Realidade virtual pode ajudar a humanidade a explorar o espaço

explora??o espacial

Até então, explorar o espaço significa estar fisicamente em território extraterrestre, nem que seja por meio de robôs, como o Curiosity, que vem explorando a superfície de Marte desde 2012. Mas com o avanço das tecnologias de realidade virtual é possível que, dentro de não muito tempo, consigamos experimentar como é estar em um mundo alienígena sem de fato estar lá.

Ao menos é o que sugere um artigo publicado recentemente na revista Science Robotics, imaginando que a exploração por meio de “telepresença” seja o caminho a ser tomado pelas agências espaciais no futuro próximo. O estudo foi conduzido por uma equipe de cientistas sob a liderança de Dan Lester, que faz parte da consultoria Exinetics, explorando a ideia de enviar sensores equipados com câmeras para a superfície de planetas até então não explorados. O objetivo é que essas imagens sejam usadas na criação de um ambiente de realidade virtual.

Concepção artística de como uma nave tripulada poderia sobrevoar Marte em sincronia com robôs para criar imagens de realidade virtual, sem a necessidade de pisar no planeta (Reprodução: NASA)

“A exploração por telepresença se trata de colocar a presença humana para onde é realmente difícil levar humanos de verdade”, explicou Lester, que não acredita que a realidade virtual possa substituir missões tripuladas, mas pode ser um caminho para que possamos explorar locais onde, com as tecnologias atuais, não é possível enviar seres humanos. Um exemplo seria a superfície de Vênus, que, de tão quente, derrete rapidamente qualquer sonda já enviada para lá. Uma sonda posicionada estrategicamente em sua superfície, porém, pode capturar imagens com definição suficiente para se recriar o planeta em realidade virtual, em que os astronautas explorariam sem sair da Terra.

“Vamos fazer um mergulho submarino nos lagos de metano de Titã”, sugere Lester, a respeito dos ainda inexplorados terrenos do maior satélite de Saturno. “Você nunca colocaria um humano lá, mas você pode orbitar ao redor de Titã e enviar um robô-submarino” para capturar as imagens. O cientista prevê, ainda, que a tecnologia possa render todo um novo mercado de turismo espacial e exploração comercial, tudo contando com a realidade virtual como ferramenta.

Ainda que a ideia pareça um tanto quanto empolgante, muitos especialistas acreditam que a telepresença não seja lá tão satisfatória quanto conseguir enviar pessoas para mundos estrangeiros. Contudo, Lester argumenta que “a presunção histórica é a de que exploração significa colocar os pés no chão, mas já evoluímos além disso. Afinal, ainda não levamos pessoas para Marte, mas você poderia dizer que nós já não estamos explorando Marte?”.

Fonte: Motherboard, Science Robotics

via Canaltech

App gratuito permite misturar realidade e hologramas em fotos e vídeos

Foi-se o tempo em que fotos eram meros recortes de um momento específico da sua vida. Em anos mais recentes a tecnologia tem nos ajudado a brincar bem mais com o resultado dos nossos cliques, e uma prova disso é o que podemos ver no Holo.

Disponível gratuitamente em versões para Android e iOS, o Holo dá ao usuário a oportunidade de adicionar figuras animadas em vídeos e mais elementos em suas fotos. Como é possível ver no material divulgado pela empresa responsável pelo aplicativo (a 8i), a criatividade é o limitador daquilo que pode ser feito com o auxílio do software.

Também é válido mencionar que, além dos personagens já presentes no aplicativo, há uma loja na qual você pode obter mais animações e figuras para as suas composições (outras serão adicionadas com o passar do tempo). Cada uma delas conta com movimentos próprios, oferecendo um pouco mais de variedade para as suas fotos e vídeos.

VIDEO

Funciona bem?

Um detalhe que vale ser mencionado é que nem sempre o resultado pode sair como esperado. A equipe do site Phone Arena teve a oportunidade de testar o aplicativo e revelou que, caso decida colocar o Homem-Aranha como um dos elementos da sua imagem, será preciso encontrar um ângulo correto, já que nem sempre ele responde de forma correta ou se adapta ao plano de fundo selecionado.

via Novidades do TecMundo

Ônibus da Nasa leva turistas para Marte usando realidade virtual

realidade virtual

A partir da próxima segunda-feira (26), o Centro de Visitantes da Nasa ganhará mais uma atração. Batizada como "Mars Experience Bus", a novidade incluirá o primeiro veículo de realidade virtual do mundo, que ficará disponível no Kennedy Space Center.

De acordo com as informações, o Lockheed Martin Mars Experience Bus irá reproduzir uma área de cerca de 500 m² de Marte, permitindo que os visitantes observem os rovers circulando pelo terreno, bem como uma maquete do que seria o primeiro acampamento humano instalado no Planeta Vermelho.

Segundo o Centro de Visitantes da Nasa, a tecnologia já passou por 33 locais em 12 cidades norte-americanas antes de chegar ao Kennedy Space Center. No total, mais de 35 mil pessoas passaram pela experiência, que tem como objetivo aproximar a exploração e a educação espacial dos possíveis futuros astronautas.

Quem estiver por lá, poderá aproveitar a novidade durante 3 meses no ônibus estacionado no Jardim dos Foguetes. Abaixo, você pode conferir o vídeo de apresentação da atração.

via Canaltech

YouTube anuncia formato VR180 e novas câmeras para realidade virtual

O YouTube anunciou hoje (22) que está trabalhando ao lado da equipe do Google Daydream para desenvolver um novo formato de vídeo para realidade virtual chamado VR180. Segundo a equipe da plataforma de vídeos, o VR180 vai tornar mais fácil a criação de conteúdos na tecnologia.

“Os vídeos VR180 focam no que está na sua frente, em alta resolução, e ficam ótimos tanto no computador quando no smartphone”, disse o YouTube no blog oficial. “Eles realizam uma transição suave para uma experiência em VR quando você utilizar o Cardboard, Daydream e PSVR, permitindo que você visualize as imagens ‘estereoscopicamente’ em 3D”.

O VR180 é um novo formato para realidade virtual; Lenovo e LG desenvolvem câmeras VR para o formato

Segundo os desenvolvedores, o formato VR180 também suporta a transmissão ao vivo de vídeos e, em breve, aceitará a edição via ferramentas como Adobe Premiere Pro. Além do formato, o YouTube também comentou que está desenvolvendo novas câmeras ao lado da equipe do Daydream e de fabricantes (YI, Lenovo e LG) próprias para trabalhar com o formato.

“Estas câmeras não apenas para criadores buscando gravar conteúdo VR de maneira fácil, mas para qualquer um que busca capturar os melhores momentos da vida em realidade virtual. Elas serão fáceis como câmeras comuns, e deverão ter o mesmo preço”, adicionou o YouTube.

Além da LG, Lenovo e YI, a empresa da Google está abrindo um programa de certificação para outras fabricantes entrarem nesse novo setor. Maiores detalhes, você encontra no blog oficial do YouTube.

via Novidades do TecMundo

Novo controle de realidade virtual da Valve detecta dedos individualmente

Sensores capacitivos vão saber tudo sobre o posicionamento dos dedos, inclusive se eles estão esticados, meio dobrados ou a mão está completamente fechada

A Valve, responsável pela plataforma de venda de games Steam e parceira da HTC no desenvolvimento dos óculos de realidade virtual Vive, já está fornecendo a desenvolvedores o protótipo de um novo dispositivo que pretende tornar mais real ainda a experiência dos usuários em VR.

Trata-se do Knuckles, um controle para ser usado em jogos e outras aplicações de realidade virtual que vai rastrear o uso de cada um dos dedos do usuário de maneira individual.

De acordo com novas informações fornecidas pela própria Valve, o controle é preso às mãos por meio de uma tira regulável, para que você possa abrir as mãos sem deixá-lo cair, e sensores capacitivos vão saber tudo sobre o posicionamento dos dedos, inclusive se eles estão esticados, meio dobrados ou a mão está completamente fechada.

Esquema mostra como o Knuckles vai funcionar

Dedos individuais

Como é possível ver nas imagens, o Knuckles parece bastante ergonômico e fácil de usar. Com a tira presa em sua mão, você posiciona os dedos sobre os sensores para que eles “vejam” onde cada um está. Para o dedo indicador, há uma espécie de gatilho e na parte onde vai o dedão é possível usar um trackpad e outros botões adicionais.

Protótipos do Knuckles já estão sendo testados por desenvolvedores de aplicações para a SteamVR

Esse controle promete ser mais complexo do que o controle atual para o HTC Vive, que possui sensor apenas para o indicador e isso serve como parâmetro para a mão inteira. Protótipos do Knuckles já estão sendo testados por desenvolvedores de aplicações para a SteamVR, a plataforma exclusiva para realidade virtual dentro da Steam. Ainda não se sabe quando o controle vai estar disponível para o público geral.

via Novidades do TecMundo

Ações da Apple podem bater recorde após chegada da realidade aumentada

Durante a WWDC 2017, que aconteceu no começo deste mês de junho, a Apple não perdeu tempo e apresentou para o público uma ideia bastante ambiciosa: a plataforma de realidade aumentada ARKit, que vai ter como base o iOS 11 para fornecer aos usuários rastreamento de movimento rápido e estável — e a ideia é que ela se torne a maior ferramenta de AR do mundo. 

O mercado, agora, começa a responder aos esforços da Apple. De acordo com o analista da UBS, Steven Milunovich, a entrada da Apple no mundo da realidade aumenta vai elevar bastante o preço das ações da companhia.

Atualmente, você consegue comprar uma única ação da Apple por US$ 170

“Dentro de um período entre 2 e 3 anos, a Apple poderá equipar o iPad e o iPhone com um hardware que suporte a realidade aumentada, com sensores, câmeras 3D e processadores customizados. Pareados com um SDK integrado ao iOS, isso poderá trazer experiências mais ricas de realidade aumentada do que as oferecidas por tablets atualmente”, comentou Steven ao BI.

Segundo o analista, a Apple poderá trabalhar em diversas áreas diferentes com a realidade aumentada ARKit. Entre elas, games, saúde e medicina, melhorias para residências e arquitetura — alô, Google Tango! —, etc.

Obviamente, isso é o que um analista espera. Se realmente vá se concretizar, só o tempo irá dizer. Atualmente, você consegue comprar uma única ação da Apple por US$ 170 (R$ 565 em conversão direta).

via Novidades do TecMundo

Samsung compra startup desenvolvedora de apps para realidade virtual

A Samsung não está de brincadeira quando o assunto é a realidade virtual (RV), e tudo indica que a companhia não vai ficar apenas no âmbito do hardware nesse tema. Isso porque a empresa acaba de adquirir a startup estadunidense VRB, responsável pelo desenvolvimento de aplicativos de captura e reprodução de conteúdos em 360°.

De acordo com o TechCrunch, que trouxe a informação de forma antecipada, o negócio teria sido concluído por US$ 5,5 milhões. Apesar de ainda não haver confirmação oficial por parte da Samsung, uma nota enviada à publicação pelo cofundador da VRB Christopher Paretti, confirmou a negociação, mas valores não foram revelados.

Samsung teria investido US$ 5,5 milhões para comprar a startup que desenvolve apps para realidade virtual

Em seu site oficial, a VRB se apresenta como uma “plataforma social de realidade virtual centrada na expressão do usuário e em novos métodos de comunicação”. Atualmente, a companhia conta com três aplicações de RV: o VRB Home, um serviço para criação e compartilhamento de espaços virtuais; o VRB Foto, app para captura e compartilhamento de fotos em 360°; e o The Launch VR, uma experiência interativa em RV.

A plataforma de informações sobre startups Angel.co indica que a aquisição da VRB pela Samsung teria sido formalizada no dia 17 de abril deste ano, mas apenas agora, mais de dois meses depois, ela veio à público. Apesar de poucas informações conhecidas sobre a negociação, isso deixa claro o comprometimento da Samsung com o desenvolvimento das tecnologias de realidade virtual.

via Novidades do TecMundo

Desenvolvedor recria Super Mario Bros. para jogo de realidade aumentada

Jogo em primeira pessoa mostra desenvolvedor como se fosse o famoso encanador do clássico da Nintendo; Assista

via IDG Now!

iGlass? Apple tem tudo para apostar em óculos de realidade aumentada

A ideia é que o caminho seja aberto pelas ferramentas do smartphone para que o iGlass seja melhor recebido pelos consumidores

Após ter apresentado o ARKit na WWDC 2017, a Apple já demonstra que pretende usar a plataforma de desenvolvimento de aplicações para realidade aumentada como base para os seus possíveis ou futuros óculos inteligentes, que deve ganhar um nome que todos esperavam: iGlass. Isso é o que informa uma nota para investidores de um analista da UBS chamado Steven Milunovich.

Especula-se também que a Apple possa lançar alguns recursos de realidade aumentada primeiramente no iPhone antes de apostar tudo em um par de óculos inteligentes, mas que tudo indica que o gadget deve sair do papel nos próximos anos mesmo assim. A ideia é que o caminho seja aberto pelas ferramentas do smartphone para que o iGlass seja melhor recebido pelos consumidores.

Seria esse o design do iGlass? (obviamente não, é apenas uma brincadeira)

Foco no ARKit

Um dos principais sinais de que esses rumores sejam verdadeiros é o investimento massivo da Apple no ARKit, que vai permitir que desenvolvedores comecem a criar suas aplicações para dispositivos com realidade virtual. Para não falhar na empreitada, como aconteceu com o Google Glass, a empresa de Cupertino deve criar um dispositivo mais discreto – o que exige maior tecnologia para peças menores – e que possa usar o poder dos iPhones para ir mais além.

Será que a Apple vai acertar onde a Google errou e finalmente fazer a revolução dos óculos inteligentes?

É como se o iGlass acabasse sendo um acessório para o iPhone que fosse capaz de ampliar as capacidades de realidade aumentada do dispositivo. A grande chave para que tudo isso dê certo ainda é o método de conexão entre óculos e smartphone, que precisaria ser mais robusto para o que a empresa quer.

Seja como for, eis mais um aparelho interessante para esperarmos em um futuro próximo. Será que a Apple vai acertar onde a Google errou e finalmente fazer a revolução dos óculos inteligentes? Deixe sua opinião aí nos comentários.

via Novidades do TecMundo

Intel oferecerá experiências com drones, 5G e realidade virtual nas Olimpíadas

Olimp?adas

Nesta quarta-feira (21), a Intel anunciou que acaba de bater o martelo em uma parceria com o Comitê Olímpico Internacional (COI) para levar aos próximos Jogos Olímpicos experiências com a produção de vídeos em 360º, internet 5G, drones e realidade virtual.

Ainda que as Olimpíadas de Tóquio só aconteçam em 2020, as novidades já começarão a acontecer em 2018, quando rolam os Jogos Olímpicos de Inverno em Pyeongchang, na Coreia do Sul. As experiências também serão estendidas para as Olimpíadas de Inverno de Pequim, em 2022, e para as Olimpíadas de 2024, que ainda não têm sede definida.

Brian Krzanich, presidente da Intel, comemora a parceria dizendo que “estamos animados ao unirmos as tecnologias inovadoras da Intel ao Movimento Olímpico para avançar a experiência com os Jogos Olímpicos aos fãs de todo o mundo”. Ele disse ainda que “por meio desta colaboração com a família Olímpica, nós vamos acelerar a adoção de tecnologia para o futuro dos esportes no maior palco de atletas do mundo”.

A conexão 5G será oferecida durante o evento esportivo, demonstrando publicamente o potencial da alta velocidade. Já para demonstrar como a transmissão de eventos esportivos pode ser levada a um outro patamar com as novas tecnologias, a Intel exibirá jogos em realidade virtual, transportando os espectadores para dentro dos locais onde acontecerão as disputas, ainda que virtualmente. E, por fim, a exibição de vídeos de replay em 360º será um recurso inédito nas Olimpíadas, sendo que a empresa promete capturar imagens de maneira nunca antes vista, utilizando drones para sobrevoar as partidas e obter ângulos nunca dantes vistos nas transmissões. 

Fonte: Intel

via Canaltech