Smartphones da Apple caem mais de 50% no mercado brasileiro

iPhone 7

Parece que a Apple não tem muitos motivos para comemorar no mercado brasileiro. Um estudo que levantou informações sobre o mercado de celulares no Brasil apontou que a empresa da maçã perdeu mais da metade de seu público no país.

De acordo com a consultoria de mercado Counterpoint, a Apple caiu de uma participação de 8,3% entre os consumidores brasileiros para apenas 3,8% durante 2016.

Segundo a firma de consultoria, a queda da maçã tem a ver com os altos preços de seus aparelhos – por exemplo, o iPhone 7 chegou nas lojas ano passado custando a partir de R$ 3,5 mil em sua versão mais simples.

Para a Counterpoint, o preço altamente exclusivo dos iPhones deram mais chance para o Android e fabricantes que apostaram em aparelhos com recursos mais premium, mas que se inseriram em faixas mais acessíveis de preço. A Samsung registrou crescimento no período, graças a modelos intermediários e de entrada, como suas linha A e J. Ficando com o primeiro lugar em market share no país, com 45%. A Lenovo/Motorola manteve a vice-liderança com 12,9%, mesmo percentual que teve em 2015.

Mesmo assim, em linhas gerais, o mercado de smartphone sofreu queda em 2016, conforme observou a Counterpoint. Durante 2016, o mercado de smartphones teve uma queda de 16% em vendas em relação ao ano anterior. Entretanto, no último trimestre ele teve uma recuperação, vendendo 15% a mais do que o mesmo período em 2015. Além disso, a venda de aparelhos 4G teve um crescimento sensível no ano, com 53%.

Fonte: Folha de São Paulo

via Canaltech

Avião de papel volta a ser brincadeira de sucesso com o uso de smartphones

Alguns anos atrás, a startup PowerUp decidiu apostar em uma brincadeira que já fez muito sucesso antigamente mas parecia ter sido completamente esquecida nesses tempos em que todo mundo tem muitas telas e dispositivos móveis: o tradicional e clássico avião de papel. E o negócio deu certo: o gadget que transforma um objeto feito rapidamente por qualquer pessoa em uma divertida experiência de voo com visão em primeira pessoa chegou a sua terceira edição e acumula milhares de fãs em todo o mundo.

Funciona assim: você faz toda a dobradura e depois acopla uma estrutura com câmera e hélices e que pode ser conectada ao seu smartphone via Bluetooth. Depois disso, o aparelho é acoplado a um suporte para o rosto em forma de óculos e é possível controlar remotamente apenas virando a cabeça para os lados, cima e baixo.

O vídeo que acumula quase 336 mil visualizações ilustra melhor. Confira abaixo:

O kit oferece alcance de 55 metros, possui design resistente a impactos e vem com peças sobressalentes, micro USB para recarga, indicador de nível da bateria e função que detalha o tráfego aéreo. Quem quiser entrar na onda pode comprá-lo por US$ 49 (cerca de R$ 155, sem taxas, de acordo com a cotação desta sexta-feira) neste link.

Nós chegamos a testar a primeira versão, veja aqui.

via Novidades do TecMundo

Os bastidores de um crime: smartphones podem chegar infectados de fábrica?

Um estudo mostrou que alguns aparelhos podem chegar ao usuário infectados com malwares, mas você sabe como se defender? Como saber se seu aparelho possui um malware.

(Isto é apenas um teaser – clique aqui para ver o post completo)

via Notícias do Android + Análises de Apps – AndroidPIT

Estas são as fabricantes que mais venderam smartphones no Brasil em 2016

Em 2016, a Samsung se tornou ainda mais dominante no mercado brasileiro de smartphones, enquanto a Alcatel teve um crescimento respeitável e a Apple perdeu metade do market share.

Estes são os dados da consultoria Counterpoint Research. O relatório também traz dados interessantes sobre a venda de smartphones no varejo e nas operadoras; e sobre a presença de modelos 4G no mercado.

Foto por Bojan Pavlukovic/Flickr

Primeiro, comecemos com a participação das fabricantes. A Samsung continua em primeiro lugar, ampliando sua participação de mercado para 46,7%. Logo atrás vem a Motorola, basicamente mantendo sua participação de mercado em 13%; e a LG, que caiu para 12,4%.

O destaque positivo vai para a Alcatel: a analista Tina Lu, da Counterpoint, diz em comunicado que a empresa “mudou sua alta gerência, abriu quiosques da marca nos principais shoppings do Brasil, e passou a fabricar produtos no país”. Ela cresceu para 5,5% do mercado.

Por sua vez, o destaque negativo vai para a Apple, que “perdeu mais participação do que qualquer outra marca dentro da categoria de smartphones”, segundo Lu. O iPhone 7 chegou ao Brasil custando menos caro que o esperado, mas parece que isso não convenceu.

Outras fabricantes não aparecem no gráfico, mas Lu diz que “a Positivo liderou todas as marcas locais em questão de smartphones”.

O analista Parv Sharma, da Counterpoint, observa no comunicado que o mercado de smartphones no Brasil é muito concentrado – cinco marcas detêm 75% de participação. Isso acontece devido às altas barreiras de entrada: é preciso ter fabricação local (ou pagar um salgado imposto de importação) e também forte presença no varejo, não só nas operadoras, o que custa caro.

No ano passado, 64% dos smartphones foram vendidos pelo varejo; o restante teve intermédio das operadoras. Entre elas, a Claro e a Vivo se destacam, provavelmente devido aos descontos oferecidos no pós-pago.

86% dos smartphones vendidos no ano passado são compatíveis com 4G. A tecnologia está forte até mesmo no segmento de entrada, incluindo “a série J da Samsung, especialmente o Galaxy J1”, escreve Lu.

Nove em cada dez celulares vendidos no Brasil em 2016 foram smartphones; as vendas de dumbphones despencaram 56% no ano.

Enquanto isso o mercado brasileiro de smartphones caiu 16% no ano devido à recessão, diz Lu, mas deve se recuperar este ano à medida que a economia volta a crescer.

Estas são as fabricantes que mais venderam smartphones no Brasil em 2016

via Tecnoblog

Fabricante de smartphones Alcatel vira patrocinadora do Corinthians

A empresa de smartphones e demais produtos mobile Alcatel anunciou uma parceria na noite desta quinta-feira (16). Até o final de 2017, ela será uma das patrocinadoras do Sport Club Corinthians Paulista, ingressando no mundo do futebol.

A marca da Alcatel figura na parte da frente da camisa do clube, mais especificamente na região dos ombros. O novo uniforme já estreou em campo ontem mesmo, quando o Corinthians empatou em casa com a Luverdense por 1 a 1 e avançou de fase na Copa do Brasil.

“Escolhemos o futebol por ser a maior paixão do brasileiro e pela sua capacidade de conectar e emocionar pessoas. O Corinthians é um dos maiores times do Brasil e conta com uma imensa torcida”, comenta o Diretor Geral da Alcatel Brasil, Fernando Pezzotti.

Vai dar frutos

Segundo a própria companhia, a Alcatel é a segunda maior fabricante de celulares em toda a América Latina — e o Brasil será o foco da marca neste ano. O novo posicionamento da marca é baseado no lema “ENJOY.NOW”. A ideia é criar e amplificar “momentos de alegria para o seu público” e “valorizar o agora”.

Um detalhe mais próximo do uniforme com o patrocínio.

“No mundo atual, ter um parceiro de tecnologia com extrema competência em uma ferramenta que conecta o torcedor com o clube 24 horas por dia é muito relevante”, comentou Vinicius Azevedo, Gerente de Marketing do Corinthians. Azevedo ainda citou que “mais novidades com a Alcatel” podem ser apresentadas em breve. Será que vem aí alguma edição especial de produto, nos moldes do que o Palmeiras fez com a Microsoft?

via Novidades do TecMundo

Esqueça o USB Type-C, o futuro do carregamento entre smartphones é Wireless

A Sony trabalha em uma tecnologia capaz de permitir que um smartphone carregue outro a partir da aproximação. Saiba como iso funcionaria na prática.

(Isto é apenas um teaser – clique aqui para ver o post completo)

via Notícias do Android + Análises de Apps – AndroidPIT

Empresa japonesa exibe tênis inteligente conectado a app para smartphones

South by Southwest está rolando em Austin em Texas e é um dos festivais mais procurados pela galera que adora cinema, música e tecnologia. Muitas startups e grandes empresas aproveitam para divulgar ideias e projetos que não costumam estar em conferências, digamos, mais tradicionais. Um dos conceitos apresentados nesta edição foi um tênis inteligente que se conecta a aplicações via smartphone.

Produto ainda está em fase de testes e não tem previsão de chegada ao mercado

O produto é uma criação conjunta entre as companhias Fijtsu e Snow Robin ao lado de duas universidades japonesas e traz sensores de umidade, temperatura, pressão dos pés e atmosférica e rastreamento de movimento de 9 eixos (3 acelerômetros, 3 giroscópios e 3 magnetômetros), tudo com pouco gasto de energia em conectividade Bluetooth e integrado no solado.

Um exemplo de aplicação — ainda simplório, diga-se de passagem — foi ilustrado no evento: o Pa-League Walk monitora seus dados e manda para serviços de nuvem para mostrar que a torcida por um time de beisebol é maior do que a do adversário, com direito a ações de marketing e brindes para os usuários.

A demonstração não revelou muito mais do que isso, contudo os representantes já adiantaram que em breve os calçados terão funções smart, sem dar mais detalhes a respeito. Ainda não há também mais informações sobre modelos e tudo está na fase experimental, sem previsão de chegada às prateleiras. Confira o vídeo promocional:

Essa não é a primeira vez que pensam em algo assim, outras investidas já associaram um item como esse para evitar lesões ou acompanhar crianças em atividades, por exemplo. E você, está pronto para subir imagens, fazer check-in, curtir games com geolocalização e outras coisas conectadas?

via Novidades do TecMundo

Netflix pode lançar versões de séries e filmes específicas para smartphones

Netflix

A Netflix não dorme no ponto. De olho no crescente mercado de consumo de conteúdo via smartphones, a empresa de streaming de vídeo disse estar cogitando a possibilidade de criar versões de suas séries e filmes originais especialmente para serem vistas em dispositivos móveis.

A notícia foi dada pelo executivo responsável pelos produtos da empresa, Neil Hunt, durante uma coletivo de imprensa realizada em São Francisco, na Califórnia. Na conversa ele disse que "não é inconcebível" pegar a versão original de uma produção e fazer um "corte diferente" para smartphones. "É algo que exploraremos nos próximos anos", disse Hunt.

A ideia é fazer com que o conteúdo fique mais agradável aos olhos dos espectadores. Para isso,seria preciso criar uma versão do conteúdo com cenas e tomadas que sejam vistas com mais qualidade em smartphones, uma vez que algumas delas podem ser difíceis de enxergar ou podem parecer muito pequenas na tela de um telefone.

Essa ideia de criar um mesmo conteúdo em diferentes formatos está se tornando realmente importante na indústria do entretenimento, especialmente para as empresas focadas na distribuição em mídias sociais como Facebook, Instagram e Snapchat. Agora, parece que o mercado de streaming também está de olho nessa questão.

Fonte: The Verge

via Canaltech

Estudo: smartphones estariam reduzindo o uso de drogas entre jovens

O National Institute on Drug Abuse, nos Estados Unidos, está com uma questão intrigante nas mãos. Em seu último estudo, segundo o jornal The New York Times, foi encontrada uma redução no uso e na experimentação de substâncias — e a tecnologia pode ser um dos fatores que contribuíram para isso.

Segundo a diretora do instituto, Nora Volkow, o uso de drogas ilícitas além da maconha atingiu o nível mais baixo em 30 anos entre jovens, e o da própria maconha também decaiu em relação aos últimos dez anos. E por que isso é especialmente estranho? De acordo com os cientistas, teria que ser o inverso: há uma aceitação cada vez maior de algumas dessas drogas, incluindo o álcool, sem contar a ascensão de substâncias sintéticas entre os jovens.

E onde a tecnologia entra nisso?

Segundo Volkow, são duas as hipóteses do estudo. Na primeira, os adolescentes estão usando drogas em menor quantidade porque estão constantemente entretidos e estimulados por computadores, smartphones e outros aparelhos. A tecnologia ser uma alternativa que desperta sensações parecidas ou que causam um bem-estar a ponto de fazer com que o consumo dessas substâncias seja ignorado.

Jogar games e usar redes sociais preenche a necessidade da busca por sensações, a necessidade de buscar atividades inéditas

“Jogar games e usar redes sociais preenche a necessidade da busca por sensações, a necessidade de buscar atividades inéditas. Mas isso ainda precisa ser provado”, disse ao jornal a doutora Silvia Martins, uma especialista em uso de drogas da Universidade de Columbia, nos EUA.

A segunda e menos provável é que o tempo gasto com esses aparelhos está consumindo um período antes usado para festas e reuniões em que o consumo de drogas era mais frequente. Porém, a pesquisadora sabe que tudo ainda não passa de uma hipótese e estudos a serem realizados nos próximos meses vão ou não confirmar essas teorias — embora acredite que o cruzamento desses dados dificilmente é só uma coincidência.

via Novidades do TecMundo

Estes são os smartphones que você pode comprar por até 1.500 reais

Maioria dos leitores do site pagaria 1.500 reais por um smartphone hoje. Você acha este um preço justo?

(Isto é apenas um teaser – clique aqui para ver o post completo)

via Notícias do Android + Análises de Apps – AndroidPIT