Laboratório usa realidade virtual para melhorar experiência da vacinação infantil

Ação desenvolvida pela Ogilvy Brasil leva crianças a universo lúdico em 360 graus. Pacientes são convidados a se tornarem heróis enquanto tomam a vacina


A experiência da vacinação pode ser traumática para muitas crianças, mas um laboratório no Brasil acredita que pode mudar isso usando realidade virtual.

A pedido do laboratório Hermes Pardini, a agência de publicidade Ogilvy Brasil desenvolveu a campanha “VR Vacina”. Quando chega no laboratório para ser vacinada, a criança entra na sala e logo recebe um óculos de VR. Enquanto assiste ao vídeo, o enfermeiro prepara a vacina. 

Entretida com a animação em 360 graus, a criança se vê imersa dentro de um universo lúdico no qual um personagem pede sua ajuda para salvar todo o reino transformando-a num herói. 

O momento que a criança vê o personagem colocando o “poder especial” em seu braço é, na verdade, o instante em que o enfermeiro aplica a vacina. Em vez de a criança chorar, a maioria se diverte com a aventura, afirmam os criadores da ação durante os testes para a campanha. 

“O que é mais interessante nessa ideia é que conseguimos dar a tecnologia de realidade virtual a uma utilidade prática, que resolve um problema e cria uma oportunidade de negócio para o cliente, o primeiro a oferecer esse tipo de serviço. E, o melhor de tudo, as crianças não choram”, diz Cláudio Lima, VP nacional de criação da Ogilvy Brasil.  

A previsão é que, ainda no mês de junho, a ação seja replicada para as demais unidades próprias do Hermes Pardini em São Paulo, Minas Gerais e Goiânia.  

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=P9JwAH0298w]

 

via IDG Now!

Aprenda a ganhar dinheiro com ajuda da tecnologia sem sair de casa

Em época de crise econômica, qualquer maneira de ganhar uma grana extra é bem-vinda! Nesse aspecto, a tecnologia pode dar um empurrãozinho para quem deseja melhorar a situação financeira. Tudo isso, sem exigir muito esforço!

Por isso, o TecMundo organizou uma lista com sete dicas para você fazer um dinheirinho sem levantar do sofá, com apenas alguns toques! Confira:

Alugue um espaço livre

Viajar é bom demais, não é mesmo? Mas os custos envolvidos podem ser altos e as diárias de um hotel podem não estar valendo a pena na conta final.

É aí que você entra: aplicativos como Airbnb, por exemplo, têm a proposta de gerar oportunidades de renda extra para quem possui um quarto vago para alugar e até mesmo uma casa livre pela semana.

A comunidade de aluguel de espaços registrou 80 milhões de hóspedes no mundo em 2016 e trouxe uma renda anual de até R$ 7 mil para anfitriões em cidades como o Rio de Janeiro!

Quer mais? Tem mais espaço sobrando em casa? Aplicativos como ParkingAki e ezPark permitem ao usuário alugar a sua vaga de garagem, oferecendo mais uma renda complementar para o dono.

Mostre seus dons culinários

Você é conhecido por seus amigos como o “próximo Masterchef”? Montar um restaurante está difícil? Você pode ganhar algo oferecendo experiências para desconhecidos, cozinhando para outras pessoas na sua própria casa.

Aplicativos como o Meal Sharing e o Dinneer tornam aquela famosa receita de família uma experiência única para se conectar com outras pessoas pela gastronomia e ainda sair ganhando com isso!

Empreste o que não estiver usando

Sabe aquele vestido que você nunca mais usou ou a prancha de surfe que você comprou, mas depois descobriu que não tem habilidades aquáticas? Plataformas como a Alooga podem trazer uma grana adicional ao final do mês emprestando esses objetos. Os preços e o tempo são definidos pelos proprietários e o aplicativo cuida de todo o resto.

Desapega, desapega…

Não, esse não é um patrocínio daquela empresa cujo nome você já deve saber. Mas fazer uma grana vendendo produtos pode ser uma ótima ideia!

Plataformas como o Skina, o Enjoei ou até mesmo o próprio OLX podem ser uma mão na roda para você mandar fora aquele video game parado, a câmera fotográfica guardada na gaveta ou aquele tênis que não te agrada mais!

Transforme a despesa do seu carro em renda

Ter o carro próprio traz muitas vantagens! Mas se levarmos em conta os custos como IPVA e DPVAT, seguro, revisões, manutenções periódicas e os gastos com combustível, estamos falando de um preço altíssimo e que pode chegar a mais de um terço do valor do veículo por ano.

Tendo isso em mente, que tal disponibilizar seu possante em uma comunidade de aluguel de carros? A Moobie tem a proposta de gerar renda adicional com o seu carro parado e criar uma alternativa de transporte para quem estiver precisando do veículo para um final de semana na praia ou para um evento especial.

Se você estiver disposto a trabalhar fora, plataformas como Uber e Cabify também são boas pedidas para ganhar dinheiro e de quebra sair da rotina!

Au-au! Ganhe cuidando do melhor amigo do homem

Para aqueles que amam os animais, há uma alternativa para transformar o “au-au” em “tu-tu”, ou melhor, um dinheirinho extra.

A Dog Hero é um exemplo de plataforma colaborativa que oferece a oportunidade para anfitriões que se propõem a cuidar de cães enquanto os donos não podem estar com os bichinhos. Os parceiros passam por um processo rigoroso de seleção e podem ganhar de R$ 25 a R$ 80 por diária.

Casa de câmbio ambulante

Sabe aqueles dólares que sobraram da última viagem e ficaram parados na sua carteira ou aquele iene que você nunca mais vai usar na vida? Você também pode ganhar alguns reais os trocando!

O Monepp é um aplicativo que facilita o encontro de pessoas interessadas em trocar moedas. Você pode criar sua própria cotação em mais de 162 moedas (incluindo bitcoins) e, caso alguém tenha interesse, conversar e combinar com o comprador pelo chat da plataforma e fazer a entrega!

Depois dessas dicas, você pode virar o próximo milionário, ou quase. Brincadeiras à parte, algumas dessas plataformas são gratuitas. Mas fique atento, pois outras podem cobrar uma pequena taxa pelo serviço.

Gostou das sugestões ou tem mais alguma plataforma para indicar? Diga para nós na seção dos comentários!

E se o TecMundo fizesse eventos presenciais para discutir os temas mais interessantes relacionados a tecnologia? Cadastre-se no TecSpot e saiba tudo em primeira mão!

via Novidades do TecMundo

Motorola está trabalhando em um novo tablet com Android

Motorola

Depois de vários anos, a Motorola finalmente está planejando lançar um tablet. Ao menos é o que garantem fontes ligadas ao site Android Police, responsável por trazer a novidade à tona em uma publicação feita na tarde desta quinta-feira (4). Segundo a notícia, um contato interno na Motorola inclusive trouxe uma foto da tela (confira logo abaixo) na qual é possível ver um dos possíveis recursos presentes no gadget.

O dispositivo teria entre 9 e 10 polegadas, além de um aspecto premium. Ou seja, a Lenovo/Motorola não deve vir para brincadeira, apresentando logo de cara um tablet capaz de bater de frente com os grandes nomes do setor. Apesar disso, a informação ainda é bastante recente, o que significa nenhum rumor extra, como tipo de processador, quantidade de memória ou espaço para armazenamento.

Foto da tela de suposto novo tablet da Motorola. (Foto: Reprodução/Android Police)

Porém, é possível tirar algumas conclusões a partir do foto, que mostra o tablet operando em um modo de produtividade. Isso sugere, por exemplo, suporte para um teclado físico, transformando o gadget em uma espécie de tela de notebook. Este modo de utilização do sistema é bem semelhante ao existente no Yoga Book, um notebook da Lenovo.

Na imagem, é possível notar ícones fixados na barra de tarefas, tal qual em um computador com Windows ou mesmo o Chrome OS, reforçando a ideia de que ele ganharia suporte para teclado e mouse. Assim, podemos perguntar se o novo tablet da Motorola seria um híbrido destacável ou apenas um tablet convencional com suporte para acessórios?

Caso a novidade seja confirmada, seria o primeiro tablet da Motorola desde o Motorola Xyboard (também conhecido como Xoom 2), lançado em dezembro de 2011.

Via Android Police

via Canaltech

Veja o foguete que vai colocar o satélite geoestacionário brasileiro em órbita

Ariane 5 ECA

O primeiro Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC) do Brasil vai para o Espaço nesta quinta-feira (4). Segundo o governo federal, o SGDC vai não apenas servir para ampliar a capacidade de comunicações estratégicas do país, mas também pode incrementar a oferta de banda larga por aqui.

Depois de alguns adiamentos, o satélite vai entrar em órbita, e o responsável por levá-lo até os ares será o veículo lançador Ariane 5 ECA. De origem francesa, ele já realizou 91 missões desde que o programa foi inaugurado, em 1996 — este será o segundo lançamento apenas neste ano.

O lançador é o maior foguete já fabricado por um país europeu, sendo referência mundial quando o assunto é o transporte de carga. A sua capacidade máxima para a órbita geoestacionária é de 10 toneladas, mas ele é capaz de levar até mais de 20 toneladas para órbitas inferiores. Além de carregar o SGDC brasileiro, o Ariane 5 ECA vai transportar também o satélite sul-coreano Koreasat-7.

Detalhes do lançador que vai levar o satélite brasileiro ao Espaço. (Foto: Divulgação/MCTIC)

O lançamento acontece ainda nesta quinta-feira, em algum momento entre às 17h30 e às 20h20, horário de Brasília. A missão deve ter duração nominal de aproximadamente 35 minutos, informa o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Via Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações

via Canaltech

Android ganha 8,4 mil malwares por dia; saiba como proteger seu celular

Os especialistas em segurança da G Data esperam cerca de 3,5 milhões de novos arquivos de malware para Android em 2017

Segundo informou a empresa de segurança G Data, cerca de 8,4 mil novos malwares para o sistema operacional Android são descobertos diariamente, o equivalente a um a cada 10 segundos. Porém, após um novo recorde negativo global de mais de 3,2 milhões de novos arquivos de malware para Android em 2016, o ano de 2017 teve um início bem mais lento em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior.

Ainda assim, até agora, são 750 mil novos malwares contados pela G Data no primeiro trimestre do ano, fazendo com que o risco de infecção em dispositivos com sistema Android seja bastante alto. O crescimento desse número deve acelerar e, ao todo, os especialistas em segurança da G Data esperam cerca de 3,5 milhões de novos arquivos de malware para Android em 2017.

Versão mais afetada

De todas as edições do Android, a Lollipop é a que mais possui malwares que a afetam, sendo alvo de 32% de todos os arquivos maliciosos. Em segundo lugar vem a Marshmallow, com 31,2% e em terceiro a KitKat, com 20%. Apesar de já bem difundida, a versão Nougat do sistema operacional é afetada por apenas 4,9% dos malwares, uma quantidade que deve crescer bastante durante o ano de 2017.

As falhas de segurança são não somente um problema constante com PCs que usam Windows

No setor mobile, a necessidade de atualizações em momentos certos está aumentando. As falhas de segurança são não somente um problema constante com PCs que usam Windows, mas também entre smartphones e tablets.

Como se proteger?

Evite clicar em links cuja procedência você não conhece, não abra arquivos recebidos de pessoas estranhas e não acesse conteúdos que parecem estranhos

A melhor maneira para evitar que o seu smartphone seja contaminado por algum malware é mantendo o seu sistema operacional sempre atualizado e, claro, dar preferência para versões mais novas do Android. Você também pode baixar um aplicativo de segurança. Esse app deve possui um sistema de varredura antivírus que busque cavalos de Troia e arquivos maliciosos, além de proteção contra phishing.

Mais importante do que tudo isso é tomar cuidado e ficar atento com o que pode ser uma ameaça disfarçada. Evite clicar em links cuja procedência você não conhece, não abra arquivos recebidos de pessoas estranhas e, mesmo entre quem você conhece, não acesse conteúdos que parecem estranhos por terem sido enviados por usuários específicos.

via Novidades do TecMundo

NASA seleciona equipes em Hackathon realizado em quatro cidades do Brasil

Trabalhar em um projeto da NASA não é para qualquer um, não é mesmo? Mas alguns brasileiros conseguiram esse feito no hackathon “NASA’s International Space Apps Challenge 2017” e estão selecionados para a etapa mundial da maratona de programação, que acontecerá nos Estados Unidos.

Nos dias 29 e 30 de abril, equipes de programadores, designers e profissionais de diversas áreas de desenvolvimento de softwares de Curitiba (PR), Maringá (PR), Recife (PE) e Serra (ES) idealizaram e programaram soluções que pudessem atender às necessidades globais aplicáveis à vida na Terra e no espaço.

As equipes foram formadas por cinco pessoas que tinham que desenvolver projetos inovadores de acordo com seis macrotemas, que eram também divididos em subtemas específicos, todos – obviamente – relacionados a assuntos espaciais.

Segundo a organização, na cidade de Curitiba, participaram 258 pessoas; em Maringá, foram 228; em Recife, 49; e em Serra foram 242 competidores.

De cada um dos municípios brasileiros, dois projetos inovadores se consagraram vencedores e vão participar do evento global. Além dos grupos ganhadores durante os dias do evento, cada cidade terá uma terceira equipe que será escolhida pelo voto popular.

Desde sua criação, em 2012, o “NASA’s Internacional Space Apps Challenge” tornou-se o maior hackathon do mundo. Na edição de 2017, segundo o site da agência, foram produzidos 1.980 projetos entre todas as cidades participantes.

E se o TecMundo fizesse eventos presenciais para discutir os temas mais interessantes relacionados a tecnologia? Cadastre-se no TecSpot e saiba tudo em primeira mão!

via Novidades do TecMundo

Nokia comemora dia de Star Wars com teaser de seus smartphones com Android

Aproveitando as comemorações do dia de Star Wars, a Nokia lançou um vídeo temático para dar um gostinho de seus vindouros smartphones Nokia 3, 5 e 6 e até do feature phone Nokia 3310 – todos anunciados durante a MWC. O trailer não é exatamente um anúncio e as datas específicas das novidades continuam desconhecidas, mas a empresa também usou seu perfil oficial no Twitter para falar para os fãs que deve lançar alguns dispositivos nos próximos meses.

Por enquanto, ainda não há muitas informações a respeito dos aparelhos Android que a Nokia vai trazer ao mercado, mas especula-se que o suposto top de linha da empresa vai ser lançado ainda este ano e virá com um processador Snapdragon 835 e com 4 ou 6 GB de RAM. Segundo o tweet da companhia em resposta a um fã, os próximos lançamentos estão previstos para maio e junho.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=h-2ZpmfjY74?start=0]

E aí, o que você espera dos próximos smartphones da Nokia? O que achou do vídeo em homenagem ao dia de Star Wars? Deixe sua opinião nos comentários e que a Força esteja com você.

via Novidades do TecMundo

Brasil perde posto de iPhone mais caro do mundo para a Turquia

Segundo novo levantamento do Deustche Bank, país agora foi para a segunda colocação. Completam o Top 5 Rússia, Grécia e Polônia.


Após anos e anos de liderança incontestável, o Brasil surpreendentemente perdeu o posto de ‘iPhone mais caro do mundo’, segundo o novo relatório anual “Mapping the World’s Prices”, do Deutcsche Bank. As informações são do Business Insider.

De acordo com o levantamento do banco alemão, o Brasil caiu para a segunda colocação no ranking de ‘iPhone Mais Caro do Mundo’, que agora tem a Turquia em um primeiro lugar. 

Além da alta do dólar pelo mundo, a instabilidade política da Turquia também contribuiu para essa mudança nas primeiras posições do ranking. 

Um iPhone 7 custa cerca de 1.200 dólares na Turquia, um pouco mais do que os 1.115 dólares, em média, do Brasil, segundo o relatório – os preços são referentes ao iPhone 7 de 128GB. O top 5 traz ainda Rússia, Grécia e Polônia, todos com preços acima dos 1 mil dólares. 

“Se você estiver na Turquia, Brasil, Rússia ou Grécia em um feriado, tente evitar a Apple Store, uma vez que os iPhones nesses países custam entre 25% e 30% a mais do que nos EUA, que continua sendo o lugar mais barato para comprar o aparelho”, afirma o estrategista do Deustche Bank, Jim Reid.

Confira abaixo as primeiras 15 posições do ranking do iPhone Mais Caro do Mundo, do banco alemão.

 

rankingiphone2017.jpg

via IDG Now!

Órgão dos EUA coletou 151 milhões de gravações telefônicas em 2016

Em junho de 2015, o congresso norte-americano aprovou uma lei conhecida como USA Freedom Act, na qual foram impostos alguns limites para a obtenção de dados de telecomunicações pelos órgãos de inteligência dos Estados Unidos, incluindo aqui a Agência de Segurança Nacional. Mesmo com essa barreira, essa divisão do governo teve acesso a 151 milhões de gravações contidas em celulares em 2016.

Segundo informações que estão correndo a rede, os dados em questão estão associados a números referentes a ligações (incluindo aí tempo, duração e tanto o número de quem fez a chamada quanto o de quem a recebeu) e, aparentemente, são menores se comparados ao período anterior às revelações feitas por Edward Snowden – um estudo feito em 2014 revelou que era possível obter “bilhões de gravações por dia” no ano mencionado.

E quais eram os limites?

Por conta do USA Freedom Act, a Agência Nacional de Segurança poderia coletar dados somente de pessoas que fossem consideradas suspeitas de ligação com o terrorismo. Porém, no ano passado a agência recebeu garantias de apenas 46 suspeitos que se enquadraram nesse perfil.

Outro detalhe mencionado pela agência é o fato de que os “151 milhões” não significam, necessariamente, essa mesma quantidade de pessoas, já que muitos desses dados foram coletadas de um mesmo número. A quantidade exata de indivíduos investigados? Infelizmente não há nenhuma informação sobre esse dado, mas o órgão revela que isso explica a discrepância entre o pequeno número de garantias obtidas e o grande número de gravações.

E se o TecMundo fizesse eventos presenciais para discutir os temas mais interessantes relacionados a tecnologia? Cadastre-se no TecSpot e saiba tudo em primeira mão!

via Novidades do TecMundo

Google acusa Uber de criar empresa falsa para roubar tecnologia de carro autônomo

No mais recente capítulo de uma disputa que começou em fevereiro, a Waymo acusa o Uber de montar uma empresa apenas para roubar a tecnologia de carro autônomo que o Google estava desenvolvendo. A alegação vem depois de o Uber se defender nos tribunais com argumentos como o de que os documentos referentes à tecnologia não foram armazenados em seus computadores, não havendo, portanto, prova de seu envolvimento no caso.

A história toda foi explicada aqui, mas eis um resumo: em 2016, o Uber comprou uma startup focada em caminhões autônomos; porém, o principal nome por trás da Otto, como era chamada a empresa, é Anthony Levandowski, engenheiro que trabalhou justamente no carro autônomo do Google. Ele saiu da empresa para montar o negócio, mas teria levado antes documentos sigilosos relacionados à tecnologia do projeto.

Waymo

O projeto de carro autônomo do Google continua em desenvolvimento, mas, agora, a divisão se chama Waymo. O suposto vazamento foi descoberto quando a empresa recebeu um email de um fornecedor de peças que continha detalhes confidenciais de uma placa de circuito usada no veículo. Aparentemente, o email chegou à Waymo por engano, pois o destinatário principal era o Uber.

Depois desse episódio, uma investigação interna foi iniciada. Com base nela, a Waymo descobriu que, seis meses antes de sair do Google, Levandowski baixou em seu notebook pessoal mais de 14 mil arquivos relacionados ao projeto. Alguns meses depois, Levandowski criou a Otto.

Não poderia haver outra consequência: o Uber foi levado aos tribunais. Inicialmente, a companhia simplesmente negou as acusações, mas, vendo que não era suficiente, mergulhou no assunto para tentar encontrar elementos eficazes de defesa.

Como a Waymo já conseguiu reunir evidências de que Levandowski baixou mesmo os 14 mil arquivos, mas ainda não provou que esse material foi usado pela Otto, o Uber passou a alegar que não tem envolvimento com o vazamento.

Mas, para a Waymo, há envolvimento, sim: seus advogados afirmam que a Otto teria sido montada justamente para ser comprada pelo Uber. Nesse sentido, a startup cumpriu o papel de encobrir o plano principal — o suposto roubo de tecnologia. Como possível evidência, os advogados citaram um acordo que teria feito Levandowski receber mais de US$ 250 milhões em ações do Uber apenas um dia depois de sair do Google.

O CEO do Uber Travis Kalanick (esquerda) e Anthony Levandowski

O CEO do Uber Travis Kalanick (esquerda) e Anthony Levandowski

Apesar dos esforços da Waymo, ainda não há provas contundentes contra o Uber. A defesa alega, por exemplo, que a concessão de ações a Levandowski foi feita na data de aquisição da Otto, em agosto de 2016, mas a operação foi retroativamente datada para janeiro do mesmo ano (época em que Levandowski saiu do Google), uma prática relativamente comum — é como se o Uber quisesse compensar Levandowski pelo tempo de existência da Otto.

Muitas pedras ainda vão rolar nessa história. Os juízes que analisam o caso estão bastante cautelosos, naturalmente, para evitar equívocos — talvez o Uber tenha gastado bastante dinheiro com o negócio na intenção apenas de contratar um engenheiro com grande domínio do assunto, por exemplo.

Se considerada culpada, porém, o Uber poderá ter que pagar indenizações gigantescas e ser forçada a descontinuar seu projeto de veículo autônomo.

Com informações: Ars Technica, Engadget

Google acusa Uber de criar empresa falsa para roubar tecnologia de carro autônomo

via Tecnoblog