Astronautas da NASA na ISS farão experimentos que podem melhorar a nossa saúde

Na última quarta-feira (5), um foguete Falcon 9, da SpaceX, levou à Estação Espacial Internacional uma carga de 2,5 toneladas contendo mantimentos e instrumentos para experimentos científicos. Entre esses instrumentos estão equipamentos que serão usados em uma diversidade de experimentos a serem conduzidos pelos astronautas da NASA no laboratório espacial — com alguns desses experimentos prometendo grandes avanços em tratamentos de saúde para nós aqui na Terra.

Entre eles, estão estudos com o potencial de ajudar a resolver a degeneração macular (doença que provoca a perda da visão), bem como pesquisas que podem melhorar significativamente a cicatrização de feridas, especialmente no que diz respeito à regeneração de tecidos.

E por que fazer esses estudos justamente no espaço? O ex-astronauta da NASA, Terry Virts, explica que “um dos benefícios da gravidade zero é que você pode cultivar coisas como tecidos ou cristais onde não há peso e quando há algo lutando contra a gravidade, ela cresce de forma diferente”. Ele explica que, quando esteve na ISS, criou “cristais de proteína no espaço e os cientistas puderam entender a estrutura do gene cruzado que está envolvido em muitos cânceres, especialmente o pancreático, e como combatê-lo”.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Na ISS, Virts também trabalhou em experimentos que lidavam com a perda de densidade óssea e problemas musculares, além de imunizações contra E. coli e salmonela. Em sua missão, ele e sua equipe atuaram em mais de 250 experimentos voltados à saúde humana.

Restaurando a visão

Com e sem degeneração macular

Financiado em parte pela startup LambdaVision, o experimento que tentará reverter a degeneração macular pretende criar uma prótese ocular para quem sofre com doenças de retina e nos olhos. A empresa criou uma proteína da retina com base em um implante ocular e quer descobrir se essa proteína pode ajudar na degeneração macular, algo que acomete as populações mais idosas. “Como temos uma população envelhecida, essas são algumas das ameaças mais sérias à saúde da nação e qualquer avanço feito será significativo”, disse Dr. Mike Roberts, cientista chefe do ISS National Lab. Nos EUA, mais de 35% da população tem 50 anos ou mais.

Roberts também explica que a startup até poderia fazer tais experimentos aqui na Terra, mas descobriu que as camadas de proteína criam imperfeições, o que pode ser resolvido com a ausência de gravidade.

Regeneração de tecidos

O outro experimento importante que será conduzido agora na ISS é a pesquisa sobre regeneração de tecidos, com o objetivo de encontrar novas maneiras de curar feridas, diminuindo as chances de sepsis e inflamação, ou até mesmo tratando feridas com mais eficácia em campos de batalha aqui na Terra, bem como feridas que astronautas possam sofrer em suas missões espaciais.

A Tympanogen, empresa que desenvolve um hidrogel para curar feridas mais rapidamente, espera que seu produto possa, no espaço, ser combinado com antibióticos e diferentes compostos para ajudar a acelerar ainda mais sua taxa de cura. E o sucesso dos experimentos com o gel no espaço pode significar que ensaios clínicos em Terra estão a caminho.

Ambos os experimentos serão conduzidos nos próximos 30 a 60 dias, com os benefícios na aplicação prática podendo se tornar realidade dentro de alguns anos.

Fonte: Fox News

via Canaltech

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *