Após encerrar operação da Fnac, Livraria Cultura pede recuperação judicial

Com medida, rede nacional pretende focar mais no digital e manter poucas lojas físicas pelo Brasil.


A Livraria Cultura entrou nesta quarta-feira, 24/10, com um pedido de recuperação judicial, segundo informações do G1. Em nota enviada ao site, a rede justifica a decisão pela crise no mercado editorial, alegando que o setor encolheu 40% desde 2014.  

“Com essa medida (de recuperação judicial) visamos normalizar, em curto espaço de tempo, compromissos firmados com nossos fornecedores, preservando a saúde da empresa criada por Eva Herz em 1947, a manutenção de empregos e gerando mais estímulo para crescer”, afirma a empresa em comunicado, conforme o G1.

A medida acontece poucos dias após a Livraria Cultura encerrar no Brasil as operações da rede francesa Fnac, que estava sob seu controle no país desde julho de 2017. Na última semana, o site brasileiro da Fnac saiu oficialmente do ar, logo após o fechamento da última loja física da marca no mercado nacional, em Goiânia. 

Menos físico, mais digital

A Livraria Cultura, que fechou recentemente as suas lojas no Rio de Janeiro, afirmou que, com a recuperação judicial, pretende investir de forma “agressiva nos canais digitais” e manter poucas unidades físicas pelo país – atualmente, a rede possui 15 lojas abertas no Brasil – conforme a reportagem do G1.

Vale lembrar que a Cultura comprou a plataforma on-line de compra e venda de livros Estante Virtual no final de 2017.

via IDG Now!

Publicado por Carlos Trentini

Eu, eu mesmo e eu, agora e nas horas vagas...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *