Novas espécies de dinossauros são descobertas na Patagônia

Uma espécie de dinossauro que teria vivido mais de 110 milhões de anos atrás, e até então era desconhecida, foi descoberta em Neuquén, na Patagônia, graças a uma colaboração hispano-argentina. Os fósseis descobertos fazem parte da família dos Rebbachisauridae, um tipo de quadrúpede herbívoro.

Estima-se que um dos fósseis é de um adulto que chegou a cerca de 10 a 12 metros. Havia ainda mais dois jovens, que teriam entre 6 e 7 metros de comprimento. De acordo com o Independent, provavelmente os dinossauros comeram folhas e grama, depois viajaram e morreram juntos.

“Encontramos a maioria dos ossos cranianos: o focinho, as mandíbulas, muitos dentes, também os ossos que definem as órbitas oculares, por exemplo, e assim conseguimos criar uma reconstrução quase completa”, afirma Jose Luis Carballido, pesquisador do museu Egidio Feruglio.

Assista Agora: Descubra o jeito certo de criar verdadeiros times de alta-performance e ter a empresa inteira focada em uma única direção.

Cientistas descobriram uma nova espécie de dinossauro na Patagônia. (Imagem: Independent)

Carballido ainda acrescenta: “Isso não é apenas a descoberta de uma nova espécie em uma área onde você não esperaria encontrar fósseis, mas o crânio está quase completo”. Isso porque há 110 milhões de anos, Neuquén era supostamente um deserto e, portanto, era improvável encontrar fósseis nessa região.

As novas espécies foram chamadas de Lavocatisaurus e, de acordo com o site Clarín, são dedicadas ao paleontólogo francês René Lavocat, que foi o primeiro a descobrir o dinossauro Rebbachisauridae no deserto do Saara na década de 1950. Além disso, o suposto dinossauro adulto foi apelidado de Alfredito, em homenagem ao cantor uruguaio Alfredo Zitarrosa.

Os Rebbachisauridae foram descobertos na Europa e na África, mas a recente descoberta de uma nova espécie no continente sul-americano reforça ainda mais a teoria de que essas áreas estavam conectadas há milhões de anos. Os fósseis encontrados, por sinal, foram levados para o Museu Olsacher de Ciências Naturais em Zapala, Neuquén.

Fonte: The Next WebIndependent

via Canaltech

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *