‘O trabalho não pode ser um fardo’, diz Richard Branson

O que você estava fazendo durante a sua adolescência? 

Há cinco décadas, Richard Branson tinha 15 anos e criava seu primeiro negócio: uma revista para vender em colégios, chamada Student. A empreitada começou bem, mas em pouco tempo veio uma ameaça da direção da escola em que ele estudava. Ou Branson parava com a revista ou seria expulso. A decisão que o britânico tomou ali foi o primeiro marco de uma carreira de sucesso que o tornou um dos maiores empresários do mundo. Ele largou os estudos aos 16 anos. “Acho que, ainda hoje, tomaria a mesma decisão de seguir com a revista”, disse Branson. Ele participou nesta terça-feira (30) do VTEX Day, em São Paulo, evento que reúne palestrantes de todo o mundo para falar sobre negócios. 

Branson é fundador do Grupo Virgin, da gravadora Virgin e da companhia área Virgin Airlines. Ao todo, ele diz já ter começado 400 negócios diferentes, que vão da área de vestuário a biocombustíveis. Hoje, o empreendedor tem uma nova ambição: criar uma companhia de viagens aeroespaciais. 

“Você tem de fazer tudo o possível para não falhar. Mas o segredo é não ficar muito assustado com a ideia do fracasso”

Durante o evento da VTEX, a apresentação de Branson era a mais esperada. Para uma plateia lotada, o fundador da Virgin Records dividiu sua história, parte de seus pensamentos e falou sobre como vê o futuro das empresas. Veja a seguir alguns dos temas que o empreendedor abordou: 

Fracasso 

“Eu tenho quatro netos pequenos. Eu gosto de observá-los aprendendo a andar. Eles caem, levantam, voltam a tentar e, no final, aprendem. É o mesmo com o empreendendorismo. Você precisa tentar. Algumas coisas darão certo, outras não. Se você não tiver fracassos, não terá sucessos. Veja bem, não é que você tenha que viver sua vida querendo fracassar. Na verdade, você tem de fazer tudo o possível para não falhar. Mas o segredo é não ficar muito assustado com a ideia do fracasso.”

“Você só vive uma vez. Se você tem coragem para fazer algo, você deve ir em frente”

Instinto empreendedor

“Tenho 100% das minhas empresas. Eu não tinha dinheiro quando comecei, nem os meus pais. Conseguimos nos bancar sem precisar vender partes. A Virgin tem cem mil funcionários pelo mundo. Eu posso tomar riscos que muitas empresas que receberam investimentos não podem. É o caso, por exemplo, do nosso projeto de ir ao espaço. A minha ideia é de que você só vive uma vez. Se você tem coragem para fazer algo, você deve fazer.” 

Gestão 

“Se você quer ter mais de um negójcio, você tem que aprender a delegar. Se você tiver uma empresa só, você tem de encontrar pessoas melhores do que você para tocar a operação. Então, você está livre para pensar no cenário maior, na estratégia do negócio. Muitos empreendedores querem fazer tudo sozinhos. Mas se você delegar, você tem a chance de construir mais empresas.”

Steve Jobs teve a ideia do iTunes por causa de uma  pegadinha de 1º de abril que Branson pregou

A Virgin e Steve Jobs 

“A Virgin Records vendeu suas operações exatos nove anos antes de o iTunes ser lançado por Steve Jobs. Essa é uma história engraçada porque dez anos antes de eu vender a Virgin, eu fiz uma pegadinha de 1º  de abril. Eu dei uma entrevista a uma grande revista de música e disse que lançaria um novo produto no mercado, chamado Music Box. Era basicamente a mesma coisa que o iTunes. Seria o fim da Virgin, mas era apenas uma brincadeira. O fato é que essa história chegou até Steve Jobs e foi a partir dali que ele começou a trabalhar no iTunes.” 

A venda de uma empresa 

“Ninguém cria um negócio pensando em vende-lo. Eu não vendi muitas empresas. Eu sinto que, quando vendo um negócio, estou vendendo as pessoas. Não é algo de que gosto. Nós tivemos um bom timing para vender a gravadora Virgin [antes de o mercado de CDs quebrar]. Infelizmente, não para vender as lojas de CDs. Depois tivemos de encerrar a operação das unidades.” 

“Normalmente, começamos um negócio a partir de alguma frustração”

A ideia de um negócio 

“Normalmente, começamos um negócio a partir de alguma frustração. Há alguns anos, quando eu tinha 27 anos, estava fazendo uma viagem pela Costa Rica. Queria chegar às Ilhas Virgens, onde minha namorada estava, mas o meu voo foi cancelado porque não havia pessoas o suficiente para preencher o avião. O que eu percebi é que as companhias  aéreas não tratam as pessoas bem. Quando voltei para casa, liguei para uma empresa que fabricava aviões, me identifiquei como o dono da gravadora Virgin e disse que queria comprar algumas aeronaves. Eles me disseram: ‘com um nome como o seu, eu só espero que a sua empresa dê certo.'”

Gestão de equipes

“Na Virgin Airlines, as pessoas têm orgulho de trabalhar onde trabalham. Elas cantam, dançam, estão felizes. As pessoas que trabalham em outras companhias aéreas não estão felizes. E a maneira como os seus funcionários se sentem afeta como eles tratam os clientes.”

Geração millennial

“É empolgante pensar sobre essa nova geração. Eles ligam para o mundo em que vivem. São apaixonados por tentar mudar o mundo, ajudar o meio ambiente. Eles estão criando coisas que ninguém havia pensado.” 

“Com a inteligência artificial, as pessoas terão de trabalhar menos. Mas devem continuar ganhando o mesmo salário”

Inteligência artificial 

“Temos de nos acostumar ao fato de que as pessoas terão de trabalhar menos. Eu acredito que, mesmo assim, elas devem continuar ganhando o mesmo salário apesar dos dias a menos. A riqueza das empresas continuará ali, a inteligência artificial só reduzirá o tempo das pessoas nas empresas.

Na Virgin, nós incentivamos as pessoas a trabalharem de casa, a tirarem tempo para si mesmas e suas famílias. Não é possível com todos, apenas com alguns. Nós vivemos apenas uma vez e o trabalho deve nos inspirar e não ser um fardo.”

via Novidades do TecMundo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: