O céu (não) é o limite | O que está rolando na ciência e astronomia (07/11/2018)

E aí, está por dentro do que está rolando no universo da ciência? Se a resposta for “não”, fique tranquilo: nesta coluna semanal a gente resume as principais notícias científicas que rolaram nos últimos dias para você que ama ciência assim como nós, mas não tem muito tempo para acompanhar o noticiário especializado.

Besouro de 99 milhões de anos

Paleontólogos encontraram um besouro de 99 milhões de anos preso em âmbar, em uma descoberta que, em plenos dias atuais, é extremamente rara. O Propiestus archaicus é um parente distante dos besouros de hoje, encontrados na América do Sul e parte do Arizona, com o fóssil sendo descoberto no norte de Mianmar. A descoberta revela o quanto os continentes mudaram rapidamente entre milhões de anos atrás até o que temos hoje.

Com a descoberta, os pesquisadores acreditam que Mianmar já foi parte do continente Gondwana, que surgiu depois da separação da Pangeia. O fóssil também nos ajuda a entender melhor a vida da era mesozóica.

Assista Agora: Descubra o jeito certo de criar verdadeiros times de alta-performance e ter a empresa inteira focada em uma única direção.

Este é o Propiestus archaicus (Foto: Field Museum, Shuhei Yamamoto)

População de animais silvestres em queda livre

De acordo com o relatório 2018 Living Planet do World Wildlife Fund, entre os anos de 1970 e 2014 a população global de animais silvestres diminuiu 60%. Para piorar, a geração atual pode ser a última que ainda tem alguma chance de salvar a natureza, de acordo com o estudo.

O relatório adverte que “a Terra está perdendo a biodiversidade a uma taxa vista apenas durante as extinções em massa”, com os maiores declínios acontecendo nos trópicos — as Américas do Sul e Central registram uma queda de 89%, enquanto as espécies de água doce caíram 83%. Os vilões, aqui, são fatores como pesca excessiva, poluição e mudanças climáticas.

Adeus, Kepler!

O telescópio espacial Kepler está oficialmente aposentado. A NASA divulgou que, conforme esperado, o combustível do equipamento se esgotou, com o “caçador de exoplanetas” deixando, agora, sua missão “nas mãos” do TESS, lançado em abril deste ano.

O Kepler nos permitiu descobrir mais de 2.600 exoplanetas desde o início de sua missão, em 2009, sendo que, até então, apenas imaginávamos que existiam planetas orbitando outras estrelas.

Kepler ficou para a história (Imagem: NASA)

Missão Dawn, que estudou Ceres, também chega ao fim

Outra missão da NASA que chegou ao fim em 2018 foi a Dawn, que estudou o planeta-anão Ceres e também deu uma passadinha ao redor do asteroide Vesta. A sonda, lançada em 2007, foi ao Cinturão de Asteroides para desvendar mistérios sobre os objetos que estão por lá, nos ajudando a compreender mais sobre a formação do Sistema Solar.

VIDEO

Via Láctea se chocou com galáxia-satélite há bilhões de anos

Estudando dados do observatório espacial Gaia, pesquisadores encontraram evidências de que a Via Láctea se chocou contra a galáxia-satélite Gaia-Enceladus há cerca de dez bilhões de anos — e estrelas desta galáxia ainda estão ao nosso redor para contar a história.

A equipe analisou o movimento de estrelas próximas ao Sol, comparando as observações com previsões de simulações em que a Via Láctea e a galáxia-satélite, que tem 20% da massa da nossa, se fundiram no passado distante, e as semelhanças encontradas são impressionantes, com algumas estrelas apresentando movimentos detalhadamente de acordo com as simulações. Os resultados indicam que o halo interior da Via Láctea é composto principalmente por estrelas que vieram dessa galáxia-satélite que foi “comida” pela nossa.

Uma das estrelas mais antigas do universo

Astrônomos da Johns Hopkins descobriram esta que pode ser uma das estrelas mais antigas do universo, composta quase que inteiramente por materiais expelidos pelo Big Bang. Ela teria aproximadamente 13,5 bilhões de anos e faz parte do “disco fino” da Via Láctea, sugerindo que nossa vizinhança galáctica possa ser pelo menos 3 bilhões de anos mais velha do que acreditamos.

A estrela de baixa massa chamada 2MASS J18082002-5104378 B faz parte de um sistema binário (com duas estrelas que se orbitam), e a equipe conseguiu comprovar que a segunda estrela, menos brilhante, realmente existe.

Tesla Roadster lançado pela SpaceX já passou por Marte

Em fevereiro, a SpaceX fez história ao lançar para o espaço um carro Tesla Roadster com um traje espacial chamado Starman em seu interior fazendo as vezes de um astronauta— tudo para mostrar o poder de seu novo foguete Falcon Heavy. Agora, a empresa espacial de Elon Musk revelou que o carro já passou pelo planeta Marte, e segue em direção ao “fim do universo”.

Tesla Roadster e seu Starman (Foto: SpaceX)

IA prevendo Alzheimer anos antes do diagnóstico

Um algoritmo de inteligência artificial treinado com dados de ensaios clínicos de pacientes com Alzheimer já é capaz de identificar a doença anos antes de um diagnóstico — e a precisão é alta.

O estudo que descreve o algoritmo mostra que a IA identifica alterações sutis no metabolismo cerebral, que já são indícios precoces da doença. A IA conseguiu alcançar 100% de sensibilidade na detecção do Alzheimer em média seis anos antes de um diagnóstico.

via Canaltech

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *