Sony WF-1000X | Uma análise sincera dos earbuds

Se você pudesse escolher entre cancelamento de ruído e tecnologia sem fio, qual preferiria para um fone in-ear no seu cotidiano? A Sony, com o WF-1000X, uniu as duas características em um mesmo aparelho, e promete uma experiência imersiva com o máximo de qualidade possível que um fone Bluetooth seja capaz de entregar. Será que conseguem?

Nós testamos o WF-1000X e vamos contar um pouco, com uma boa dose de sinceridade, sobre os earbuds neste review.

 

Design & Ergonomia

Com formato ovalado, acabamento de primeira e um case para carregamento todo revestido de metal, 1000X (que é como vamos chamá-lo daqui para frente), é um fone in-ear e fechado que apresenta um design futurista, discreto e, ao mesmo tempo, um tanto curioso. Em uma das extremidades, o 1000x conta com a antena — uma espécie de arco revestido por uma "tampinha" de plástico transparente —, e elementos como os leds indicativos de conexão e bateria. Na outra, ele exibe o microfone.

O fone é bonito, com ar elegante, possui grande parte da carcaça revestida de um metal charmoso e, o que é essencial para muitos usuários: é discreto, já que não conta com arco algum para ficar atrás da nuca. Isso, aliás, nos faz forçar um pouco mais a pressão dos fones no canal auricular ao colocá-los. Ele vem em duas cores disponíveis: preta e prata.

Acompanhado de várias pontas de silicone e de espuma, de vários tamanhos, e dois tipos de pontas de estabilidade (essa "alcinha" que você vê na foto abaixo), vai ser difícil alguém reclamar que o fone cai da orelha toda hora. Não, ao contrário, ele é bastante estável até mesmo para caminhadas práticas esportivas suaves. Em tempo: ele não é a prova d’água.

WF-1000X e seu estojo (case) para transporte e carregamento (Foto: Luciana Zaramela/Canaltech)

O case para carregamento não é pequeno e fica um pouco desconfortável para se carregar no bolso da calça, apesar de ser bonito e fino. Mas tem um porte bacana para quem anda por aí com uma mochila ou bolsa a tiracolo. Cada carga (com case + fones plugados via USB no computador) promete seis horas de música nos buds, mais três horas extras oferecidas pelo case quando você precisar de um respiro a mais longe da tomada.

Noise Cancelling

O cancelamento de ruído em fones in-ear e sem fio é uma característica desafiadora, e embora a Sony tenha caprichado na tecnologia do seu WH-1000XM3 (over ear), o que acontece com o 1000X não é tão high-level assim. Claro, é um fone muitíssimo menor, com aplicações diferentes. Apesar de os níveis de cancelamento serem satisfatórios, estão longe de um bloqueio imersivo a ponto de te fazer mergulhar na sua própria atmosfera enquanto ouve música com o recurso ativado no aplicativo.

No entanto, como se tratam de fones com pouco espaço para tanta tecnologia, os níveis atingidos pelo 1000X são satisfatórios. Com função de controle adaptável conforme o ruído de cada ambiente, além de controle dos níveis de isolamento de acordo com o gosto do freguês, os earbuds entregam resultados que podem livrar o ouvinte de ruídos indesejáveis como conversas alheias no escritório, burburinhos em salas de espera e movimentação em espaços e transportes públicos.

App Headphones

Por meio do app Headphones, o usuário edita parâmetros como o Adaptive Sound Control (que modifica o esquema do áudio e do isolamento de ruído conforme você anda, fica parado, sentado, etc.). Quando os fones percebem que você parou de andar e se sentou, por exemplo, o app emite um aviso sonoro (cortando a música) e modifica de "Andando" para "Aguardando", por exemplo.

Por meio do app Headphones Connect, os earbuds ajustam o controle de ambiente de acordo com o que o usuário estiver fazendo no momento

Com vários presets e nenhum esquema no qual o usuário pode personalizar o equalizador gráfico a seu gosto, o app te deixa controlar o som de acordo com o que você preferir dentro das opções. São elas: Desligado (flat/nosso preferido), Brilho, Animado, Suave, Relaxado, Vocal, Aumento do agudo, Aumento do baixo e Discurso. O usuário também não consegue definir, à vontade, o quanto do efeito Clear Bass (que "pimpa" os graves) gostaria de aplicar em cada preset. Então, você fica um tanto preso no que os engenheiros definiram de fábrica.

No app, você define o tipo de equalização que preferir

Fora o controle de isolamento e o equalizador, o app se integra com seu player de música favorito (nos testes, usamos o Spotify) e permite pausar/reproduzir e pular de faixas, além de alterar o volume. E por último, mas não menos importante, há as opções de qualidade de som, sobre as quais falaremos adiante, já adiantando que esse é o pulo do gato no 1000X.

Áudio

Para muita gente, a perda de qualidade natural de conexões sem fio já serviria de desculpa para não adquirir um apetrecho como o WF-1000X. Mas, sejamos sinceros: a qualidade do áudio, neste modelo, é honesta.

À primeira vista, tivemos um problema com os fones. Tiramos da caixa, pareamos com o smartphone via aplicativo e, para nossa surpresa, a música tocou muito metalizada e falhando constantemente no fone direito. Nossa primeira ação ante ao problema foi tirar os fones dos ouvidos e voltá-los para o case de carregamento ligado no computador, até que completassem a carga. Deu certo: o case redefine parâmetros do fone, sem esquecer os dados de conexão Bluetooth. Pouco depois, descobrimos que a estabilidade da conexão entre os fones não é lá das melhores.

Isso ocorre porque o fone esquerdo é o principal, ou seja, é ele que recebe e envia dados para o fone direito, quando conectado a um computador ou dispositivo móvel. Frequentemente o fone direito perde conexão com o esquerdo e a música fica tocando somente neste último, o que torna a experiência bastante frustrante.

E isso ocorreu em todos os dias em que testávamos o 1000X.

A Sony já está ciente da falha, tanto que, no próprio manual do fone e até no site, há uma recomendação para que, caso isso ocorra, o usuário defina a opção de reprodução com mais estabilidade, em vez de mais qualidade, pelo aplicativo. De novo: frustrante. Ou você curte sua música com uma qualidade questionável ou fica imóvel, torcendo para que a conexão não "flope" de vez.

Prioridade na conexão estável: o Bluetooth até segura, mas difícil é aguentar ouvir suas músicas em qualidade questionável

Apesar deste que é o principal e mais irritante defeito do 1000X, a qualidade do áudio é interessante, com algumas ressalvas:

Os graves e médio-graves são bem pronunciados. Algumas vezes, dependendo da música e do volume, podem chegar a saturar ou embolar, mesmo que isso ainda não aconteça de maneira escancarada. A qualidade, aqui, se mantém decente para este tipo de fone.

Os médios são bons e honestos. E isso se mostrou quando escutamos diversos estilos diferentes de músicas que exploram mais essa frequência, como jazz, opera-rock e faixas mais vocalizadas.

Já os agudos e médio-agudos nos assustaram no início e perdem consideravelmente em qualidade quando o usuário opta por estabilidade no Bluetooth via aplicativo. São as frequências que mais sofrem quando essa transição é feita, gerando um "hiss" e uma distorção que podem irritar até mesmo quem não é tão ligado em frequências sonoras assim. Ao optarmos por qualidade, aí sim temos o que o fone promete pelo preço (um tanto salgado, é verdade) que vale: frequências que respeitam suas faixas e trazem uma qualidade agradável aos ouvidos.

Mas, vale aqui um aviso amigo: se você for minimamente exigente com suas músicas, vai ficar muito "pistola" se optar pelo modo Prioridade na qualidade do som. As músicas parecem soar com um constante tilintar de sinos de Papai-Noel no fundo, o que lembra aqueles MP3 de 28 Kbps que baixávamos no tempo da conexão discada só pela gana de ouvir a música. Perde-se — e muito — em amostragem.

De modo geral, a dinâmica do 1000X é boa, comparável com a dos Air Pods, da Apple. Ou até melhor em certos casos, desde que a conexão permaneça estável. Só sentimos falta de um pouco mais de "punch", ou potência, no volume. Não são fones que falam alto, tanto que, nos nossos testes, passamos a maioria do tempo com 80% do volume para escrever este review. E como não tem cabos, nada de tentar empurrar o som com pre-amps aqui.

Latência

Esse quesito é tão importante que resolvemos separar um subtópico só para ele. O 1000X é um dos fones sem fio com maior latência que já experimentamos, e descobrimos isso ao tentarmos assistir a alguns vídeos no YouTube com ele. Se com vídeos curtos a latência já foi irritante, imagina só com filmes e jogos… não, definitivamente o 1000X não é um fone para games.

Isso, por outro lado, não atrapalha em nada quem está curtindo um som via Spotify com a tela do smartphone desligada, por exemplo.

Ligações

Outra coisa que nos deixou cabisbaixos e esperando mais do fone foram as ligações efetuadas e recebidas. Para quem usa o fone, o som sai apenas no ouvido esquerdo, não é lá dos mais altos e, até assim (não soubemos identificar se a culpa foi da operadora ou do Bluetooth), as interrupções insistiram.

Já os interlocutores reclamaram de "falta de clareza" e de "voz distante e metalizada", como se estivéssemos falando de longe no viva-voz do celular. Fizemos o teste reverso (no lugar de quem está do outro lado da linha) e constatamos a mesma coisa.

Então, se você estiver com o 1000X no ouvido e puder tirá-lo para usar o próprio celular na sua conversa, faça isso. A menos que a ligação seja rápida e você não esteja lá tão preocupado com a qualidade da chamada. Quebra um galho? Sim! Mas é bacana para calls importantes? Não.

Specs

  • Tamanho do Driver: 6 mm (tipo Domo)
  • S-Master HX: Não
  • DSEE HX: Não
  • Entrada(s): Não
  • Resposta de frequência (comunicação Bluetooth): 20 Hz – 20.000 Hz (44,1 kHz)
  • Operação passiva: Não
  • NFC: Sim (estojo

Preço + veredicto

O 1000X é vendido no site oficial da Sony pelo valor de R$ 799. Honestamente, é um valor um tanto salgado considerando a instabilidade de conexão do fone. Em contrapartida, se não fosse esse problema (que, achamos que pudesse ser corrigido com novos updates de firmware, liberados pela fabricante, mas nosso modelo de testes já estava atualizado), os buds são bons no quesito áudio, estabilidade no ouvido e portabilidade. A duração da bateria poderia ser maior, mas graças ao estojo, você pode estendê-la por mais três horinhas e conseguir um total de nove horas de carga.

Para quem busca portabilidade e ausência de fios para curtir um som no dia a dia, são fones decentes que entregam uma boa qualidade sonora, bem balanceada e com uma dinâmica legal, apesar de alguma saturação de graves aqui e ali, médios não tão pronunciados e um estouro ou outro nas frequências mais altas, que podem incomodar os mais exigentes. Já para assistir a vídeos na internet ou jogar videogame, é melhor considerar outro modelo, por causa do "lag" no áudio (latência).

Quanto ao cancelamento de ruído, a tecnologia do 1000X é bacana para uso diário, principalmente se você trabalha em um escritório barulhento ou precisa se concentrar em seus afazeres sem muita interferência de barulhos ao redor.

Ao final de tudo, na nossa opinião, o 1000X sai dessa análise com uma nota de 6,8 em 10.

via Canaltech

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *