WhatsApp fica na mira da União Europeia por compartilhamento de dados

O Facebook, mais uma vez, será alvo de uma investigação da União Europeia, desta vez por conta do WhatsApp. Estão na mira dos reguladores as mudanças nos termos de uso do mensageiro, para que os dados e informações de seus usuários possam ser compartilhados com a rede social para fins de sugestões de contatos e publicidade ainda mais direcionada.

As mudanças vêm sendo criticadas desde agosto de 2016, inicialmente, apenas por comissários e representantes do Reino Unido. Depois, as discussões começaram a acontecer em discussões internas e contatos com as empresas, que de acordo com o governo, não atenderam às solicitações de informação e, principalmente, aos critérios de clareza nas mensagens exibidas aos usuários.

Em um documento enviado pelo governo do Reino Unido ao WhatsApp e compartilhado com a imprensa, estão alguns dos pontos considerados problemáticos pelos reguladores. O texto afirma que a notificação sobre as mudanças nos termos de uso não informava aos usuários que suas informações seriam compartilhadas, especificamente, com o Facebook, além de citar essa mudança como “novas funcionalidades”.

Além disso, o aceite dessas alterações não seria direto o bastante, com a caixa de concordância estando já marcada assim que os usuários abrem o texto. Por fim, o WhatsApp é acusado de não oferecer opções claras e de boa usabilidade para permitir que os utilizadores optassem por não compartilharem seus dados com o Facebook.

Após não terem corrigido tais questões dentro de um prazo estimado pelo governo, ambas foram convidadas pela União Europeia a participar das investigações e discussões. O Facebook e o WhatsApp, entretanto, não se pronunciaram sobre o assunto e não se sabe se aceitaram o convite.

via Canaltech

Tem girafa e porco-espinho: WhatsApp libera emojis repaginados no Android

Os emojis já se tornaram parte de nosso vocabulário visual quando conversamos em comunicadores instantâneos. O padrão que conhecemos tem uma história que remete lá ao começo dos anos 80 e os aparelhos da Apple ajudaram a popularizar um formato que ganhou diferentes versões, de acordo com a plataforma. O WhatsApp ainda usava figuras semelhantes às da Maçã e agora começa a liberar seu próprio design nos dispositivos Android, que na verdade conta com mudanças bem discretas.

À primeira vista, você pode nem notar as alterações, mas elas estão lá e ficam mais evidentes quando colocadas em comparação.

Emoji WhatsApp

Como dá para notar, o Whats decidiu extrapolar um pouco os que representam emoções e realizou ajustes em posicionamento, formato e, em alguns casos, cores.

Emoji WhatsApp

Entre as novidades estão alguns animais, a exemplo da girafa, do porco-espinho e de um dinossauro Tiranossauro Rex.

Emoji WhatsApp

Os alimentos ganham o copo com canudo, a torta, a caixa para viagem e a comida enlatada.

Emoji WhatsApp

A distribuição para os aparelhos do sistema operacional da Google vem acontecendo aos poucos, a partir da versão 2.17.386 do WhatsApp, enquanto a versão web do mensageiro continua com o mesmo esquema da Apple.

Ainda não há previsão para do novo conjunto para o app dos smartphones e tablets iOS.

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Descubra como bloquear o WhatsApp em caso de furto ou roubo

Vamos combinar: poucas situações são tão desesperadoras quanto ter seu celular roubado  ou mesmo ter perdido o aparelho. Afinal, armazenamos tantas informações importantes em nossos smartphones  como conversas, fotos, dados privados e outros arquivos  que é simplesmente assustador pensar no smartphone nas mãos de outras pessoas. 

Uma das primeiras preocupações do usuário ao ter seu aparelho perdido é com certeza com os aplicativos de mensagens. Afinal, ninguém quer saber de uma pessoa estranha lendo suas conversas do WhatsApp e enviando mensagens em seu nome, certo?  

 

Antes de mais nada, é preciso que a primeira ação após a perda ou o roubo seja entrar em contato com a operadora, para solicitar o bloqueio do chip. Isso impede a verificação da conta do WhatsApp no celular, uma vez que o aparelho não receberá mensagens SMS nem ligações.  

Porém, para ajudar a te tranquilizar, o WhatsApp possui um recurso que bloqueia o app remotamente no celular, para manter suas conversas protegidas até que você bloqueie o chip e passe a utilizar outro aparelho. 

Confira: 

  1. Abra sua caixa de email e comece a escrever uma nova mensagem.
  2. No destinatário, coloque o seguinte endereço: support@whatsapp.com
  3. No campo do assunto, escreva “Perdido/Roubado: Por favor, desative minha conta”. Não se esqueça de tirar as aspas.
  4. Em seguida, no corpo do email, digite novamente o texto do assunto  também sem aspas.
  5. Ainda no corpo do email, digite seu número de telefone no formato internacional, ou seja, com +55 (o código do Brasil), o DDD da sua área e o número de seu celular. Por exemplo, um número de São Paulo ficaria +5511 e o restante do número.

É importante fazer isso para que o app não possa ser utilizado nem via WiFi, de modo que suas conversas ficarão protegidas até que você consiga outro chip ou celular.

Cupons de desconto TecMundo:

via Novidades do TecMundo

Para melhorar estabilidade, WhatsApp deve usar infraestrutura do Facebook

Segundo um rumor veiculado por meio do Twitter, o WhatsApp deve passar a usar a infraestrutura do Facebook em um futuro próximo. O autor do boato é o perfil WABetaInfo, que sempre publica furos com informações certeiras sobre o aplicativo de bate-papo.

Especula-se também que com um número imenso de usuários – mais de 1 bilhão –, os servidores do aplicativo de conversa teria chegado a seu limite

Em um diálogo que se seguiu após a postagem, um seguidor desse perfil afirmou que essa mudança poderia ocorrer por causa do processo que o Facebook tomou de um grupo de consumidores alemães, por meio da União Europeia, por ter coletado e transferido dados de usuários.

O dono do perfil replicou que não, que o motivo principal seria a melhoria da conexão do serviço do WhatsApp, visto que os servidores do Facebook seriam mais estáveis. Especula-se também que com um número imenso de usuários – mais de 1 bilhão –, os servidores do aplicativo de conversa teria chegado a seu limite, precisando de mais deles para funcionar corretamente.

Apesar do Facebook ter comprado o WhatsApp em 2014, as duas plataformas sempre funcionaram de maneira independente uma da outra. Agora, com a infraestrutura poderosíssima do Facebook e essa necessidade – ainda obscura – do WhatsApp, pode ser que ambas venham a usufruir dos mesmos servidores muito em breve.

via Novidades do TecMundo

Rival do WhatsApp, Telegram adiciona recurso de mensagem de vídeo

Da Redação

19 de maio de 2017 – 18h54

Aplicativo de mensagens também lançou ferramenta Telescope, que permite publicar vídeos públicos com até 1 minuto de duração.


A mais nova versão do aplicativo de mensagens Telegram traz como principal novidade um recurso de mensagens de vídeo.

A ferramenta funciona de forma parecida com o envio de mensagens de áudio – basta tocar no ícone de áudio já existente e então mudar para o modo de vídeo. 

Além disso, o Telegram também adicionou o recurso de transmissão de vídeos em seus canais públicos por meio de uma ferramenta nova chamada Telescope. 

Os vídeos publicados com a Telescope podem até 1 minuto de duração e ficarão disponíveis para acesso público por meio de uma URL, inclusive por quem não possui uma conta no Telegram.

O update 4.0 do Telegram foi liberado nesta sexta-feira, 19/5, para os aparelhos iOS e Android.

 

via IDG Now!

Conheça a trajetória de Jan Koum, criador do WhatsApp

Jan Koum, fundador do WhatsApp

Aos 41 anos e com uma fortuna estimada em US$ 9.5 bilhões, Jan Koum nem imaginava que a criação de um app de troca de mensagens mudaria tanto a sua vida e a forma como o mundo se comunica. A jornada do ucraniano percorreu um longo caminho até sua plataforma, o WhatsApp, atingir 1,2 bilhões de pessoas.

“As coisas eram tão difíceis que o banheiro da minha escola não ficava dentro do prédio. Imagine no inverno ucraniano, a menos 20 graus, crianças tendo de passar por um estacionamento para usar o banheiro”, disse Koum em entrevista à Medium. "A Ucrânia em 1976 era um país muito fechado. Eu não tinha nem água corrente em casa. Você pode ter lido 1984, mas só quem vivia lá sabe do que estou falando", complementou.

Aos 16 anos, Koum e sua mãe se mudarem para os Estados Unidos, deixando para trás o comunismo frente a um pequeno apartamento em Mountain View, na Califórnia. Na América do Norte ele passou a estudar sobre computadores comprando manuais de uma loja local e retornando os textos após serem lidos.

Apesar de parecer um prodígio ele confessou ser problemático na escola e quase não se formou no colégio. Mas conseguiu o diploma e acabou se matriculou na universidade de San Jose. Em 1997, começou a trabalhar na Ernst and Young como testador de segurança e pouco depois conheceu seu sócio Brian Acton. O amigo levou Kum para o Yahoo e por lá ele ficou por nove anos, chegando a gerência de engenharia de infraestrutura. 

A grande ideia

Em 2007, ele e Acton saíram da empresa e passaram agum tempo viajando pela América do Sul. Após a viagem, a dupla tentou entrar para o Facebook, mas, ironicamente foram rejeitados. O empreendedor, então, teve a ideia de criar um programa que revelasse o status das pessoas em seus celulares. Koum criou WhatsApp no seu aniversário, no dia 24 de fevereiro de 2009, mas pouco tempo depois ele e Acton decidiram transformá-lo em um app de mensagens.

O primeiro escritório do WhatsApp foi dentro de um armazém em que eles dividiam com o Evernote. Inspirados pela filosofia do Yahoo, não queriam incluir anúncios na plataforma e eram obcecados pela privacidade dos usuários. “Nós queríamos saber o mínimo possível sobre nossos usuários. Nós não éramos direcionados pela propaganda, então não precisávamos de dados pessoais”, disse em entrevista à Wired.

Rapidamente o app começou a crescer organicamente sem qualquer campanha de marketing ou divulgação, especialmente em países menos desenvolvidos que dependiam muito de SMS. Em 2012, Mark Zuckerberg chamou Koum para um café e, a partir daí, passaram a se encontrar em eventos.

Negócio fechado

Dois anos depois, em 2014, na noite anterior da venda do WhatsApp ao Facebook, Koum sofreu um acidente de carro. Ele ficou até tarde na empresa repassando alguns pontos e, na volta, um de seus pneus estourou. Mas, para a alegria de Zuckerberg, nada aconteceu. No dia seguinte, o empresário assinou as papeladas em frente ao primeiro escritório do app como um gesto simbólico e oficialmente colocou US$ 6.8 bilhões no bolso.

Koum se uniu ao board do Facebook e concordou com o salário inicial de US$ 1 junto das ações que valiam milhões. Ele continuaria a tocar o WhatsApp em um escritório longe do Facebook. Junto do co-fundador Brian Acton, Koum comemorou a venda do app e seu aniversário de 38 anos no Mobile World Congress, em Barcelona, na Espanha com muito champagne e festa.

Meses após a venda, o empreendedor iniciou seus projetos filantrópicos e doou US$ 556 milhões à Fundação Silicon Valley Community e outro US$ 1 milhão para o sistema operacional open-source FreeBSD. Segundo ele, foi o sistema que o tirou da pobreza já que ele só conseguiu o emprego no Yahoo porque usava a plataforma.

Dia a dia

Apesar de uma poupança bastante recheada de dólares, Koum não exagera nos gastos e é bastante reservado. Ele garante que a venda do WhatsApp só mudou 10% de sua vida. Ele ainda mora na mesma casa e tem os mesmos amigos. Um dos únicos excessos cometidos com a fortuna são os Porsches. “Para mim, o Porsche sempre representou o auge do sucesso. O desejo de ter um carro como este serviu como um grande incentivador para que eu trabalhasse cada vez mais”, comentou em entrevista de 2016.

O WhatsApp passou de 450 milhões de usuários antes do Facebook para 1,2 bilhão de pessoas ativas mensalmente. Ainda que os números sejam exorbitantes, o objetivo de Koum continua sendo crescer a base de usuários do app e aprimorar a plataforma. “Eu não paro de pensar um segundo em como posso tornar este produto cada vez melhor”, finalizou.

Se quiser saber mais sobre WhatsApp, relembre a negociação com o Facebook e os motivos pelos quais Zuckerberg quis comprar o app de mensagens.

Com informações da Business Insider.

via Canaltech

WhatsApp libera recurso de fixar conversas no Android e prepara mais novidades

Há algumas semanas, o WhatsApp vinha testando um recurso de fixar conversas no topo. É algo simples, mas que ajuda na organização se você tiver muita gente falando com você pelo aplicativo. Hoje, isto foi liberado para todos no Android.

Ativar o recurso é bem simples: toque e segure em um bate-papo até aparecerem as opções na parte superior da tela. Depois, toque no botão de alfinete 📌, e a conversa será deslocada para o topo.

No WhatsApp Web, passe o mouse na conversa, clique na seta para baixo e selecione “Fixar a conversa”. Em ambos os casos, o contato não saberá que você o deixou fixado.

É possível fixar até três grupos ou chats individuais. As conversas são organizadas pela ordem que você as selecionou: se uma delas foi fixada por último, ela fica no topo da lista. Para desfixá-las, basta repetir o processo (segurar e depois tocar no botão de alfinete).

O WhatsApp está preparando outras novidades. No futuro, você poderá desfazer o envio de uma mensagem em até 512 segundos, caso ela ainda não tenha sido lida…

… compartilhar sua localização em tempo real por 60 minutos, assim como no Facebook Messenger

… enviar stickers…

… além de aplicar filtros em imagens, vídeos e GIFs. Tudo isso deve demorar algum tempo para chegar à versão final: por exemplo, o WhatsApp vem testando o “recall” de mensagens desde o final do ano passado.

WhatsApp libera recurso de fixar conversas no Android e prepara mais novidades

via Tecnoblog

WhatsApp: usuários Android agora podem fixar conversas no topo da lista

WhatsApp fixar conversa

O aplicativo de mensagens mais popular do momento liberou uma novidade bacana para os usuários de dispositivos Android: a partir de agora, será possível fixar até três conversas no topo da lista de mensagens.

O recurso pode ser usado tanto para conversas com pessoas, quanto com grupos. O bacana é que, quem conversa com muitas pessoas todos os dias, poderá deixar lá no topo as conversas mais importantes, para não precisar ficar rolando a tela até encontrar aquela sessão desejada.

Para fixar a conversa, basta tocar com o dedo em cima dela na lista de mensagens para que apareça o ícone representado por um pino. Feito isso, aquela conversa estará em destaque até que você decida que não deseja mais ter aquele chat no topo de sua lista.

Por enquanto, ainda não há previsão de quando a novidade chegará aos usuários de outros sistemas operacionais móveis — o que deve acontecer em breve. Já quem usa Android, já pode atualizar seu aplicativo. A versão mais recente do WhatsApp está disponível na Play Store.

via Canaltech