Conheça 4 competências essenciais para profissionais de Ciência de Dados em 2017

Programador de Software

* Por Leonardo Dias

As mudanças constantes do mercado de tecnologia exigem agilidade das empresas para se atualizarem quanto às tendências que surgem e as estratégias para absorvê-las em seus negócios. Para isso, contar com uma equipe qualificada e de alta performance se torna fator decisivo para ser mais competitiva.

Os profissionais de TI são cada vez mais valorizados, principalmente com a ascensão da Transformação Digital que traz novas demandas e desafios às companhias. Uma das áreas de conhecimento que tem ganhado destaque nos últimos anos foi o da Ciência de Dados. Segundo levantamento da consultoria Robert Half, esses profissionais têm a maior projeção de aumento salarial em 2017, 6,4%.

Você conhece as principais competências que os cientistas de dados devem ter para se dar bem no mercado de tecnologia em 2017?

1. Curiosidade: a competência dos autodidatas

Habilidade técnicas, matemáticas e analíticas podem ser adquiridas com estudo, mas a motivação para testar novas soluções e considerar caminhos diferentes deve fazer parte da personalidade do profissional. A curiosidade é o principal diferencial daqueles que trabalham nessa área, uma vez que é o ponto de partida para o desenvolvimento de outras competências.

2. Atualização constante

A diversidade de conhecimentos necessários é o que faz esse profissional tão estimado.  A ciência de dados abrange assuntos avançados que equivalem aos de campos como medicina, biologia, genética, engenharia e outros. Com novas ferramentas, métodos, algoritmos e técnicas surgindo a todo instante é preciso buscar atualização contínua para manter-se relevante no mercado.

Isso vale não apenas para os profissionais que já trabalham na área, mas também para técnicos que irão migrar nos próximos anos, como desenvolvedores de software, que terão de aprender estatística, e matemáticos que podem aprender linguagem de programação.

3. Comunicar-se com todos

Dentre diversos termos e jargões técnicos usados, é essencial que o especialista possa se comunicar de maneira clara com clientes e colegas de outros departamentos. Essa “tradução” para uma linguagem de fácil entendimento é importante para que exista troca de informações relevantes e permita que todos compreendam os resultados obtidos e a importância do trabalho do cientista de dados na tomada de decisão.

4. Pensar fora da caixa, mas com foco nos negócios

O pensamento “fora da caixa” pode ser um grande aliado para encontrar caminhos alternativos na resolução de problemas e no desenvolvimento de produtos inovadores. Porém, é preciso ter em mente que muitas vezes o cientista de dados é o responsável por identificar informações valiosas em meio a um grande volume de dados analisados e processados nas empresas. Essa sensibilidade para detectar padrões e fazer predições é importante para ter insights sobre a operação da companhia ou o comportamento de clientes. Quando os profissionais são capazes de destravar o valor intrínseco no meio de milhões de informações isso pode gerar altíssimo valor para os negócios.

* Leonardo Dias é CDO e cofundador da Semantix, empresa especializada em Big Data, Inteligência Artificial, Internet das Coisas e Análise de dados.

via Canaltech

Gerenciador de Tarefas do Windows 10 vai passar a mostrar dados da GPU

Na última quarta-feira (21), a Microsoft iniciou o teste de uma ferramenta que certamente era aguardada por muitos usuários do Windows 10: a possibilidade de analisar o desempenho da sua placa de vídeo diretamente do Gerenciador de Tarefas do novo sistema operacional.

A novidade em questão faz parte do Windows 10 Insider Preview Build 16226, e como já acontece com o processador, o armazenamento e a rede, vai mostrar dentro da aba Desempenho alguns detalhes importantes sobre o hardware, como a quantidade de memória utilizada para trabalhar com vídeos, exibir conteúdo voltado à realidade virtual e outros detalhes.

Para aqueles que estão mais interessados em jogos, essa área também vai contar com um indicador que mostra quanto da placa está sendo consumido para rodar o game, bem como o uso das memórias dedicada e compartilhada da GPU.

Área dentro do Gerenciador de Tarefas onde será possível encontrar as informações sobre a GPU

Ajuda da comunidade

Em uma mensagem publicada no blog oficial do Windows, Dona Sarkar, engenheiro de software da empresa de Bill Gates, mencionou que tais novidades ainda estão em desenvolvimento, e que por isso os usuários podem encontrar algumas falhas. Caso isso aconteça, ele pede para que o público compartilhe suas experiências com o time utilizando o Feedback Hub pelo caminho Desktop Environment > Task Manager.

via Novidades do TecMundo

Os 3 passos para alcançar a fartura de dados

dados

Para Donald Feinberg, vice-presidente e analista do Gartner, daqui a poucos anos todos os processos e decisões empresariais serão baseados em análise de dados. Mas, para isso, é necessário que as companhias sigam três passos importantes.

O primeiro deles é a criação de uma equipe voltada para isso, liderada por um Chief Data Officer (CDO). Este executivo é responsável por supervisionar as iniciativas de análise e governança de dados, definir estratégias para estas análises e garantir credibilidade das informações. Trata-se de uma liderança descentralizada em que o CDO desempenha um grande papel na estratégia organizacional da empresa.

O segundo passo e talvez o mais óbvio é a adoção de tecnologias mais modernas, como a virtualização de dados. Este ponto é essencial para conseguir trabalhar com a quantidade e variedade de dados. Para o executivo, a obtenção de uma boa infraestrutura de gerenciamento de dados requer coleta e conexão. Até 2018, o Gartner prevê que as organizações com recursos de virtualização de dados gastarão 40% menos na construção e gerenciamento de processos de integração de dados para conectar ativos de informação.

“Coletar e segurar dados garante a confiabilidade de processos de missão crítica enquanto conectar-se a dados permite suportar requisitos em tempo real, lidar com escala maciça e distribuição e dar apoio a uma rápida experimentação", comentou.

Por fim, o terceiro passo é aumentar a contribuição interna e transformar a governança de dados em um facilitador de negócios. A gestão precisar ser colaborativa, ágil, flexível e orientada a negócios.

Com informações do Gartner e Computerworld.

via Canaltech

Novo golpe utiliza cupom de desconto falso do Uber para roubar dados de vítimas

Campanha de phishing por e-mail já afetou mais de 40 mil usuários no Brasil, segundo a ESET que identificou a ameaça no último sábado

via IDG Now!

SanDisk Ultra: cartão microSD permite armazenar até 256 GB de dados

Ficou interessado em adquirir o acessório? Ele estará disponível no Brasil ainda em 2017

Em diversas ocasiões, donos de smartphones acabam encontrando problemas de espaço para armazenar seus conteúdos, sejam eles vídeos, imagens, músicas ou qualquer outra coisa. Pensando em dar uma força a esse público, a SanDisk anunciou o lançamento de um novo modelo de microSD voltado para dispositivos móveis que chega em 2017 e promete dar uma boa ajuda no que diz respeito ao aumento de memória do aparelho.

Anunciado recentemente, o SanDisk Ultra tem como diferencial a possibilidade de permitir que o usuário armazene até 256 GB de informação, além de possuir especificação A1 – e esta dá ao cartão a possibilidade de gerenciar o acesso aleatório da entrada-saída por segundo (IOPS) de leitura de 1.500 IOPS de gravação de 500, abrindo aplicativos rapidamente e processando tarefas de acompanhamento, como áudio, gráficos, perfis salvos e permissões em aplicativos.

Leia mais…

via Novidades do TecMundo

SanDisk Ultra: cartão microSD permite armazenar até 256 GB de dados

Ficou interessado em adquirir o acessório? Ele estará disponível no Brasil ainda em 2017

Em diversas ocasiões, donos de smartphones acabam encontrando problemas de espaço para armazenar seus conteúdos, sejam eles vídeos, imagens, músicas ou qualquer outra coisa. Pensando em dar uma força a esse público, a SanDisk anunciou o lançamento de um novo modelo de microSD voltado para dispositivos móveis que chega em 2017 e promete dar uma boa ajuda no que diz respeito ao aumento de memória do aparelho.

Anunciado recentemente, o SanDisk Ultra tem como diferencial a possibilidade de permitir que o usuário armazene até 256 GB de informação, além de possuir especificação A1 – e esta dá ao cartão a possibilidade de gerenciar o acesso aleatório da entrada-saída por segundo (IOPS) de leitura de 1.500 IOPS de gravação de 500, abrindo aplicativos rapidamente e processando tarefas de acompanhamento, como áudio, gráficos, perfis salvos e permissões em aplicativos.

Leia mais…

via Novidades do TecMundo

Vírus que está circulando pelo WhatsApp pode roubar seus dados pessoais

WhatsApp

Os hackers não tiram férias, por isso você deve estar sempre ligado nos novos golpes que circulam pela web. A novidade da vez é um vírus que está sendo disseminado no WhatsApp e pode roubar dados pessoais dos usuários, incluindo dados bancários, códigos PIN e credenciais de acesso.

A contaminação acontece por meio da abertura de arquivos maliciosos enviados pelo aplicativo de mensagens. Até agora, dois tipos diferentes do vírus foram identificados, ambos originários da Índia, mas relatórios indicam que eles podem se espalhar por diversas regiões do mundo.

Para atrair as vítimas, as mensagens infectadas citam nomes de organizações governamentais indianas, como a NDA (National Defense Academy) ea NIA (National Investigation Agency), visando dar mais credibilidade ao arquivo. Uma vez instalado no dispositivo móvel do usuário, o software consegue acessar informações confidenciais.

Os dois vírus estão escondidos em arquivos do Excel e são nomeados como "NDA-ranked-8th-toughest-College-in-the-world-to-get-into.xls" e "NIA-selection-order-.xls". No entanto, é bom ficar alerta, pois uma versão nacional do golpe pode aparecer a qualquer momento, seguindo as tendências de hackers gringos, uma vez que o Brasil é um dos maiores adeptos do WhatsApp.

Via IBTimes

via Canaltech

EUA agora pedem dados de redes sociais para turistas estrangeiros

Medida foi criticada por diversos grupos de proteção dos direitos civis, que preveem que comunidades árabe e muçulmana serão prejudicadas.

via IDG Now!

Pedidos de governo por dados de usuários no Facebook subiram 27% em 2016

Facebook

O Facebook divulgou nesta quarta-feira (21), que os pedidos de governos para a divulgação de dados de usuários da rede social subiu 27% no primeiro semestre de 2016 em relação à segunda metade de 2015.

O levantamento da rede social apontou que as requisições subiram de 46,7 mil no segundo semestre de 2015 para 59,2 mil nos seis primeiros meses deste ano. Para completar, mais da metade deste número envolveu ordens de não notificar os usuários sobre a liberação de seus dados às agências de investigação.

De acordo com a empresa de Mark Zuckerberg, as agências de investigação dos Estados Unidos foram as primeiras da lista entre as organizações que mais pediram informações.

O Facebook também divulgou em seu relatório que pedidos de restrição de conteúdo devido à violação de leis regionais, caíram 83% na segunda metade de 2015. Por outro lado, os ataques terroristas em Paris, em novembro de 2015, serviram para escalar os pedidos que apareceram no início de 2016.

Pela primeira vez, o Facebook forneceu informações sobre os pedidos do governo para a preservação de informações relevantes das contas dos usuários.

A empresa recebeu 38.675 pedidos de preservação de 67.129 contas.

Fonte: Fortune

via Canaltech

Agência reguladora de dados de usuários na web é possibilidade, diz deputado

Segurança Online

A definição de uma legislação para proteção de dados pessoais na Internet ainda é uma novela em aberto no Brasil. Mesmo com a aprovação do Marco Civil em 2014, muitas questões ainda ficaram sem respostas e novas leis são discutidas para definir impasses entre os usuários, serviços na web e até mesmo operadoras. Além disso, também se discute a possibilidade da criação de uma agência destinada a lidar com assuntos de proteção de dados.

Um dos maies recentes projetos do gênero está em análise na Câmara dos Deputados. O Projeto de Lei 4060/12 estabelece regras inéditas no uso de informações dos internautas brasileiros, impactando, inclusive, as lojas virtuais.

Segundo o deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), as discussões na câmara envolvem inclusive a possibilidade de se criar uma agência reguladora a fim de fiscalizar o uso de dados pessoais.

De acordo com o deputado, em entrevista ao portal e-commerce Brasil, a discussão dos dados pessoais dos usuários é uma questão de responsabilidade civil que abrange todos os setores produtivos, inclusive o varejo online, que lida com dados sensíveis dos usuários, como endereços, CPF, números de cartão de crédito

"Qual é o alcance do conceito de dados sensíveis? Ele é mais extenso ou menos extenso? Dados anônimos, dados anonimizados, precisamos saber até onde você pode expor a privacidade das pessoas, e isso é muito controverso porque pode limitar ou criar a facilidade de compra. As regras para transferência internacional de dados também, isso é muito importante para integrar o Brasil ao sistema internacional", afirmou Silva.

Ao falar sobre a possibilidade de criar uma agência reguladora para acompanhar assuntos de proteção de dados, o deputado afirmou que o projeto em apreciação inicialmente faz referência a uma autoridade competente, mas não cria especificamente o órgão autoridade de controle.

"Considerando que projeto veio do poder executivo é que eu admito a criação de autoridade, pois a criação de um órgão público só pode ser feito a partir da iniciativa Legislativa do Poder Executivo. Defendo criar um órgão enxuto, que tenha uma que tenha certa autonomia. Por isso eu imagino que seja uma agência", afirmou.

A criação de uma entidade dedicada à parte de dados também poderia ser uma forma de lidar com assuntos sensíveis como investigações e entraves em redes sociais, como por exemplo as batalhas entre serviços como WhatsApp e a justiça brasileira, o que chegou a temporariamente tirar do ar estes apps.

"Esse é um tema para ver. Evidentemente, de ação penal do Brasil de processo penal do Brasil que tem tela por que a invenção do funcionamento do Facebook durante do WhatsApp durante um período em função de uma decisão judicial na que seria na instrução Militar do processo penal eu diria que esse é um tratamento merece um tratamento a parte do tratamento que nós vamos além de projetos assim como tema de defesa Nacional merece um tratamento a parte do que vai ser feito nesse projeto", finalizou Silva.

Fonte: E-commerce Brasil

via Canaltech