Flickr vai passar a cobrar assinaturas de usuários com mais de 1.000 fotos

Atenção você que usa o Flickr para registrar as suas imagens e divulgar seu trabalho como fotógrafo. É possível que você tenha que pagar para continuar na plataforma. A empresa anunciou nesta quinta-feira (1) que vai impor um limite de 1.000 fotos para contas gratuitas.

A mudança acontece pouco tempo depois que a SmugMug comprou a plataforma, negociação fechada com a Verizon no começo deste ano. Isso quer dizer que, para continuar postando mais fotos que o milhar disponível, vai ter que investir pelo menos os US$ 50 (~ R$ 185) anuais na plataforma.

Se você não estiver disposto a investir esse montante, calma, suas fotos não vão sumir de repente do Flickr. De acordo com o vice-presidente de produtos da empresa, Andrew Stadlen, esta mudança vai começar só no ano que vem, em 8 de janeiro. Até lá, tudo continua como está.

Além das fotos, a plataforma também passou a limitar a quantidade de conteúdos em 1 TB para contas gratuitas. Segundo Stadlen, em 2013, quando o Yahoo (então dono do Flickr) resolveu liberar a quantidade de terabytes que os usuários podiam usar, várias pessoas mostraram que estavam mais interessadas em usar o espaço extra do que fomentar uma comunidade de fotógrafos. “Isso causou uma significativa mudança de tom em nossa plataforma, longe da interação com a comunidade e da exploração de interesses compartilhados, o que faz do Flickr a casa para fotógrafos compartilharem seus trabalhos em todo mundo”, explica o vice-presidente.

Contudo, ele também abriu o coração e falou sobre o modelo de negócio que o Flick pretende criar. A empresa acredita que não é sustentável permitir que usuários usem tanto dos servidores de empresa, obrigando este movimento de redução. Com as assinaturas, eles garantem que a plataforma pode ser direcionada para o usuário e não para as empresas que contratam publicidade para a plataforma.

Por fim, ele explica que o total de 1.000 fotos é relativo a feedbacks de vários fotógrafos que trabalham com a plataforma. O montante ainda é maior do que o limite de 200 fotos que havia antes de 2013.

via Canaltech

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *