Amazon anuncia Fire HD 10, novo tablet com preço mais baixo que o antecessor

Em um anúncio surpresa realizado na manhã desta terça-feira (19), a Amazon parece disposta a atender as vontades dos usuários com o lançamento do Fire HD 10. A nova versão do tablet da marca, como o nome já diz, chega com um display de resolução 1080p e valor mais baixo que seu antecessor, custando US$ 150 (aproximadamente R$ 470).

Com lançamento marcado para o dia 11 de outubro, o dispositivo tem seu display como maior melhoria. O modelo, agora, tem tela de 10,1 polegadas e, como dito, resolução Full HD, ampliando ainda mais o foco no consumo de mídia, seja por meio de serviços como Twitch, Netflix ou Prime, além dos livros vendidos pela própria gigante do e-commerce.

Esse caráter é alavancado pelas mudanças que a Amazon realiza no sistema operacional Android. O Fire HD 10 chega rodando uma versão altamente personalizada da plataforma com uma aba chamada “Para Você” logo na tela inicial. Ali, aparecem os últimos títulos consumidos, permitindo que episódios sejam retomados de onde o usuário parou, assim como filmes ou livros.

Caso continue rolando pela tela, o utilizador encontra uma segunda aba, chamada “Experimente a seguir”, com indicações de novas produções ou publicações de acordo com o gosto registrado pela inteligência artificial. A prioridade, claro, é para produtos disponíveis no próprio ecossistema da Amazon, com a própria empresa falando nas customizações como uma forma de destruir as barreiras entre a tela inicial do aparelho e a loja online.

Novo tablet da linha Fire chega mais barato e avançado que o antecessor.

A Amazon também promete que o Fire HD 10 é 30% mais poderoso que o seu antecessor, além de contar com um ganho na autonomia da bateria, que agora é de 10 horas. Os alto-falantes do dispositivo têm suporte à tecnologia Dolby Atmos, garantindo maior fidelidade mesmo sem fones de ouvido.

Por outro lado, a fabricante não deu muitos detalhes sobre o que está por dentro do tablet, falando apenas em um processador quad-core rodando a 1,5 GHz, acompanhado de 1 GB de memória RAM, colocando o modelo ao lado de dispositivos de médio padrão. A câmera traseira é de cinco megapixels, capaz de gravar vídeos também em resolução FullHD.

Como novidade, ainda, a varejista cita o suporte ao sistema Alexa, permitindo que o tablet funcione como os assistentes domésticos já lançados por ela. Conectado o tempo todo, o Fire HD 10 é capaz de controlar aparelhos domésticos, realizar compras, configurar alarmes e realizar outras tarefas, também se integrando a aparelhos do tipo que estejam presentes na mesma rede que ele.

O aparelho chega em versões preta, azul e vermelha, em opções que começam em 32 GB de armazenamento interno no modelo mais barato e vão até 64 GB em uma versão que custa US$ 190 (cerca de R$ 600, em conversão direta). Se desejar, o usuário também pode optar por versões sem os sistemas de sugestão de conteúdo na tela inicial, pagando US$ 40 a mais no primeiro modelo e US$ 20 adicionais no segundo.

As datas de lançamento e preços, claro, valem somente para o mercado americano. Por enquanto, não existe anúncio de disponibilidade oficial do Fire HD 10 no Brasil.

via Canaltech

Brasil, Colômbia e México são os maiores alvos de ransomware na América Latina

Segundo a empresa de segurança Kaspersky Lab, os sequestros virtuais na América Latina cresceram 30% entre 2016 e 2017. Foram descobertos 57.512 ataques de ransomware no ano passado, além de 24.110 até setembro de 2017. E o Brasil, Colômbia e México são os principais alvos desse tipo de ataque na região.

O Brasil é o líder, com 55% dos ataques relatados, seguido pelo México, com 23,40%, e pela Colômbia, com 5%. Em todo o mundo, os países mais afetados são Turquia, com 7,93%; Vietnã, com 7,52%; e Índia, com 7,06%. Segundo Santiago Pontiroli, analista da Kaspersky Lab, "de 2016 até agora, metade dos malwares detectados na América Latina pertencem à categoria de Trojans, com o Trojan-Ransom tendo o crescimento mais rápido".

Ainda segundo a companhia, os ataques de ransomware costumam ser direcionados ao setor de saúde, além de pequenas e médias empresas. A maioria desses ataques se dá por acesso remoto ao se aproveitar de senhas inseguras ou serviços configurados indevidamente, abrindo brechas de segurança.

No ano passado, foi lançada a iniciativa No More Ransom para que os usuários tivessem um site confiável onde procurar informações sobre o que são os sequestros virtuais, como eles acontecem e como se proteger. Hoje, o site tem mais de 100 parceiros entre órgãos públicos e empresas privadas e está disponível em 14 idiomas. O serviço calcula que já evitou perdas de US$ 8,5 milhões e, “graças a essa iniciativa sem fins lucrativos, mais de 30 mil usuários em todo o mundo decifraram seus dispositivos e conseguiram diminuir, de certa forma, essa ameaça global”, contou Pontiroli.

O especialista reforça a necessidade de manter o backup de arquivos sempre atualizado, bem como atualizar constantemente o sistema operacional e os softwares utilizados. Além disso, contar com uma solução antimalware também é importante para se proteger de ameaças virtuais, que continuam crescendo.

via Canaltech

Fortnite permitia partidas entre jogadores do PS4 e Xbox One

A recusa de cooperação da Sony com a Microsoft no que toca a jogatina integrada entre usuários de PlayStation 4 e Xbox One não parece ter impedido que os desenvolvedores de Fortnite implementassem o recurso às escondidas. Durante o final de semana, surgiram indícios, mais tarde confirmados, de que o game estaria, sim, permitindo o chamado cross-play entre os usuários de duas plataformas.

As suspeitas começaram quando usuários que continham espaços em seu nome de usuário começaram a aparecer durante partidas online – algo que não é permitido na PSN e seu sistema de IDs. Na rede social Reddit, os jogadores começaram a encontrar as contas correspondentes na Xbox LIVE até que veio a confirmação de que o cross-play estava habilitado, com um jogador exibindo uma partida online ao lado do filho, um jogando em um PS4 e o outro no Xbox One.

Jogadores de PS4 e Xbox One dividem uma partida online de Fortnite.

Trata-se, provavelmente, de uma liberação feita por engano, mas também prova de que o sistema funciona. Teoricamente, a implementação de um sistema cross-play entre as duas plataformas depende da autorização de ambas as fabricantes. Enquanto a Microsoft já disse estar disposta a conversar sobre o assunto, a Sony se recusa a fazer isso, afirmando que a jogatina integrada não seria benéfica para seus clientes devido às diferenças entre os dois consoles.

Seja como for, a Epic Games, produtora de Fortnite, desativou a funcionalidade assim que ela foi descoberta, dando a entender que sua liberação se tratou, mesmo, de um engano. A presença de usuários da Xbox LIVE em partidas na PSN não voltou a ser notada, e a Epic Games se pronunciou, afirmando apenas que se tratava de um “problema de configuração que já foi resolvido”.

A notícia acendeu uma fagulha de esperança e, principalmente, alavancou a pressão sobre a Sony para que a jogatina entre PlayStation 4 e Xbox One fosse liberada. A empresa conta com esse tipo de função em alguns games, como Street Fighter V, que se integra ao PC, mas nunca conversou com o videogame da concorrência.

Enquanto isso, do outro lado, Minecraft é um dos mais notórios exemplos de integração entre diferentes plataformas. Os jogadores de Xbox One, por exemplo, são capazes de jogar ao lado de usuários não apenas do Nintendo Switch, mas também de Android e iOS.

via Canaltech

Aplicativo mostra estabelecimentos que aceitam Bitcoin como pagamento

O TagCity é o primeiro aplicativo de buscas que mostra locais em todo o mundo que aceitam Bitcoin como forma de pagamento. Disponível para Android e iOS, o app foi lançado nos Estados Unidos no início de setembro e agora chega ao Brasil e Europa.

O projeto, na verdade, é brasileiro. Desenvolvido com tecnologia nacional, o TagCity foi criado pela empresa homônima que é a primeira da América Latina a ser escolhida para fazer parte da maior aceleradora de startups do mundo no que diz respeito à IoT, que é o laboratório Read and Write. O app tem download gratuito e é fácil de usar, permitindo que qualquer pessoa descubra rapidamente um local que aceite Bitcoins.

O app já exibe mais de 4 mil lugares no mundo que trabalham com a moeda virtual, e o usuário ainda pode marcar um local caso ele não esteja destacado no aplicativo. Um botão de atalho mostra todos os locais que aceitam a criptomoeda em um raio de até 20 quilômetros de onde o usuário está, facilitando ainda mais essa pesquisa.

Para Vitor Loreto, idealizador do projeto, um guia de locais que aceitam Bitcoin é o que faltava para que a moeda seja amplamente aceita. “O telefone só se desenvolveu depois que os guias apareceram”, recorda.

via Canaltech

Novo headset de realidade virtual da LG é flagrado no Korean VR Festival

No início deste ano, a LG anunciou uma parceria com a Valve para desenvolver um novo headset de realidade virtual, o LG SteamVR. Um pouco depois, o kit de desenvolvedor do equipamento foi revelado durante a Game Developers Conference (GDC), desaparecendo dos holofotes após a ocasião.

Agora, eis que o LG SteamVR finalmente saiu do hiato e reapareceu no Korean VR Festival. A equipe do Silicon Valley Virtual Reality (SVVR) publicou em sua conta no Twitter uma foto do headset e dos controles que acompanham o produto.

Como podemos notar na fotografia, não há nenhuma alteração visual do LG SteamVR desde a sua revelação inicial, embora seja muito provável que a companhia tenha realizado alguma melhoria ou mudança no hardware do gadget nesse meio tempo.

Apesar de as informações sobre o novo headset da LG serem ainda muito vagas, a presença do equipamento no evento ao menos indica que a fabricante não abandonou o projeto e segue firme com seus testes antes do lançamento oficial.

via Canaltech

Instagram agora exige 2 GB de RAM para funcionar em smartphones com Windows 10

Poucos dias atrás, os usuários do Windows 10 Mobile receberam uma boa notícia ao saberem que o Instagram incluiu em seu aplicativo os novos filtros de face que já haviam chegado às versões do app para iOS e Android. No entanto, os dias de alegria já acabaram para boa parte dos usuários do sistema operacional da Microsoft. Com a inserção de novidades e recursos, agora o Instagram está exigindo 2 GB de RAM para funcionar em smartphones com Windows 10.

Isso significa que aqueles usuários com smartphones Windows de configurações mais modestas deixarão de aproveitar a rede social de maneira completa, já que, à medida que o aplicativo ganha mais recursos, o serviço requer mais memória RAM para não apresentar lentidões ou travamentos.

Apesar da limitação, quem tem aparelhos mais básicos ainda pode instalar o app da rede social, embora já haja relatos de queda de desempenho. Além disso, o Instagram desativou a possibilidade de enviar feedbacks e comentários sobre o funcionamento do app na Windows Store, já que a alteração provavelmente renderá muitas críticas à experiência do serviço.

Smartphones com Windows 10 Mobile que possuem 2 GB de RAM ou mais se encontram geralmente entre os aparelhos de topo de linha. Desse modo, são poucos os usuários do sistema que poderão utilizar o Instagram sem problemas ou travamentos. Esse também é o caso dos aplicativos do Facebook e do Messenger, que passaram a aumentar a exigência de hardware em smartphones Windows para oferecerem uma experiência minimamente regular aos usuários.

via Canaltech

Remake de Shadow Of The Colossus para Playstation 4 ganha novo trailer

O remake de Shadow Of The Colossus para Playstation 4, anunciado durante a conferência da Sony na E3 2017, ganhou mais um trailer nesta terça-feira (19).

Como era de se esperar, o visual do game apresenta cenários de encher os olhos e aproveita toda a potência do PS4 para oferecer o que há de melhor em termos de detalhes visuais. Isso sem falar nos imponentes colossos de pedra, que obviamente roubam a cena em diversos trechos do vídeo.

Ponto negativo do vídeo? Ele não especifica a data de lançamento do remake, dizendo apenas no final que ele chegará em algum momento de 2018.

Shadow Of The Colossus foi lançado originalmente em 2005 para Playstation 2 e marcou época com ótimas avaliações de sites especializados devido a sua jogabilidade única e narrativa marcante. Em 2011, o jogo recebeu uma versão remasterizada para Playstation 3, sendo distribuído em um pacote com Ico, também em alta definição.

via Canaltech

Uber é criticada por anúncio sexista na Índia

Uma nova polêmica na qual a Uber se viu envolvida nesse começo de semana mostra que os esforços de adequação e melhoria internos podem não estar se aplicando a toda a companhia. Um anúncio veiculado na Índia, mais uma vez, colocou a empresa sob fogo ao propagar o antigo estereótipo de que “lugar de mulher é na cozinha”.

Em uma propaganda para o “Wife Appreciation Day”, espécie de “Dia da Esposa” comemorado no terceiro domingo de setembro no país, o serviço UberEATS era divulgado. A ideia do anúncio era incentivar os maridos a pedirem comida pelo telefone de forma que as mulheres pudessem ter “um dia de folga da cozinha”. Isso, ao lado da foto de uma fazendo uma salada com um sorriso no rosto.

Anúncio do serviço UberEATS gerou críticas de usuários nas redes sociais.

O anúncio foi veiculado no Twitter e também no próprio aplicativo da Uber, com direito a mesma mensagem e um código promocional de desconto em pedidos do serviço EATS. A mensagem, claro, foi duramente criticada na rede social, o que prontificou uma ação rápida por parte da empresa, que já retirou a promoção e também a publicidade do ar.

A diretora de marcas da Uber, Bozoma Saint John, foi uma das primeiras a se pronunciar, afirmando que “cuidaria disso” pois se tratava de algo “completamente inaceitável”. Ela foi alertada para o caso pelo próprio Twitter, por onde, também, a própria empresa se pronunciou pedindo desculpas aos usuários e admitindo que a mensagem passada pela propaganda é inapropriada.

A empresa passa atualmente por um processo de mudança que envolveu até mesmo a troca de seu CEO, Travis Kalanick. Com a saída do fundador e diretor, a companhia deseja passar uma mensagem de que está adotando medidas diferentes tanto interna quanto externamente, de forma a trazer mais segurança e confiabilidade aos passageiros que utilizam a plataforma.

via Canaltech

Pré-venda fraca do iPhone 8 pode ser culpa do iPhone X

Segundo informações da KGI, a pré-venda do iPhone 8 está correndo em um ritmo mais fraco do que o esperado. E o motivo pode ser o iPhone X, cuja pré-venda começará no dia 27 de outubro, com os primeiros envios previstos para o mês de novembro. Já os pedidos do Apple Watch Series 3 estão acima do esperado.

Normalmente, os novos iPhones começam a ser enviados entre 3 e 6 semanas após a reserva, enquanto os envios do iPhone 8 começarão apenas duas semanas, ou menos, desde que a pré-venda começou. Essa pode ser a manobra pensada pela Apple para tentar fazer com que seus dois aparelhos não compitam entre si, mas a disponibilidade de unidades do iPhone 8 para envio imediato, assim que os despachos começarem, ainda é grande.

Já quanto ao Apple Watch Series 3, a demanda tem sido bastante superior às previsões, sendo que a maior parte das reservas é da versão do relógio com LTE, que permite fazer e receber chamadas diretamente pelo smartwatch, sem precisar usar o iPhone.

O iPhone 8 está custando US$ 699 na versão com 64 GB de armazenamento, enquanto o modelo com 256 GB sai por US$ 849. Já o iPhone X começará a ser vendido por US$ 999, enquanto o novo Apple Watch sai por US$ 399 na versão LTE, ou US$ 329 sem a conexão celular.

via Canaltech

Dragon Ball FighterZ vai ganhar beta público, confirma Bandai Namco

Após um beta extremamente concorrido e que frustrou muitos jogadores que não conseguiram acessá-lo, Dragon Ball FighterZ vai ganhar um beta público para que todos possam testá-lo.

O anúncio veio da própria Bandai Namco em uma publicação no Twitter. Sem fornecer muitos detalhes, a companhia japonesa apenas agradeceu a quem participou do beta fechado do jogo de luta e disse esperar ver todos no beta aberto.

Embora não tenha falado em nenhuma data específica para a abertura dos testes, especula-se que isso acontecerá em janeiro de 2018, um mês antes do lançamento oficial do jogo de luta.

Anunciado durante a E3 2017, Dragon Ball FighterZ surpreendeu pelo visual de cair o queixo e pela fidelidade com os animes que todo mundo conhece. As batalhas serão no estilo três contra três e estarão recheadas de combos insanos e golpes especiais (pode se preparar para gritar muito Kamehameha).

VIDEO

O elenco também chama atenção, contando com Goku, Vegeta, Gohan, Freeza, Cell, Majin Boo, Future Trunks, Piccolo, Kuririn e muitos outros personagens clássicos. Vale lembrar que a Bandai Namco ainda está anunciando os lutadores, então é possível que tenhamos surpresas vindo aí.

Dragon Ball FighterZ chega ao PlayStation 4, Xbox One e PC em fevereiro de 2018.

via Canaltech