Hacker desvia US$ 8,4 milhões em mais outro assalto a criptomoeda

Lembra quando o bitcoin ainda estava despontando, e assaltos milionários à criptomoeda eram bastante comuns? O ethereum, que domina 20% do mercado, está passando por uma fase semelhante. Desta vez, um hacker roubou US$ 8,4 milhões em tokens — equivalentes a ações — de uma empresa chamada Veritaseum.

A Veritaseum está criando um sistema peer-to-peer para o mercado de capitais. Para arrecadar fundos, ela realizou um ICO, sigla em inglês para “oferta inicial de moedas”.

Basicamente, em vez de vender ações na bolsa de valores, ela vendeu tokens em um mercado digital. Os usuários podem mantê-los até que a empresa decida comprá-los de volta, ou podem vendê-los para outros usuários. Em troca, eles recebem ether, a criptomoeda por trás da rede ethereum.

Reggie Middleton, fundador da Veritaseum, diz que um hacker conseguiu roubar tokens VERI durante o ICO e trocá-los rapidamente por ether, já que havia muita demanda dos compradores.

As criptomoedas foram, então, depositadas em duas carteiras. No entanto, elas já estão zeradas: o hacker transferiu tudo para realizar a lavagem de dinheiro.

Nenhum usuário sofreu perdas financeiras, e a Veritaseum não parece tão preocupada com o assalto: Middleton diz que “o valor roubado foi minúsculo (menos de 0,07%), embora o valor em dólar seja bastante material”. O hacker desviou 37 mil tokens VERI; foram emitidos 100 milhões no total.

Este é o quarto assalto a ethereum no último mês. Na semana passada, um hacker invadiu o site da startup CoinDash, que estava realizando um ICO, e obteve o equivalente a US$ 7,4 milhões.

Também na semana passada, hackers aproveitaram uma falha de segurança no software da Parity para carteiras ethereum, e desviaram o equivalente a US$ 32 milhões. E a Bithumb, maior casa de câmbio para ethereum, foi invadida e sofreu perdas de US$ 1 milhão.

A cotação do ether despencou de US$ 300 para US$ 200 nas últimas semanas. Enquanto isso, o bitcoin vem lidando com seus próprios problemas.

Com informações: Bleeping Computer, SecurityWeek.

Hacker desvia US$ 8,4 milhões em mais outro assalto a criptomoeda

via Tecnoblog

USB 3.2 promete velocidade de até 20 Gb/s

Equipamentos compatíveis com USB 3.1 ainda são minoria no mercado, mas isso não impede a organização responsável pela tecnologia de desenvolver uma atualização: o USB 3.2 está vindo aí para trazer ainda mais velocidade na transferência de dados.

Enquanto o USB 3.1 trabalha com até 10 Gb/s (gigabits por segundo), o USB 3.2 deverá permitir até 20 Gb/s. Mas isso não quer dizer que a tecnologia passará por grandes mudanças técnicas. O novo limite de velocidade será possível, basicamente, graças à capacidade “multi lane” do USB, ou seja, ao uso simultâneo de múltiplas faixas de transmissão de dados.

Para ser mais preciso, o USB 3.2 poderá trabalhar com duas faixas de 5 Gb/s ou duas de 10 Gb/s. Os cabos desenvolvidos para conexões USB 3.1 poderão ser usados com a nova versão, inclusive alcançando a velocidade desta — de acordo com o USB 3.0 Promoter Group, os cabos com certificação SuperSpeed USB e SuperSpeed USB 10 Gbps foram projetados para suportar o desempenho das novas gerações do padrão.

USB-C

Como as mudanças técnicas não são extensas, em muitos casos, será possível fazer equipamentos com USB 3.1 serem compatíveis com o USB 3.2 a partir de uma atualização de firmware. O padrão de conexão não mudará: a nova especificação está sendo preparada para trabalhar com o conector USB-C. Também haverá compatibilidade com versões anteriores do USB.

A atualização permitirá ao USB diminuir a sua desvantagem em relação ao Thunderbolt no quesito velocidade: teoricamente, este último suporta até 40 Gb/s na versão 3. Isso fará o USB 3.2 ser interessante, por exemplo, para transmitir grandes volumes de dados rapidamente para um HD externo ou outro dispositivo de armazenamento compatível.

É verdade que um número reduzido de usuários precisa de velocidades tão altas. Isso faz muita gente questionar a necessidade de atualização. De qualquer forma, o USB 3.2 não será disponibilizado prontamente. As especificações da nova versão ainda estão sendo desenvolvidas. Os detalhes só serão apresentados no evento USB Developer Days 2017, a ser realizado em setembro.

Após a finalização do padrão, os primeiros dispositivos compatíveis levarão de 12 a 18 meses para chegar ao mercado.

Com informações: The Verge

USB 3.2 promete velocidade de até 20 Gb/s

via Tecnoblog

Até que enfim: Google libera Waze para Android Auto

O Android Auto começou a chegar aos carros brasileiros no início de 2016. Ele tem suporte ao Google Maps, mas a ausência mais notável certamente era o Waze. E, depois de um período de testes, o Google finalmente está liberando para todo mundo a versão do aplicativo de GPS que funciona no painel do automóvel.

Colocar o Waze no painel do carro poderia causar problemas porque as leis de trânsito de vários países, incluindo o Brasil, proíbem expressamente a utilização de tecnologias que possam distrair o motorista. E os alertas de congestionamento, acidente, radar ou perigo à frente no Waze funcionam justamente devido à interação dos usuários com o aplicativo.

Mas o Waze para Android Auto continua com os principais recursos da versão para smartphones: você pode navegar para locais favoritos (como casa ou trabalho), receber alertas visuais e de áudio sobre acidentes ou congestionamentos, e conferir rotas alternativas. A interação entre o motorista e o Waze para Android Auto pode ser feita por comandos de voz, mantendo as mãos no volante.

Só na Grande São Paulo, o aplicativo de GPS colaborativo tem 3,5 milhões de usuários ativos que dirigem mais de 500 milhões de quilômetros por mês (!), de acordo com os números divulgados pelo Waze. No mundo, são 80 milhões de usuários.

O Waze já está disponível para os carros com Android Auto vendidos em 31 países; basta ter o aplicativo atualizado e conectar o smartphone ao automóvel por meio de um cabo USB. Montadoras como Chevrolet, Ford, Honda, Hyundai e Volkswagen já vendem carros compatíveis no Brasil; eis a lista completa.

Até que enfim: Google libera Waze para Android Auto

via Tecnoblog

Jovem hackeia site usando ferramenta F12 e é detido pela polícia

Diversas grandes empresas de tecnologia oferecem recompensas para quem encontra bugs de software em seus produtos. A BKK, autoridade de transporte público de Budapeste, adotou outra prática: mandou prender o jovem de 18 anos que lhe avisou de uma falha.

A BKK lançou este mês um sistema para comprar passagens de transporte público através do celular. Em vez de um app, eles desenvolveram um site às pressas, a tempo do Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos, que ocorre em Budapeste.

O site, é claro, estava repleto de falhas. O desenvolvedor Laszlo Marai lista algumas delas: quem acessava shop.bkk.hu se deparava com uma mensagem de erro porque não era redirecionado para o endereço HTTPS; o sistema armazenava cada senha em texto puro, enviando-a para o usuário caso ele esquecesse; e a senha de administrador era “adminadmin”.

Foto por Albert Lugosi/Flickr

Além disso, como descobriu um jovem de 18 anos — que prefere não ser identificado — o site permitia definir o preço das passagens. Bastava pressionar F12 no navegador para abrir as ferramentas de desenvolvedor, modificar o código-fonte e alterar o valor.

O jovem demonstrou que era possível, por exemplo, comprar uma passagem mensal de 9459 forints (cerca de R$ 115) por meros 50 forints (R$ 0,60). Como não havia um sistema de validação no servidor, a BKK aceitava a operação e emitia o bilhete.

Ele enviou um e-mail em 14 de julho para a BKK avisando sobre a falha. A empresa respondeu dizendo apenas que a passagem foi invalidada; e contatou a polícia para registrar uma queixa, acusando o jovem de hackear seus sistemas. Em 21 de julho, ele foi detido durante a madrugada, mesmo morando fora de Budapeste e não tendo utilizado passagens fraudulentas. Algumas horas depois, ele foi solto.

O caso chamou atenção da imprensa local, e a BKK entrou na defensiva, dizendo que sofreu uma série de ataques de hackers, que todo sistema tem suas falhas, e que o jovem enviou o e-mail para o endereço errado — isso foi desmentido por uma captura de tela.

A BKK disse também que a culpa era da T-Systems Hungary, subsidiária da alemã Deutsche Telekom, que recebe US$ 1 milhão por ano pela manutenção de seus sistemas. A T-Systems promete criar um programa de “bug bounty” no futuro próximo.

O jovem, que se formou no ensino médio e vai começar a faculdade, agora só quer ficar em paz: “enquanto o procedimento policial não for encerrado (ou seja, ainda falta uma audiência judicial), não pretendo dar comentários, entrevistas, nem aparecer na imprensa… eu gostaria de voltar para minha própria vida e descansar”.

Com informações: Bleeping Computer, TechCrunch.

Jovem hackeia site usando ferramenta F12 e é detido pela polícia

via Tecnoblog

Mi AI Speaker é o alto-falante inteligente baratinho da Xiaomi

Parece que todas as empresas de tecnologia resolveram lançar alto-falantes com assistente pessoal integrado. A Xiaomi é a próxima da lista, com o Mi AI Speaker: ele suporta comandos de voz, tem inteligência artificial e, como de costume, é muito mais barato que os concorrentes.

O Mi AI Speaker será vendido na China por 299 yuans (o equivalente a R$ 139), um valor menor que qualquer alto-falante inteligente, como o básico Amazon Echo Dot (US$ 49), Google Home (US$ 129) ou Apple HomePod (US$ 349). Ainda assim, ele possui um arranjo de seis microfones para captar vozes em 360 graus e speakers com “excelente qualidade de som”, segundo a Xiaomi.

Por meio do alto-falante, é possível dar comandos de voz para tocar música, controlar dispositivos inteligentes, ativar alarmes, tomar notas ou fazer perguntas sobre previsão do tempo e trânsito, por exemplo. Ele também conta histórias para crianças e toca rádio. Na parte de cima, há botões físicos para controlar a reprodução ou silenciar o microfone.

A Xiaomi não informou se pretende lançar o Mi AI Speaker fora da China. Se isso acontecer, deve demorar, já que o assistente pessoal só entende chinês por enquanto — ainda assim, o preço é tão baixo que dá até para pensar em utilizá-lo como um alto-falante “burro” se a qualidade de som for realmente boa.

O lançamento oficial do Mi AI Speaker acontecerá em agosto. Beta testers poderão comprar o alto-falante por 1 yuan (R$ 0,47!) para ajudar a treinar a inteligência artificial da Xiaomi nesta fase inicial.

Com informações: Engadget.

Mi AI Speaker é o alto-falante inteligente baratinho da Xiaomi

via Tecnoblog

Giphy permite fazer GIFs no smartphone direto do navegador

Os GIFs estão por toda parte na internet — em blogs, nas redes sociais, no WhatsApp — e é cada vez mais fácil criá-los. O Giphy lançou uma ferramenta que transforma fotos e vídeos do seu smartphone em GIFs animados; ela funciona bem, apesar de uma grande limitação.

Basta ir em giphy.com no smartphone e tocar no botão de seta, no canto superior direito. Então, você poderá tirar uma foto, gravar um vídeo ou usar um arquivo que já esteja salvo no aparelho.

Em seguida, você pode adicionar texto, stickers e rabiscos que ficam animados. Feito isso, você poderá enviar sua criação para o Giphy, e salvá-la no smartphone para compartilhar com os amigos.

Há uma grande limitação aqui, no entanto: ao contrário do Giphy para desktop, não é possível criar GIFs a partir de vídeos do YouTube. Ao colar um link na ferramenta para smartphone, você vai se deparar com uma mensagem de erro — a página diz que ele não é válido.

Felizmente, há outras formas de criar GIFs do YouTube a partir do smartphone, sem baixar apps adicionais: basta ir em makeagif.com, por exemplo, e colar o link.

Espero que o Giphy remova essa limitação em breve, pois eles certamente têm os recursos para tanto: a empresa recebeu mais de US$ 150 milhões em financiamento, incluindo da GV (antes Google Ventures). O site tem 100 milhões de usuários diários visualizando um bilhão de GIFs por dia.

Com informações: The Verge, VentureBeat.

Giphy permite fazer GIFs no smartphone direto do navegador

via Tecnoblog

Kaspersky lança antivírus gratuito para Windows

Demorou, mas a Kaspersky lançou uma versão gratuita de seu antivírus para Windows. O Kaspersky Free não possui recursos como controle parental e VPN, mas tem a mesma capacidade de detecção de malwares das versões pagas.

A versão gratuita do Kaspersky estava sendo testada há mais de um ano em alguns países nórdicos, além da China e Rússia; ele verificava sua localização e bloqueava a utilização se você não estivesse em uma dessas regiões. Agora, o Kaspersky Free está disponível no mundo todo — haverá uma versão em português em setembro, mas você já pode instalá-lo no Brasil.

A empresa diz que o Kaspersky Free não concorrerá com as versões pagas, como o Internet Security, que custa R$ 69,90 por ano, porque elas trazem funcionalidades adicionais, como proteção contra espionagem, bloqueio de sites impróprios e segurança extra no internet banking, “que justificam facilmente o custo de uma proteção premium”.

Além disso, como a Kaspersky utiliza aprendizagem de máquina para descobrir ameaças e melhorar seu motor de detecção, os novos usuários que a empresa atrairá com a versão gratuita ajudarão a aprimorar o antivírus para todos, inclusive os pagantes.

Você pode baixar o Kaspersky Free nesta página. Veja também qual é o melhor antivírus para Windows.

A propósito, deixo a pergunta em aberto nos comentários, como fiz no Twitter: você usa um antivírus de terceiro no seu Windows, mesmo com a proteção nativa da Microsoft?

Kaspersky lança antivírus gratuito para Windows

via Tecnoblog

Carteira de habilitação terá versão digital para ser mostrada no celular

Sair com o carro, mas esquecer de levar a CNH é uma situação que pode render multa e até apreensão do veículo. Mas, a partir de fevereiro, você poderá escapar desse tipo de problema mostrando o documento no seu smartphone: atendendo a uma proposta do ministro das Cidades, Bruno Araújo, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) aprovou a Carteira Nacional de Habilitação Eletrônica (CNH-e).

A ideia é que, sempre que você tiver que apresentar a sua carteira de habilitação, tenha a opção de mostrar a versão digital do documento por meio de um app específico. A validação da CNH-e e a checagem dos dados serão realizadas por certificado digital e, a exemplo do que já é feito com CNHs impressas mais recentes, via QR Code.

Para evitar fraudes, o Contran vai estabelecer uma série de padrões técnicos e aplicar um sistema de criptografia. Todos os parâmetros tecnológicos deverão permitir que a CNH-e tenha o mesmo valor jurídico da versão impressa.

CNH - QR Code

De acordo com o Contran, a emissão da CNH-e, pelo menos inicialmente, não será automática. O cidadão interessado deverá se cadastrar no site do Denatran ou comparecer a um posto do Detran para confirmar seu email com o uso de um certificado digital.

Depois, o cadastro terá que ser ativado a partir de um link enviado ao email. No passo seguinte, será necessário fazer login no smartphone e criar um PIN. Em caso de perda ou roubo do aparelho, será possível bloquear a CNH-e no site do Denatran.

Ainda não está claro, porém, quais os custos que o processo de emissão da CNH-e terá ao usuário — gratuito o procedimento dificilmente será. Como já informado, a previsão é a de que a versão digital da carteira de habilitação comece a valer em fevereiro de 2018.

Vale ressaltar que a versão impressa do documento continuará sendo emitida.

Carteira de habilitação terá versão digital para ser mostrada no celular

via Tecnoblog

Sinal de TV analógica será desligado nesta quarta-feira em Recife

O sinal analógico de TV aberta de Recife e mais 14 municípios do entorno será desligado nesta quarta-feira (26). O Gired, grupo responsável pelo processo de digitalização de TV no Brasil, tinha programado o processo para a última semana de julho, de fato, mas só tomou a decisão depois de verificar que a região superou o mínimo de 90% de domicílios com disponibilidade de TV digital.

A constatação foi feita pela Ibope Inteligência que, com base em 1.078 entrevistas realizadas entre os dias 9 e 22 deste mês, concluiu que 92% das residências da capital pernambucana e região estão aptas à TV digital. Havia o temor de que o desligamento do sinal analógico tivesse que ser adiado, pois as pesquisas prévias apontavam que o percentual mínimo não seria atingido dentro do prazo.

TV antiga (Imagem por stevestein1982)

De acordo com a Anatel, os kits de TV digital, com antena e conversor, continuam sendo distribuídos gratuitamente às famílias da região cadastradas nos programas sociais do governo federal, como o Bolsa Família. As informações para retirada estão disponíveis no site Seja Digital ou pelo telefone 147.

Como você deve saber, o desligamento da TV analógica está sendo feito para alavancar o uso da TV digital no Brasil, que oferece mais qualidade de som e imagem, e liberar o espectro do sistema antigo de televisão para as operadoras de telefonia móvel ampliarem as redes 4G.

Com a decisão, Recife se juntará às regiões de Brasília, Goiânia e São Paulo (capital). Todas já são 100% digitais. As próximas capitais a terem o sinal analógico desligado são Salvador (BA) e Fortaleza (CE): se os requisitos mínimos forem atingidos, ambas passarão pelo processo no dia 27 de setembro. Está previsto, para a mesma data, o desligamento de sinal nas cidades de Juazeiro do Norte e Sobral, também no Ceará.

O governo espera que, até 2023, não haja mais sinal analógico de TV ativo no território brasileiro.

Sinal de TV analógica será desligado nesta quarta-feira em Recife

via Tecnoblog

Vivo também começa a testar VoLTE

Um dia depois do anúncio da TIM, a Vivo também informou que começou a implantação do VoLTE, tecnologia que permite chamadas de voz pela rede 4G. A novidade estará disponível inicialmente para alguns clientes pós-pagos da operadora em Rio Verde (GO), município que foi o primeiro a desligar o sinal de TV analógica.

Diferente da concorrente, que planeja liberar o VoLTE até o final do mês em sete cidades, na Vivo a tecnologia estará disponível para um número menor de usuários. Por enquanto, as ligações por 4G estão homologadas no Moto Z, Moto Z Play, Galaxy S8 e Galaxy S8+, e os assinantes deverão instalar uma atualização de software.

A Vivo informa que “está preparando sua rede para expansão gradual do VoLTE nacional para o restante do país”. Procurada pelo Tecnoblog, a Vivo não informou datas específicas de liberação da tecnologia. O lançamento comercial do VoLTE acontecerá “assim que os testes terminarem”, diz a operadora.

Além disso, a Vivo começou a implantar o VoLTE em roaming internacional em conjunto com a Movistar Argentina, outra empresa do Grupo Telefónica. Os testes estão sendo feitos em ambiente controlado.

No comunicado à imprensa, a Vivo também sinaliza a possibilidade de lançamento do ViLTE (vídeo sobre LTE): o vice-presidente de B2C, Marcio Fabbris, diz que o VoLTE “se trata de uma tecnologia inovadora, que futuramente trará novas possibilidades de uso, como compartilhar vídeos e imagens durante a chamada sem utilizar aplicativos, fazer videoconferências, entre tantas outras coisas”.

O VoLTE trafega voz pelo 4G (até então, a tecnologia era utilizada somente para dados) e elimina a necessidade da operadora derrubar sua conexão para 2G ou 3G quando você recebe uma chamada. Como a Vivo adotou um codec de áudio superior, a qualidade de voz também será melhor que na rede tradicional, desde que as duas partes da ligação suportem a tecnologia.

Vivo também começa a testar VoLTE

via Tecnoblog