Óculos inteligentes têm ‘lentes líquidas’ para fazer foco automático

Invenção pretende facilitar a vida de quem sofre de presbiopia

O professor de engenharia elétrica e da computação Carlos Mastrangelo, da Universidade de Utah, nos EUA, publicou nesta semana um artigo científico descrevendo como ele construiu o primeiro par de óculos com lentes líquidas para resolver o problema de portadores de presbiopia. Ele mesmo sofre da doença e demonstrou na CES 2017 a sua criação.

Esse aparelho serve para evitar que as pessoas afligidas pela presbiopia tenham que trocar óculos o tempo todo

Leia mais…

via Novidades do TecMundo

SBT, Record e Rede TV podem levar programação para o Netflix

Netflix Hotel

A Simba, joint-venture formada pelos canais de telvisão aberta SBT, Record e Rede TV, estão em negociações com a Netflix. O plano das emissoras ao abrir diálogo com o serviço de streaming é o de levar seus conteúdos originais para dentro da plataforma de vídeo sob demanda.

Segundo destacou o colunista Ricardo Feltrin, do UOL, a manobra dos canais abertos é uma declarada provocação com as operadoras de TV por assinatura, que se recusam a pagar royalties pelo sinal HD dos três canais, mesmo que eles sejam incluídos em seus pacotes de TV paga.

De acordo com o colunista, caso o acordo seja fechado, a Netflix poderá disponibilizar programas do SBT, Record e RedeTV! como novelas, produtos jornalísticos, materiais especiais e linha de shows. Para os canais abertos, a vantagem é que eles receberiam royalties do serviço de streaming.

A Simba também já decidiu que vai negociar da mesma forma com outros serviços de streaming como a Amazon, concorrente do Netflix.

Caso a Netflix leve adiante a proposta de levar programas de TV aberta para dentro de sua plataforma, isso acirraria ainda mais a guerra da empresa com as operadoras de TV a cabo, que sofreram nos últimos anos devido ao crescimento da empresa norte-americana. Nos últimos dois anos, as operadoras de Tv a cabo perderam mais de 1 milhão de assinantes, e o Netflix teve participação nisso.

A Netflix é uma das empresas mais “combatidas” pelas operadoras, que a acusam de usar e ocupar banda larga demais com streamings de filmes e seriados, sem serem cobradas por usar este alto tráfego de internet.

Plataformas como Netflix, WhatsApp e Spotify são alguns dos nomes colocados no centro da discussão sobre o uso ilimitado de banda larga no país, que chegou a ser ameaçado no ano passado, quando a Anatel sugeriu a implementação de franquias nos pacotes de banda larga fixa.

No Brasil desde 2011, o Netflix vem em uma curva ascendente de crescimento que já ultrapassa os segmentos mais tradicionais de televisão no país, na frente de alguns canais abertos de televisão e provedores de TV a cabo. Segundo o portal Notícias da TV, especializado no mercado de televisão, o serviço de streaming já tem uma base de assinantes pagantes com mais de 6 milhões de pessoas, ultrapassando a marca de empresas como Sky, ficando atrás apenas da NET, que tem 7 milhões de assinantes.

Na parte de faturamento, a empresa também está em alta. De acordo com o levantamento realizado pelo portal, o Netflix já possui no país uma receita anual estimada em R$ 1,290 bilhão, valor acima do que canais abertos como o SBT arrecadam em um ano. Os números foram calculados através de loggins na internet, tráfego de dados e pesquisas de mercado. De acordo com o estudo, a Netflix tinha 3,2 milhões de assinantes em outubro de 2015, e saltou para 6 milhões em setembro de 2016.

Fonte: UOL

via Canaltech

Cientistas transformam celular em laboratório de análise de DNA

projeto-que-usa-celulares-para-ler-dna

(Divulgação | UCLA, Universidade de Estocolmo e Universidade de Uppsala)

Quantas vezes você já viu um DNA sendo analisado? Não uma análise qualquer jogada em um livro didático, ou uma foto do Google Images, mas uma hélice específica, do seu DNA, dissecada? Nenhuma? Uma? Existe um motivo pra isso.

Esses processos são extremamente complicados e custam um bocado; diversos equipamentos de alta tecnologia são necessários para que ele seja concluído. Acaba ficando muito caro para um laboratório bancar – e, logo, muito caro para você bancar. Mas um grupo de cientistas dos EUA e da Suécia está trabalhando para transformar essas toneladas de tecnologia em algo que dê para levar no bolso. Na verdade, é provável que você esteja fazendo isso agora mesmo.

O estudo, publicado pela revista Nature, mostra que os pesquisadores encontraram um jeito de transformar celulares em pequenos laboratórios portáteis, usando um pequeno equipamento que lembra capinhas protetoras. Tudo por US$ 500 – muito menos do que equipamentos tradicionais que giram em torno dos US$ 10 mil.

O processo é complexo, mas fácil de entender: como você já sabe, moléculas de DNA são pequenas demais para enxergarmos, mesmo com uma câmera de celular. A sacada dos pesquisadores foi, então, usar um componente químico que multiplica milhares de vezes a sua amostra de DNA. Como, ainda assim, as imagens podem não ficar muito claras, o conteúdo é exposto a componentes que, em contato com um laser, alteram a cor do DNA; se ele se comportar normalmente, o punhado de moléculas que o formam começará a emitir um brilho verde. Por outro lado, se houver algum tipo de mutação, aquele pedaço específico da amostra fica vermelho. Essa coloração toda já pode ser captada pela câmera do celular – e servir como base para diagnósticos.

Equipamento-leitor-de-DNA-celular

(Divulgação | UCLA, Universidade de Estocolmo e Universidade de Uppsala)

Sabendo em que partes do código genético acontecem as mutações (e quais são elas), médicos podem entender por que motivo determinado medicamento não está fazendo efeito, por exemplo. Mais do que isso, o resultado da análise sai em algumas horas, frente aos dias que um laboratório pode levar para entregar esses dados. Em doenças fatais, esse tipo de entendimento, e velocidade, pode salvar uma vida.

LEIA: Os híbridos de porcos e humanos não são tão promissores – ainda

O projeto ainda tem seus problemas. A ideia foi toda desenvolvida em torno de um único modelo de celular, o Nokia Lumia 1020. Isso porque o aparelho tem uma câmera com 41 megapixels (só pra efeito de comparação, o iPhone 7 e o Samsung S7 têm 12 MP cada). Ou seja, a dependência em torno do produto pode limitar o acesso à ferramenta. Apesar de não haver testes efetivos, os envolvidos no projeto afirmam que o produto poderá ser adaptado a outros modelos de smartphone. Enquanto isso, uma empresa britânica afirma que está criando um dispositivo muito semelhante que poderia ser utilizado com qualquer celular.

O objetivo principal do projeto é auxiliar no tratamento da tuberculose em países como a Índia, mas os pesquisadores afirmam que o equipamento também pode ajudar a salvar vidas de pacientes com câncer, já que poderia indicar que remédios seriam mais eficazes para o DNA de cada enfermo.

via Superinteressante

Dropbox finalmente lança o app Paper, seu rival contra o Google Docs

Já disponível em um total de 21 idiomas, incluindo o português do Brasil, novo serviço oferece edição compartilhada na nuvem.

via IDG Now!

Bem-vindos a 2017: assinatura da Xbox Live Gold será reduzida em fevereiro

Redução de preço da assinatura da Xbox Live Gold? É isso mesmo, produção? Sim, a partir do final de fevereiro! Neste mundo caro, uma notícia assim é sempre um alívio aos bolsos. Saiba o novo valor

O mundo se transformou num lugar caro de se viver. À medida que a sociedade avança, o advento de novas tecnologias, mais mão de obra e necessidade de serviços se fazem presentes em nosso cotidiano, e isso implica, naturalmente, o encarecimento de simplesmente tudo ao nosso redor. O que inclui os ecossistemas online da Sony e da Microsoft em seus consoles: no ano passado, tanto a PS Plus quanto a Xbox Live Gold sofreram um aumento no preço de suas assinaturas. Mas, agora, a notícia é inversa para o lado verde da força: a anuidade da Xbox Live Gold ficará mais barata.

Se 2016 foi um ano ruim para absolutamente todo mundo, especialmente por causa da alta flutuação do dólar, que pesou muito para o nosso lado, sejam bem-vindos a 2017, que está mais otimista: a anuidade da Live Gold cairá de R$ 179 para R$ 149 a partir do dia 28 de fevereiro deste ano, uma redução de aproximadamente 17%. A informação foi confirmada em caráter oficial pela Microsoft.

Leia mais…

via Novidades do TecMundo

De novo? Relato diz que golfinho foi morto por turistas que tiravam selfies

Se a história for verdadeira, o animal morreu por desidratação após ser retirado do mar por turistas que queriam tirar selfies com o bicho

Que a crueldade e egoísmo humano são quase ilimitados, isso nós já sabemos. A era digital trouxe muitos benefícios, mas vira e mexe a futilidade ou o descuido humano para alimentar as redes sociais pode causar acidentes. Se os rumores estiverem corretos, a vítima da vez foi um golfinho, que foi retirado do mar para que turistas tirassem selfies com o animal.

O caso teria ocorrido na Argentina, no resort San Bernardo. De acordo com o jornal La Capital, um grupo de pessoas foi o responsável pela atrocidade, tudo para tirar fotos com o bichinho do lado. A fonte também diz que uma testemunha alegou que após a sessão de fotografias e diversão, as pessoas o “deixaram para morrer” e que eles estavam “mais interessados em tocá-lo e tirar selfies do que devolvê-lo ao mar”.

Leia mais…

via Novidades do TecMundo

Orange is The New Black: 5ª temporada vai se passar em apenas três dias

Orange is the new Black

Uma novidade para os fãs de Orange is The New Black: a próxima temporada da série contará uma história que se passa em apenas três dias. A revelação foi feita pela atriz Danielle Brooks, que interpreta Taystee, durante o SAG Awards.

"A quinta temporada se passa ao longo de três dias: você assistirá 13 episódios e descobrirá o que acontece em três dias, então será tudo muito detalhado, muito intenso, e é melhor você se preparar", alertou a atriz.

A data de estreia da quinta temporada de OITNB ainda não foi anunciada, mas se levarmos em consideração os lançamentos anteriores, podemos prever que ela deve chegar em alhum momento de junho.

A série que conta a vida fictícia de detentas da penitenciária federal norte-americana de Litchfield foi destaque durante a 23ª edição do prêmio do Sindicato dos Atores dos Estados Unidos (SAG Awards), que aconteceu no último domingo (29). OITNB levou a estatueta de Melhor elenco em série de comédia, enquanto a atriz Uzo Aduba, que interpreta a personagem Crazy Eyes, foi indicada ao prêmio de Melhor atriz em série de comédia.

Via E! News

via Canaltech

Campus Party começa amanhã, confira os destaques da 10ª edição do evento

Evento de tecnologia e cultura nerd terá mais de 700 horas de conteúdo em São Paulo. Separamos alguns destaques da edição deste ano

via IDG Now!

Vai um café, mestre? Gordon é o robô que faz expressos em loja de shopping

Instalado na primeira loja da startup Cafe X em um shopping em San Francisco, o barista automatizado aceita agendamento de pedidos por meio de um app e serve até 120 clientes por hora

Robôs trabalhando em grandes linhas de produção industrial são uma imagem com a qual a maioria de nós já está acostumado. Até mesmo a ideia de veículos autônomos andando pelas ruas é algo que hoje conseguimos pensar como pura questão de tempo. Agora, uma startup resolveu abrir em San Francisco o primeiro café em um shopping cujo atendente que faz as bebidas é uma máquina, e não um ser humano que possivelmente vai escrever o seu nome errado no copo.

O principal “funcionário” da loja da Cafe X é um braço robótico apelidado de Gordon, nome escolhido em homenagem a um engenheiro da companhia. O robô é capaz de operar duas máquinas profissionais comuns de fazer café para produzir expressos e caffe latte com um nível de precisão e velocidade que dificilmente seriam replicados por seres humanos. Por meio de um sistema de agendamento por aplicativo para smartphone, o aparato agiliza o atendimento.

Leia mais…

via Novidades do TecMundo

A análise de dados e a rede da próxima geração

Business Intelligence

*Por Luiz Riscado, gerente de Vendas do SAS Brasil

Quando falamos em rede da próxima geração, ela não se refere apenas à tecnologia 5G. Ela também engloba a antecipação de demandas por tecnologias emergentes e aplicações para a melhora de desempenho, garantindo a entrega de uma experiência de alta qualidade. A computação na nuvem permite ganhos em escala e versatilidade.

Hoje, um cliente pode ter um dispositivo em sua mesa, mas sua funcionalidade real está na nuvem. A rede definida por software coloca no ambiente virtual as funções de roteamento e comutação, permitindo sua rápida reconfiguração. E a análise avançada junta tudo isso, dando outro significado aos grandes volumes de dados e automatizando a aplicação de negócios e a otimização dos processos de rede.

Dados por toda a parte

Prevista para chegar ao mercado entre 2018 e 2020, a tecnologia 5G poderá lidar com um tráfego de dados equivalente a 50 vezes o que existe hoje no 4G, o que é considerado algo crítico. Uma única chamada telefônica é capaz de criar centenas de pontos de dados a partir dos elementos da rede, como switches e roteadores, e a principal razão de uso da rede móvel passou a ser o tráfego de dados, e não o de voz.

Isso é apenas o começo. O número de assinantes na telefonia móvel deverá atingir quase 7 bilhões daqui a três ou quatro anos. Mas um desafio ainda mais significativo para a rede vem na forma de tráfego gerado por máquina (M2M), com o avanço da Internet das Coisas.

A gama de dispositivos conectados à internet e invisíveis para o usuário móvel é surpreendente, e a possibilidade de se conectar ainda mais está presente lá o tempo todo. Um carro hoje pode ter vários sensores eletrônicos que mantêm o funcionamento do motor, dos freios, dos recursos de segurança e muito mais. Conectados à internet, esses sensores poderiam alertar o motorista sobre um problema no veículo, indicar o caminho para a loja de autopeças e agendar a próxima visita ao local.

Nas fábricas, as máquinas agora têm sensores eletrônicos para monitorar sua vida útil e seu desempenho, de modo que se possa agendar a manutenção preventiva. Em várias cidades nos Estados Unidos, tais sensores já monitoram a presença dos carros para gerenciar as vagas nos estacionamentos.

A Cisco e a GE estimam que haverá 1 trilhão de dispositivos conectados em todo o mundo até 2020. Em 2014, eram "apenas" 5 bilhões, de acordo com a Machina Research. As estimativas apontam que esse número será de 27 bilhões em 2024. Na verdade, pode ser até mais, conforme novas aplicações sejam desenvolvidas para que se possa tirar proveito dos trilhões de sensores que teremos até lá.

A análise avançada é necessária para dar sentido aos dados e aplicá-los na solução de problemas de configuração de rede, de gerenciamento de tráfego, de níveis de serviço para o cliente e muito mais.

Análise em tempo real

Com o Analytics, processos manuais, como a geração de relatórios sobre os dados presentes nos equipamentos dos fornecedores de TI – que antes poderiam levar semanas para serem concluídos -, passam a ser uma tarefa transformada em uma experiência quase que em tempo real.

O Analytics também se refere a responder perguntas, uma vez que permite fazê-lo de maneira autônoma. Eis algumas questões com as quais ele pode lidar e que são os mais comuns nas redes da nova geração:

Gestão de tráfego – Na Internet das Coisas, o tráfego de dados pode ir de um ponto a outro sem passar por determinada rota até chegar ao datacenter. O sensor pode fazer a comunicação com os pares, no modelo peer to peer, sem precisar passar por um intermediário. E o Analytics pode ajudar a determinar qual é o roteamento mais eficaz e aplicá-lo rapidamente;

Configuração de rede dinâmica – Junto com a rede definida de software e a virtualização de funções de rede, o Analytics avançado pode monitorar os tipos de tráfego por região e reconfigurá-los para reequilibrar o tráfego de voz com o de dados. A análise avançada também pode ajudar no agendamento de interrupções planejadas, além de avisar sobre a ocorrência de paradas não previstas;

Gestão de nível de serviço – Com a aplicação do Analytics ao uso que o cliente faz da rede, a operadora pode automatizar o processo de otimização do plano de tarifas e criar anúncios de valor agregado ao serviço. O Analytics também pode classificar os clientes como sendo de alto e baixo valor, garantindo que os recursos da rede sejam distribuídos da forma adequada.

Antes, a principal oferta de uma operadora de telefonia era uma rede de voz. Hoje, na rede da nova geração, a principal oferta é a rede em si. Voz, dados e vídeo – tudo isso será visto como valor agregado se for feito da maneira correta. E é para isso que serve o Analytics: fazer a coisa certa e em tempo real.

via Canaltech