o poder extra não necessariamente vai dar grandes benefícios durante a jogatina. Assim, nossa recomendação é apostar num dispositivo de capacidade intermediária, que já deve ser mais do que suficiente para uma boa jogatina.

Placa de vídeo

  • Mínimo Rift: GeForce GTX 1050 Ti ou AMD Radeon RX 470
  • Recomendado Rift: GeForce GTX 1060 ou AMD Radeon RX 480
  • Recomendado HTC Vive: GeForce GTX 1060 ou AMD Radeon RX 480

Nós comentamos que a placa de vídeo não é o único componente responsável por uma boa experiência na realidade virtual, mas é claro que o processador de vídeo desempenha papel crucial na execução dos gráficos — afinal, ainda estamos falando de jogos.

Pois bem, considerando que os títulos de RV trabalham com a renderização de duas imagens em paralelo, uma placa de vídeo de entrada não deve dar conta do recado. Assim, a recomendação mínima da Oculus para desfrutar de uma jogabilidade sem travamentos é apostar em uma GeForce GTX 1050 Ti ou na AMD Radeon RX 470.

No caso da placa de vídeo, nem adianta insistir em componentes muito fracos, pois isso pode gerar prejuízos tanto nos visuais quanto na sua experiência. Uma placa muito simples não vai conseguir dar conta de processar todos os frames e isso vai resultar em uma jogatina travada — o que pode até dar tonturas, já que o display está na frente dos seus olhos.

Curiosamente, na parte de placa de vídeo, novamente temos recomendações bem modestas por parte das duas fabricantes de óculos. Tanto a HTC quanto a Oculus sugerem optar por uma GeForce GTX 1060 ou por uma AMD Radeon RX 480 para uma experiência aprimorada. Na prática, isso significa que chips de performance intermediária seguram tranquilo as pontas!

Em nosso computador dedicado para realidade virtual, nós testamos os jogos com duas placas: GeForce GTX 1060 Mini e GeForce GTX 980. As duas placas entregaram os mesmos resultados, ou seja, uma performance constante e agradável em todos os games analisados.

Infelizmente, não temos uma AMD Radeon em estoque para analisar o desempenho, mas certamente as recomendações das fabricantes são totalmente aceitáveis, dado as performances similares com os produtos que analisamos.

Vale ressaltar mais uma vez que placas de vídeo mais poderosas (como a GeForce GTX 1070 ou GTX 1080) vão rodar os jogos de forma ainda mais tranquila, porém o desempenho extra talvez não signifique em melhorias tão perceptíveis. Confira todas as placas que a HTC recomenda para a execução com o Vive:

  • NVIDIA: Titan X, GTX Titan X, Titan XP, GeForce GTX 970, GeForce GTX 980, GeForce GTX 980 Ti, GeForce GTX 1060, GeForce GTX 1070, GeForce GTX 1080, Quadro K6000, Quadro M6000, Quadro M5000
  • AMD: Radeon R9 290, Radeon R9 290X, Radeon R9 295X2, Radeon R9 390, Radeon R9 390X, Radeon R9 Nano, Radeon R9 Fury, Radeon R9 Fury X, Radeon RX 480, FirePro W9100, Radeon Pro Duo

É importante pensar que, além da performance, você deve ficar atento à questão das saídas de vídeo. As placas recomendadas já atendem aos padrões das fabricantes, mas só por garantia, você deve conferir se sua placa de vídeo tem um conector HDMI 1.3 para o Rift ou HDMI 1.4 ou DisplayPort 1.2 para o Vive.

Memória RAM

  • Recomendado Rift: 8 GB ou mais
  • Recomendado HTC Vive: 4 GB ou mais

O desempenho com os jogos de realidade virtual depende do conjunto completo da máquina, então é natural que a memória RAM desempenhe papel importante durante a execução dos títulos. Pois é, ainda que esses softwares usem mais memória de vídeo, boa parte do processamento é realizado pela CPU, que usa obrigatoriamente a memória RAM para armazenar dados temporários.

Curiosamente, ao contrário do que poderíamos imaginar, a HTC informa que apenas 4 GB de memória RAM é suficiente para rodar seu programa e os games. A fabricante do Rift aposta de forma mais segura, sugerindo a utilização de no mínimo 8 GB de memória RAM. Vale notar que as duas empresas frisam que uma maior quantidade de memória não é má ideia.

A verdade é que, atualmente, poucos computadores para jogos desempenham de forma satisfatória com menos do que 8 GB de memória RAM. Assim, ainda que a HTC afirme que seja possível rodar com essa quantidade, há chances de o PC sofrer durante o carregamento dos jogos, já que, ao esgotar a memória, ele alocará dados temporários no HD — o que pode resultar em lentidão nos loadings.

Nossa máquina para testes de realidade virtual conta com 16 GB de memória RAM, ultrapassando as recomendações das fabricantes. Optamos por manter uma quantidade exagerada de memória para evitar problemas ao manter outros apps abertos (já que temos de rodar o Steam e a central do Vive) em segundo plano.

Se você não quer gastar muito, o ideal é instalar 8 GB de memória RAM, valor que deve ser suficiente para uma boa experiência em todos os casos. Não recomendamos usar menos do que isso, para evitar esses problemas de lentidão que comentamos.

E quanto ao padrão de memória? Bom, nenhuma fabricante dá sugestão nesse quesito, mas como em qualquer jogo, tanto memórias DDR3 quanto DDR4 devem desempenhar de forma muito similar, então isso não deve afetar em quase nada na jogatina. Geralmente, o padrão vai depender muito da sua CPU e da placa-mãe, sendo que você não precisa ter receio quanto a tal parâmetro.

Outras informações relevantes

Os tópicos abordados até aqui já devem dar uma boa noção do que você precisa efetivamente para mergulhar na Realidade Virtual, mas ainda precisamos enfatizar alguns pontos. Primeiro, antes de você comprar seus óculos, é válido verificar se a sua placa-mãe tem a quantidade de portas USB necessária para que o aparelho de RV possa funcionar apropriadamente.

O Oculus Rift necessita de no mínimo três portas USB (sendo uma do padrão USB 3.0 e outras duas do padrão USB 2.0), ainda que a fabricante recomende quatro portas (três portas USB 3.0 e uma USB 2.0). O HTC Vive é mais modesto nesse sentido, já que precisa de apenas uma porta USB 2.0.

Nenhuma fabricante tem recomendações quanto à unidade de armazenamento, sendo que  um disco rígido simples (de 5.400 rotações por minuto) deve ser adequado para rodar qualquer game. No entanto, assim como acontece com outros jogos, se você quer rapidez no carregamento, um SSD ou HD híbrido pode ser uma boa ideia.

Por fim, é preciso considerar a parte de software. Para conseguir rodar os softwares da HTC e da Oculus, você precisa usar o Windows 7.1 SP1, Windows 8.1 ou Windows 10 (preferencialmente com as atualizações mais recentes). No mais, basta instalar os últimos drivers para sua placa de vídeo e demais componentes. Boa jogatina!

via Novidades do TecMundo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: